Royale With Cheese

 Royale With Cheese

 
 



sexta-feira, fevereiro 28, 2014  

UM LOBISOMEM AMERICANO EM LONDRES:

Título: An American Werewolf In London
Realizador: John Landis
Ano: 1981


Toda a gente conhece John Landis, mesmo que não o saibam. E se não é pela sua filmografia de filmes de terror com um toque de humor (ou será que é o oposto?), é pelo teledisco de Thriller, de Michael Jackson, um dos mais reconhecíveis da história da cultura poular anglo-saxónica. O que já nem toda a gente sabe é que esse vídeo não existiria sem este Um Lobisomem Americano Em Londres. Consta que Michael Jackson ficou tão impressionado com o filme que não descansou enquanto não contratou toda a equipa envolvida.

Antes de serem denegridos naqueles filmes com vampiros que brilham, os lobisomens eram uma das mais ilustres criaturas clássicas da sétima arte. Monstros que se transformavam em lobos gigantes e sanguinários nas noites de lua cheia. O lobisomem aqui é David Kessler (David Naughton), que fica amaldiçoado depois de ter sido atacado por uma destas bestas durante uma eurotrip ao norte de Inglaterra. Menos sorte teve o seu amigo, Jack (Griffind Dunne), que morreu dilacerado pelas garras do animal.

David fica assim amaldiçoado duas vezes. A primeira porque está condenado a transformar-se num monstro peludo todas as noites de lua cheia, que sai para matar tudo o que mexe e se cruza no seu caminho, sem se lembrar de nada no dia seguinte; e a segunda porque as suas vítimas serão para sempre fantasmas errantes, que o amaldiçoarão para todo o sempre, até o último lobisomem morrer. O que deverá David fazer?

É este segundo ponto que dá pontos extra a John Landis e a Um Lobisomem Americano Em Londres. Normalmente, os lobisomens são sempre homens atormentados por uma transformação que não controlam - e que é uma alegoria ao instinto animal do ser humano - e que, normalmente, acabam por se acorrentarem para não causarem danos. Mas aqui isso não chega. E os mortos-vivos que dialogam consigo, enquanto erram por um limbo existencial, dão-lhe constantenente a sugestão da única saída possível: o suicídio.

John Landis, contudo, trata a coisa com ligeireza, mas sem despeito. O seu humor é sempre hábil e inteligente, servindo sobretudo para tornar tolerável (e super-amigável) o tom gore do filme. O final, numa sequência inesquecível, é o melhor exemplo disso: David e os fantasmas das suas vítimas reúnem-se num cinema porno para discutirem a situação, terminando tudo numa matança descomunal em pleno Picadilly Circus.

Finalmente, Um Lobisomem Americano Em Londres tem ainda aquele factor uau, que o torna num filme de culto: os efeitos-especiais. A caracterização e os fantoches de Rick Baker, que lhe valeram inclusive o primeiro Oscar respectivo da história da Academia -, dão ao filme um visual único, algures entre a bonecada do Jim Henson e o cinema fantástico moderno, que continua sem envelhever. Só por isto é impossível não gostar de Um Lobisomem Americano Em Londres, o mais saboroso McRoyal Deluxe de John Landis.

Posted by: dermot @ 3:30 da manhã
|  




quarta-feira, fevereiro 26, 2014  

CRAZY HEART:

Título: Crazy Heart
Realizador: Scott Cooper
Ano: 2009


Apesar de ter dado a Jeff Bridges o seu único Oscar até à data, Crazy Heart não teve direito a estreia comercial em Portugal. Mais um daqueles mistérios obscuros que acontecem com o cinema no nosso país. Não que seja um filme particularmente bom, mas tendo em conta a quantidade de lixo que estreia todas as semanas nas nossas salas, Crazy Heart tinha lugar na agenda de caras.

Crazy Heart é a história do cantor country Bad Blake (tudo fictício, atenção), a quem Jeff Bridges dá corpo e alma, numa fusão entre o seu cowboy de Indomável e o espírito hedonista do mítico The Dude. Bad está velho e deprimido (e afogado no whisky, diga-se), numa altura em que a sua carreira está estagnada, tocando em espeluncas por meia dúzia de trocos para ir sobrevivendo e manter-se lembrado junto do público. Nem por acaso, quando o conhecemos está a chegar a um salão de bowling para uma actuação e lembramo-nos logo de O Grande Lebowski outra vez.

Crazy Heart é então uma espécie de travessia no deserto, com possível (ou não) redenção final. Tudo depende do caminho que Bad decidir tomar, porque a luz ao fundo do túnel está lá. Primeiro sob a forma da jovem jornalista Jean (Maggie Gyllenhaal), com quem se envolve; e depois sob a forma do reencontro com a actual estrela do country, Tommy Sweet (Colin Ferrell), com quem pode repetir uma parceria que já deu frutos no passado.

Crazy Heart é uma espécie de O Wrestler, com música country em vez de luta-livre e com menos substância. Jeff Bridges leva o filme às costas, entre o melodrama foleiro e o telefilme de valores de produção elevados, só não indo mais longe porque o argumento manco não o deixa. Pelo meio, ensaia ainda as suas cordas vocais, numa banda-sonora de top, que faz lembrar o mais recente A Propósito De Llewyn Davis. Mais ou menos esquecível, Crazy Heart irá sobretudo ser lembrado como o filme que deu o Oscar a Bridges. Tem essa nota de rodapé e um McChicken que lhe permite ter o seu lugar na história.

Posted by: dermot @ 3:10 da manhã
|  




segunda-feira, fevereiro 24, 2014  

MAGNÓLIA:

Título: Magnolia
Realizador: Paul Thomas Anderson
Ano: 1999


Era inevitável. Com Magnólia, um filme-mosaico épico de três horas, Paul Thomas Anderson não tinha como fugir às comparações com Robert Altman, o rei do cinema-coral. E desde esse filme que lhe ficou o rótulo, que na verdade até nem lhe assenta mal, pela forma clássica como filma histórias sobretudo sobre pessoas.

Magnólia é um filme sobre a vida, sobre pessoas e sobre coincidências, num mosaico de histórias que se cruzam entre si, sem terem necessariamente muito a ver umas com as outras. A unir tudo uma espécie de intervenção divina, de influências bíblicas, tanto pelas referências constantes à passagem 8:2 do Êxodo (incluindo uma praga bíblica e tudo), como ao processo de queda e redenção por que passam as suas personagens, com uma pontinha de sentimento de culpa, algo muito cristão.

No enanto, Magnólia não tem nada de religioso. É antes um retrato social e uma crónica de costumes à suburbis norte-americana, de alguma forma próximo de outro filme do mesmo ano, Beleza Americana (realizdo por outro dos sucessores clássicos de Hollywood, Sam Mendes). Há então recalcamentos, paixões escondidas, moribundos arrependidos e, claro, um Tom Cruise numa das suas melhores personagens de sempre. Cruise é uma espécie de guru dos discursos motivacionais sobre como engatar mulheres, que tem o melhor lema de sempre: respect the cock and tame the cunt. É certo que também há a música da Aimee Mann na banda-sonora, que se tornou num verdadeiro otoverme (ao nível da de Donnie Darko), mas conseguimos ignorar isso com facilidade.

Apesar das três horas e da míriade de histórias e personagens cruzadas, Magnólia vê-se num fininho, sem enfado. E isso é o melhor elogio que se lhe pode fazer. Não é o melhor filme de Paul Thomas Anderson, mas é um McRoyal Deluxe que está lá bem em cima, no pódio.

Posted by: dermot @ 3:59 da manhã
|  




sexta-feira, fevereiro 21, 2014  

O CLUBE DE DALLAS:

Título: Dallas Buyers Club
Realizador: Jean-Marc Vallée
Ano: 2013


Matthew McConaughey parecia ser um tipo fadado para filmes esquecíveis, entre chick flicks e aventuras de domingo à tarde na TVI, até cair por completo na irrelevância (lembram-se do Brandon Fraser? Exacto, quase ninguém se lembra). Até que fez The Paperboy - Um Rapaz Do Sul, especializou-se em personagens sulistas e tem vindo a partir a loiça toda. Este ano, além da breve, mas inesquecível participação em O Lobo De Wall Street, McConaughey deu que falar com este O Clube De Dallas, com o qual é o principal favorito ao Oscar de melhor actor.

Seguindo uma linhagem de actores que inclui Christian Bale e Michael Fassbender, McConaughey transformou-se completamente para o filme, dando literalmente o corpo ao manifesto. Para interpretar a história real do seropositivo Ron Woodroof, teve que perder vários quilos, ficando pele e osso. Jared Leto fez o mesmo - e está igualmente bem -, mas tirando a nomeação ao Oscar de actor secundário, toda a gente parece não lhe estar a prestar muita atenção. A culpa é de McConaughey, que rouba todas as atenções.

O Clube De Dallas é um autêntico tour de force de McConaughey, que leva o piano às costas, lança os foguetes e apanha as canas. O filme narra a história verídica do tal Ron Woodroof, um tipo machão (come bué de gajas, curte rodeos e outras cenas de homem, bebe até cair, cospe para o chão e bateria na mulher quando o Benfica perdesse se fosse casado) que descobre ter sida, numa altura que a sida era sinónimo de homossexualidade. E o filme inicia-se precisamente com a notícia da morte de Rock Hudson, a primeira celebridade a sucumbir ao HIV.

Apesar da homofobia, Woodroof estabeleceu uma parceria (e posterior amizade) com o transexual Rayon (Jared Leto) e criou uma espécie de clínica alternativa, com base em medicamentos experimentais, lutando contra os interesses económicos das farmacêuticas. O Clube De Dallas podia cair facilmente no melodrama do caso da vida, mas ao menso tem o bom-senso de se manter longe disso. Infelizmente, esta é a única parte boa do filme, porque tudo o resto é de uma simplicidade atroz, tipo reportagem televisiva, onde não existem personagens ou situações que estimulem o drama.

Assim, O Clube De Dallas vale unicamente pelo one man show de Matthew McConaughey e alguns pozinhos de Jared Leto. Tudo o resto é um bocejo gigante, que quase não nos deixa acabar o Cheeseburger.

Posted by: dermot @ 3:55 da manhã
|  




quarta-feira, fevereiro 19, 2014  

A PANTERA:

Título: Cat People
Realizador: Jacques Tourneur
Ano: 1942


Nos anos 40, o cinema de terror era, basicamente, exclusivo dos filmes de grandes monstros, especialmente os da Universal (olá Drácula, olá Frankenstein). Até que, em 1940, Jacques Tourneur partiu a loiça toda com este A Pantera, introduzindo pela primeira vez a mundo o terror psicológico.

No entanto, essa preferência pela sugestão não foi tanto estética, mas sim uma necessidade. É que A Pantera, primeiro de uma série de filmes de terror do produtor Val Lewton, foi uma produção de baix orçamento, que Tourneur soube contornar com esta opção, refugiando-se nas sombras e nesse jogo do parece-que-disse-mas-não-tenho-a-certeza. Com isso, criou uma estética própria, que se tornaria em imagem de marca e influenciaria realizadores de todo o mundo, especialmente os que gostam de filmar a preto e branco, como o noss Pedro Costa, confesso admirador de Tourneur.


Antes de a Sérvia ser o berço de todos os vilões europeus, tinha sido a casa-mãe de Irina (Simone Simon), a protagonista de A Pantera, que acredita piamente ser alvo de uma maldição que afecta todas as mulheres da sua aldeia e que as transforma em panteras quando sentem prazer por um homem. Ou, pelo contrário, raiva e ciúme. Por isso, quand se apaixona (e casa) com Oliver (Kent Smith), Irina evita beija-lo, temendo pela sua segurança.

Esta história é uma metáfora para com a repressão sexual feminina e, já agora, todos os tabus sexuais de uma década de conservadorismo rígido. Ao mesmo tempo faz um paralelismo ácido com o Código Hayes, que censurava os filmes de Hollywood em nome de uma alegada conduta moralmente aceitável. No entanto, à superfície, A Pantera é um film-noir, com um uso perfeit das sombras, que assim substituem na perfeição a economia de meios.

Tourneur percebe o poder da sugestão e utiliza as sombras, as silhuetas e o lusco-fusco da penumbra para estimular a curiosidade do espectador e aumentar a tensão, que vai enchendo como uma panela de pressão. Quem vê fica na dúvida até quase ao fim, se aquela mulher é capaz ou não de se transformar num felino. E mesmo no final as dúvidas não ficam totalmente dissipadas. Até porque Tourneur resiste à tentação de (quase) nunca mostrar a tal pantera, o que se previa arriscado tratando-se de um filme chamado... A Pantera.

Apesar de um background algo coxo (a história sérvia não convence particularmente) e representações algo frouxas, A Pantera vale pela sua atmosfera e ambiente fantasmático, abrindo a porta à obra de Jacques Tourneur, em geral, e a todo um cinema fantástico de sugestão em particular. Encomenda-se aqui um McRoyal Deluxe e mete-se logo ao lume o prato seguinte, Zombie.

Posted by: dermot @ 2:42 da manhã
|  




segunda-feira, fevereiro 17, 2014  

A QUEDA:

Título: Fallen
Realizador: Gregory Hoblit
Ano: 1998


No final dos anos 90, tinha um colega de turma que tinha levado uma lavagem cerebral e tinha sido evangelhizado pela IURD. Não bebia, não praguejava, não fumava, não ouvia rock n roll e só dava beijinhos à namorada, porque estava à espera do casamento (true story, juro). Este meu colega foi ver A Queda e ficou fascinado tanto pelo filme como pelo tema principal, Time Is On My Side. Quando lhe disse que o tema que ele andava a cantarolar era dos Rolling Stones, o mundo dele entro em curto-circuito - afinal tinha andado a pecar esses dias todos, ao gostar de uma música rock.

De facto, a inclusão de Time Is On My Side (na versão dos Stones, ou seja, a melhor) em A Queda, em jeito de mcguffin, é o melhor do filme. É o tema que nos indica a presença em cena do demónio e nos alerta para o perigo iminente, passando de mão em mão, numa metáfora assustadora de que o mal é algo facilmente transmissível. Mas qual demónio, perguntam vocês. Vamos lá então.

A Queda é a história do detective John Hobbes (Denzel Washington a fazer aquilo que sabe melhor, de polícia), que depois da morte na cadeira eléctrica de um serial killer que apanhou, continua a encontrar novas mortes. No entanto, o que de início poderia sugerir a entrada em cena de um copycat, revela-se algo mais... diferente. Azazel é um demónio caído, que busca a queda da civilização, e que possui bandidagem e que decide vingar-se do polícia que o apanhou. É Denzel Washington a entrar numa linhagem de outros polícias que também tiveram que enfrentar o paranormal, a seguir de Eddie Murphy, Chuck Norris e Arnold Schwarzenegger (olá O Menino De Oiro, Polícia Demolidor e Os Dias Do Fim, respectivamente).

O realizador Gregory Hoblit, que um ano antes tinha assinado aquela obra-prima subvalorizada que revelou Edward Norton e que se chama A Raiz Do Medo (para nunca fazer mais nada de jeito), monta esta reflexão sobre a origem do Mal (não é por acaso que o herói se chama Hobbes, vide Thomas Hobbes) segundo os códigos do (neo)noir. A estrutura é a mesma de Crepúsculo Dos Deuses, começando pelo fim e depois recuando em flashback, narrado pelo protagonista. No entanto, substitui as sombras por fantasmas, dando-nos inclusive o ponto de vista do demónio, com uns planos subjectivos com os filtros do instagram, à medida de A Noite Dos Mortos-Vivos.

Tudo isto funciona muito bem na teoria, mas depois na prática assenta num argumento algo frágil, com alguns plotholes, nomeadamemte um decisivo no desfecho do filme. Isso faz-nos ter sentimentos opostos em relação a A Queda: de um lado gostamos das suas intenções e do seu caderno de encargos; por outro, não gostamos por aí além da sua aplicação. Nada que um McChicken não resolva.

Posted by: dermot @ 4:21 da manhã
|  




sexta-feira, fevereiro 14, 2014  

NINFOMANÍACA - VOL. 1:

Título: Nymphomaniac
Realizador: Lars Von Trier
Ano: 2013


Longe vão os tempos em que Lars Von Trier era um realizador que fazia filmes provocadores. Agora é ele próprio a provocação, sendo os filmes a extensão desse seu gesto criador. Basta ver as recentes polémicas em que se envolveu (alguém menciou Cannes?), tão ridículas quanto escusadas. Por isso, decidir fazer um filme chamado Ninfomaníaca, com cenas de sexo explícito, não só não chocou como também não surpreendeu ninguém.

Quer dizer, a mim surpreendeu-me, mas pela positiva. Depois de todo o ódio que tem sido destilado para com o filme (desde as poucas estrelas da crítica aos risos e apupos de Cannes, durante a sua estreia), estava à espera de uma diarreira mental. E depois de tanto falatório sobre as cenas de sexo explícito, com recurso a duplos do cinema porno e tudo (aliado a descrições como "o filme porno menos excitante de sempre"), confesso que esperava outra coisa. Pelo menos esta primeira metade - porque o filme foi dividido em dois pelos produtores - não tem nada de mais. E com A Vida De Adèle ainda na memória, isto parece uma história de meninos do coro.

Por falar em A Vida De Adèle, há muitas semelhanças, tematicamente falando, entre o filme de Abdellatif Kechiche e este Ninfomaníaca. Ambos contam a descoberta da vida sexual de uma jovem mulher. No entanto, enquanto isso era um episódio no coming of age de Adèle, aqui é todo ele o leitmotiv que faz o filme acontecer - ou não fosse a protagonista ninfomaníaca. Um épico contado em flashback pela própria Joe (Charlotte Gainsbourg) a um senhor (Stellan Skarsgård) que a resgata da rua depois de uma sova.

Nos últimos filmes - a chamada trilogia da depressão -, Lars Von Trier tem insistido na ideia de que as mulheres são a origem de todo o mal. Aqui é o filme em que leva a ideia mais al extremo, passando para lá da fronteira do realismo e entrando no registo da caricatura. Mas Von Trier assume esse excesso e toda a caricatura sem problema. Enquanto que Anticristo era perturbador e Melancolia era espiritual, Ninfomaníaca é o que mais se aproxima da ironia, aproximando-se amiúde da comédia mais ou menos involuntária.

Neste se excesso, Ninfomaníaca acaba também por ser um filme feminista, quase como que a versão normal de Garganta Funda - aqui, Joe descobre a sua vagina, fonte de prazer, mas também de poder, numa simbologia com a emancipação feminina, nma sociedade em que a igualdade de género continua a existir, muitas vezes, apenas no papel. Um paradoxo, já que Lars Von Trier usa Ninfomaníaca para satirizar todos os esteriótipos femininos: a mulher manipuladora, a mulher dramática, a mulher perversa...

Dividido por capítulos, Lars Von Trier dedica cada um a uma diferente metáfora, até porque todos os diálogos entre a narradora e o seu ouvinte são um jogo de referências, adivinhas e simbologias. Assim, há desde capítulos em que o sexo e a pesca são emparelhados como analogias, outros em que Edgar Allan Poe e a sua casa de Usher servem de molde ou ainda outros em que a música de Bach serve de espelho às obsessões sexuais.

Para quem estava à espera de ver novamente Charlotte Gainsbourg entregar-se de corpo e alma aos excessos de Von Trier, não é em Ninfomaníaca que os vai ver. Aqui, quem briha, é a desconhecida Stacy Martin, no papel da jovem Joe. Contudo, Uma Thurman rouba para si todo o protagonismo do filme, no curto espaço que aparece, naquele que é o moment alto do filme. Christian Slater é que é um péssimo erro de casting, aliás como toda a sua carreira. Terminando em suspenso, num cliffhanger digno da televisão, Ninfomaníaca afinal é um McChicken, cuja estratégia de marketing agressiva quase me fez não o ir ver.



NINFOMANÍACA - VOL. 2:

Título: Nymphomaniac - Vol. 2
Realizador: Lars Von Trier
Ano: 2013


Com a decisão de dividir Ninfomaníaca em duas partes distintas, como Lars Von Trier faz questão de anunciar no início de cada um dos filmes, torna-se difícil saber o que chamar a este Volume 2. Não é uma sequela nem propriamente uma continuação; é literalmente o mesmo filme, que não consegue viver isoladamente sem o primeiro. No entanto, é claramente inferior ao antecessor.

Ninfomaníaca tinha acabado com um verdadeiro cliffhanger. Joe (Charlotte Gainsbourg) é uma viciada em sexo, que depois de ser resgatada da rua por Seligman (Stellan Skarsgård), lhe começa a contarna história da sua vida, dsde a infância até ao preciso momento em que deixa de sentir qualquer prazer. Ninfomaníaca - Vol. 2 arranca precisamente aí e continua a história de Joe até aos dias de hoje.

No entanto, a coisa muda de moldes a meio. Aquilo que tinha sido um diálogo bastante activo até então, entre Joe e Seligman, torna-se às tantas num monólago da primeira. Com isso, caem os jogos de metáforas e simbologias, que os dois montam durante todo o primeiro tomo, e fazem de Ninfomaníaca uma espécie de referéncias pessoais, com mais ou menos sentido. Curiosamente, isso acontece quando Seligman introduz um novo elemento na narrativa, que até deveria ter o efeito oporto: a revelação de que é assexual.

Além disso, Ninfomaníaca - Vol. 2 é também aquele que tem os momentos mais autobiográficos. Apesar de haver sempre a ideia no ar de que Von Trier está a falar de si, das suas ideias e dos seus interesses, é aqui que dá a impressão que o realizador está mesmo a falar na primeira pessoa, nomeadamente quando desdenha da sociedade em geral e divaga sobre a autoridade.

Também não há aqui um momento especial como era a passagem de Uma Thurman na primeira parte, qual cometa, se bem que Jamie Bell dá um ar da sua graça. Na pele de um masoquista com ar de cachorro submisso, Bell arranca o melhor momento de Ninfomaníaca - Vol. 2, antes do filme cair na ponta final, que é claramente a mais aborrecida e desinteressante. Se analisarmos este Ninfomaníaca - Vol. 2 como um filme isolado, então é um Cheeseburger que levamos para casa.

Posted by: dermot @ 5:38 da manhã
|  




quarta-feira, fevereiro 12, 2014  

UMA HISTÓRIA DE AMOR:

Título: Her
Realizador: Spike Jonze
Ano: 2013


Há um episódio n'A Teoria Do Big Bang em que Raj se apaixona pela Siri, do seu iPhone. Muito basicamente, Uma História De Amor (mais uma tradução imaginativa (sic) para português) é uma variação deste episódio, mas mais sofisticada, bem escrita e aprofundada.

Nestes Oscares que estão quase a acontecer, muito se tem falado da transformação de alguns actores que se transformaram radicalmente para determinados papéis: Christian Bale e a sua careca, marreca e barriga de cerveja em Golpada Americana; Matthew McConaughey e os seus menos 20 quilos, em O Clube De Dallas; e, no mesmo filme, Jared Leto em modo transexual. No entanto, a Academia esqueceu-se de uma nomeação. A de Joaquin Phoenix, neste Uma História De Amor, que com o seu bigode se transformou numa espécie de Ned Flanders, mas sem a parte da religião. Um dos injustiçados desta edição dos Oscares!

É este Joaquin Phoenix - infeliz, solitário e deprimido, desde que se separou da mulher da sua vida - que se vai apaixonar por Samantha (voz de Scarlett Johansson, que mesmo sem aparecer é irresistível), um operador de sistema inteligente que instala no seu computador. Vive-se num futuro não muito longínquo, hipertecnológico, e a humanidade tornou-se tão alienada, que Phoenix só encontra amor e companhia numa aplicação tecnológica. Já dizia o Einstein, naquela que deve ser a citação mais mal citada de toda a história recente da internet, que I fear the day when the technology overlaps with our humanity. The world will only have a generation of idiots.

Mais do que uma história de amor, nos habituais moldes delicodoces de Spike Jonze (que filma tudo com cores neutras, em contraste com os luminosos flashbacks em que Phoenix relembra os momentos felizes passados com a cara-metade). Uma História De Amor é uma sátira a este mundo de impessoabilidade para o qual parecemos caminhar cada vez mais. Tira um par de coelhos da cartola, faz-nos rir por dentro meia dúzia de vezes e, há que ser sincero, chove no molhado durante um bocadinho também. No entanto, onde se perde mesmo é no final algo abrupto, como se tivesse pressa de ir para casa, depois de duas horas em que vai desenrolando o novelo daquela história de amor proibida entre um homem e uma máquina. Em termos de romance (pouco convencional claro, afinal de contas estamos a falar do mesmo homem que fez I'm Here, a menos convencional história de amizade recente), será sem dúvida o melhor McRoyal Deluxe que irá ver nos próximos tempo.s

Posted by: dermot @ 7:44 da manhã
|  




terça-feira, fevereiro 11, 2014  

RIP:



1928-2016

Posted by: dermot @ 11:54 da manhã
|  




segunda-feira, fevereiro 10, 2014  

HIROSHIMA, MEU AMOR:

Título: Hiroshima, Mon Amour
Realizador: Alain Resnais
Ano: 1959


Nesta onda de reposições, tem havido uma aposta em três tipos de filmes, a saber: os clássicos da época áurea de Hollywood (olá Casablanca), os filmes de culto de autores do mundo (olá Bergman, olá Ozu) e o cinema de autor europeu. É nesta última equipa que se insere este Hiroshima Meu Amor, obra maior do francês Alain Resnais, que ainda anda por cá a fazer filmes, mas já não muito relvantes.

Hiroshima Meu Amor começa como uma dedicatória a Hiroshima, uma das duas cidades japonesas marcadas pelo ataque com a bomba atómica, no princípio do fim da Segunda Grande Guerra. Uma sucessão de imagens tipo postal de férias, uns travellings pela cidade e found footage do bombardeamento (imagens fortes, muito fortes) - eis os resquícios do documentário inicial que era para ser este filme, antes de Resnais decidir incorporar uns elementos de ficção. Depois arranca o filme propriamente dito.

Entramos então na intimidade de uma one night stand entre a francesa Elle (uma deslumbrante Emmanuelle Riva muito fresquinha), actriz no seu último dia de filmagens de um filme de guerra na cidade, e o japonês Lui (Eiji Okada), um arquitecto seduzido pela oportunidade. O que parecia ser um simples fling de uma noite acaba por se estender num romance muito mas sério, numa espécie de antecessor de Antes Do Amanhecer, mas em formato mais sério (e mais poético, ou não fossem os diálogos escritos por Marguerite Duras).

Hiroshima Meu Amor é, provavelmente, o primeiro filme intercultural da história, numa relação em que o ocidente encontra o oriente. No entanto, este encontro é ainda mais ambicioso do que isto, já que é também o encontro entre inimigos, numa guerra que então ainda estava bem presente na memória colectiva do público. Hiroshima Meu Amor é uma metáfora acutilante ao conflito, dando ao mesmo tempo os dois lados da msma moeda, em que esta é a cidade de Hiroshima e em que cada lado é uma das perspectivas de que o mundo tinha (tem?) dela: de um lado a visão ocidental, de que Hiroshima foi o princípio do fim da guerra e um mal necessário à felicidade global; e do outro a visão oriental, em que foram vítimas de um sofrimento que não pediram.

Resnais não tira lados, nem procura dar respostas, mantendo-se neutro; ele só nos quer fazer reflectir, até porque foi sempre um tipo comprometido com estes temas. Aliás, é nesta procura pela neutralidade, que Hiroshima Meu Amor dá um pontapé no ar, no pasado recambolesco de Elle, que envolve alemãos (e, se fizermos muita força, uma sugestão de culpa colaboracionista). Fora isso, Resnais monta aqui um grande romance, mas também um filme tecnicamente à frente do seu tempo, quando a nouvelle vague era mesmo uma brisa de ar fresco e não uma múmia que, de quando em vez, ainda aparece por aí cheia de teias aranha. Pode-se mesmo dizer que Hiroshima Meu Amor é O Mundo A Seus Pés europeu.

Filme que envelheceu bem, ganhando uma patine romântica es, de certa forma, nostálgica, Hiroshima Meu Amor só peca mesmo por aquele subplot mirabolante da juventude francesa de Elle, na cidade de Nevers (hábil jogo de palavras de Resnais). Fora isso, tudo sabe a um McBacon gourmet.

Posted by: dermot @ 4:43 da manhã
|  




sexta-feira, fevereiro 07, 2014  

SÓ DEUS PERDOA:

Título: Only God Forgives
Realizador: Nicolas Winding Refn
Ano: 2013


Depois do sucesso de Drive - Risco Duplo, Nicolas Winding Refn e Ryan Gosling decidiram repetir a dose, com Só Deus Perdoa. E este vosso escriba, admirador confesso da obra do primeiro, salivou de expectativa, qual cão de Pavlov. Mesmo quando o filme começou a levar pancada de todo o lado - inclusive de Cannes, onde foi sovado com o mesmo entusiasmo com que Drive - Risco Duplo tinha sido louvado dois anos atrás - mantive as expectativas em alta.

Como o título indica, Só Deus Perdoa é uma história de vingança. A de um pai que mata o assassino (e violador da sua filha) - sob a benção de um ex-polícia na pele de anjo vingador e a da mãe do assassino que tenta vingar o filho a todo o custo (isto é, pagando o que tiver que pagar a quem quer que seja). Pelo meio, há Ryan Gosling, em formato silencioso novamente (os heróis com ar de enjoados de Melville continuam a fazer escola - olá Ofício De Matar), que é o irmão desse assassino/violador e o filho pisado pela mãe tirana (uma irreconhecível Kristin Scott Thomas).

Talvez porque sabe onde estão as melhores histórias de vingança (alguém mencionou Chan-wook Park?), Refn foi filmar ao Oriente, mais especificamente à Tailândia, numa opção tanto artística quanto estética. No entanto, em Só Deus Perdoa, o realizador dinamarquês parece que teve uma overdose do seu próprio cinema, inflando como um peixe-balão com doses industriais daquilo que tem tornado o seu corpo de obra anterior reconhecível, perdendo completamente a sensibilidade necessária para o controlar ou manipular. Só Deus Perdoa é assim altamente formalista e estilizado, acabando a forma por atropelar o conteúdo, deixando-o oco e vazio.

A influência de Kubrick, o rei dos formalistas, é visível, assim como o ambiente misterioso de David Lynch (aqui mais fantasmático ainda que os neóns de Drive - Risco Duplo">Drive - Risco Duplo), mas Só Deus Perdoa não tem um pingo de personalidade. Parece um monstro de Frankenstein, retalhado com momentos assépticos, onde a estilização limpa tudo e não deixa nada por dizer, numa fotografia tão imaculada que varre para debaixo do tapete o deboche de Banguecoque que, no fundo, foi o motivo para Refn ir para lá filmar esta história. Pelo meio, os relampejos de violência gráfica que já nos habituou antes, desta vez associados a uns diálogos macabros e escabrosos, que não lembram ao menino de Jesus.

Só Deus Perdoa tem assim um sensacionalismo barato aliado a uma reflexão mallickiana que não funciona, ponto final parágrafo. Porque Só Deus Perdoa não tem nada para dizer: Ryan Gosling anda por lá, por exemplo, mas é apenas mais um fantasma, neste jogo de espelhos virados para o próprio umbigo do realizador. No final, quando termina, há uma homenagem a Alejandro Jodorowsky - e isso é a única coisa que faz sentido em todo o filme. Contudo, enquanto que o autor chileno parece ter sempre um motivo obscuro por trás, um aura espiritual (só é surrealista quem pode, não quem quer), Refn dá a impressão de se limitar a ser esquisito porque sim.

Provavelmente, o tempo irá transformar este Só Deus Perdoa num qualquer filme de culto, escrevendo-se que, aquando da sua estreia, foi um filme incompreendido. Eu não punha as mãos no fogo, porque tudo me parece uma enorme diarreia cerebral. Nada que belisque o meu fervor pela obra anterior de Nicolas Winding Refn, mas aqui não lhe dou mais do que um Pão com Manteiga. E só não coloco o filme na lista dos piores do ano, porque já é Janeiro.

Posted by: dermot @ 2:49 da manhã
|  




quarta-feira, fevereiro 05, 2014  

12 ANOS ESCRAVO:

Título: 12 Years A Slave
Realizador: Steve McQueen
Ano: 2013


Já conhecia o Steve McQueen da vídeo arte, por isso quando ele fez o Fome, confesso que pensei que ele fosse mais um daqueles tipos armados ao pingarelho convencidos que podem ser realizadores só porque são minimamente conhecidos. Contudo, tanto esse como o Vergonha convenceram-me e passei a encará-lo a sério. Bem a sério. Até que apareceu este 12 Anos Escravo, com Oscares escrito por todo o lado, e eu voltei a torcer o nariz. Mas o homem já tinha provado não merecer a minha desconfiança.

McQueen abandonou então o formalismo rígido dos seus trabalhos anteriors, para fazer aqui o seu filme mais convencional. Se bem que, de início, também parece que vai colocar o corpo do seu protagonista à prova. Depois da greve de fome de Michael Fassbender, a cena em que Chiwetel Ejiofor é chicoteado (lembram-se de A Paixão De Cristo?) dá-nos um murro no estômago e ficamos a pensar que estamos em território conhecido. Mas é sol de pouca dura, porque rapidamente tudo volta à normalidade.

Obviamente que não há nada de normal nesta história verídica de um preto que, no século XIX, foi raptado e vendido para escravo no sul dos Estados Unidos. 12 Anos Escravo é um drama duro e seco, max que não tem a crueza dos filmes anteriores de Steve McQueen. Basta ver como o dia é salvo pelos 10 minutos em cena de Brad Pitt, o bonitão que entra no filme para repôr a justiça. Um gesto sintomático do que é 12 Anos Escravo.

Devido à proximidade temporal, são inevitáveis as comparações com Django Libertado; e esse é outro ponto a desfavor de 12 Anos Escravo. Se não tivessemos visto Django Libertado, 12 Anos Escravo bateria mais, mas depois do que Tarantino fez do tema da escravatura (mesmo sem ser o seu melhor filme, longe disso) este deixa-nos água na boca. Não que seja um mau filme - antes pelo contrário -, até porque as interpretações de Ejiofor ou Lupita Nyong'o são um valor acrescentado, mas há uma normalização suficiente para que este McBacon saiba claramente a pouco.

Posted by: dermot @ 3:00 da manhã
|  




segunda-feira, fevereiro 03, 2014  

AS VINHAS DA IRA:

Título: The Grapes Of Wrath
Realizador: John Ford
Ano: 1940


Apesar de se ter especializado em westerns (e de ser quase sempre recordado como o maior autor de filmes de cowboys do outro lado do Atlântico), um dos melhores trabalhos de John Ford nada tem de cauboiadas. As Vinhas Da Ira foi a sua adaptação ao grande ecrã do romance homónimo de John Steinbeck, uma obra-prima que, à partida, parecia ser um erro de casting. É que Ford, tão habituado aos valores da nação, não parecia ter unhas para uma história tão social e politicamente comprometida.

As Vinhas Da Ira é o retrato mais cru da Grande Depressão, a crise financeira que atingiu os Estados Unidos em 1929. Tão cru e visceral que é quase como uma faca a penetrar devagarinho debaixo da pele. O livro de Steinbeck é mais realista do que o idealista John Ford, mas este compensa com uma espessa dose de nostalgia e alguma esperança, que nos permitem continuar sempre com os protagonistas sem ter o coração apertado.

Os protagonistas são então a família Joad, liderados pelo filho Tom (fantástico Henry Fonda), que logo no início do filme conhecemos no seu regresso a casa, depois de 4 anos na prisão. Podia ser o regresso do filho pródigo, mas a realidade é bem mais negra. Qual tragédia grega, Tom descobre que a sua família - à semelhança de tantas outras - foi expulsa da sua terra pelo banco e está de partida para a Califórnia. No entanto, se a viagem é complicada (é difícil atravessar o deserto numa carripana sem dinheiro), a chegada é ainda pior, já que a terra prometida afinal é apenas mais um buraco, onde o desemprego e a miséria coabitam a cada esquina.

Entre o road movie e o drama familiar hiper-realista (lembramo-nos amiúde de A Estrada pelo aspecto miserabilista), As Vinhas Da Ira é um noir onde as sombras são quase uma personagem, e que tem uma fotografia de se tirar o chapéu, em que consta que John Ford nunca utilizou luz artifical nos exteriores. Isso faz com que a cenografia do filme seja de um preto e branco contrastante, que lembra outros bons exemplos do preto e branco (olá Zombie, olá A Sombra Do Caçador, olá A Pantera). Tudo boas comparações para se fazer a este Le Big Mac, um dos mais saborosos de John Ford.

Posted by: dermot @ 4:26 da manhã
|  




domingo, fevereiro 02, 2014  

FRAT HOUSE:

Título: Frat House
Realizador: Andrew Gurland & Todd Phillips
Ano: 1998


Agora que as praxes estão (outra vez) na ordem do dia - parece que é preciso alguém aleijar-se ou morrer para a malta se aperceber que a praxe é um dos cancros da sociedade moderna portuguesa, juntamente com a tourada e as marchas populares -, vale a pena recuperar Frat House, o documentário de Andrew Gurland e Todd Phillips sobre as fraternidades norte-americanas. Salvo as devidas distâncias, as duas não são assim tão diferentes uma da outra.

Tanto os estudantes americanos como os portugueses usam duas das justificações mais comuns quando toca a defender este ritual colectivo de humilhação disfarçado de sistema de integração: que é uma tradição (argumento que dá para tudo; as pauladas nas focas no Ártico ou a caça ao golfinho no Japão também são tradições) e que é uma forma de ensinar as hierarquias da vida. Obviamente, porque o meu patrão está sempre a mandar-me rastejar e eu sei que o devo fazer, porque são as hierarquias na vida.

Mas como isto não é uma prosa sobre a (parvoíce da) praxe, vamos lá a falar do filme. Frat House foi um documentário feit pars a HBO e, até há data, é o único a ter sido banido pela cadeia televisiva. A versão oficial é de que a segunda parte do filme é toda encenada; a versão não-oficial é de que, alguém, pagou à HBO para que proibissem a sua exibição. Verdadeiro ou falso, fica à consideração de cada um.

Andrew Gurland e Todd Phillips vão então seguir e documentar o dia-a-dia de uma fraternidade, uma espécie de fusão entre as Repúblicas de Coimbra e as praxes académicas. Seguem o ritual de admissão, as festas e, sobretudo, os castigos que os novos caloiros têm que passar para serem aceites. No entanto, a meio do processo, os veteranos - liderados por um tal de Blossom, alta personagem com claros problemas recalcados - mudam de ideias e expulsam os documentaristas. É aí que eles mudam de campus, onde os deixam filmar desde que não revelem onde estão ou os nomes dos envolvidos. E essa parte que alguns defendem ser falsa.

O que é certo é que essa primeira parte é suficiente para captar o clima de humilhação, de submissão e de violência psicológica que são os pilares onde assenta aquela... tradição. Os realizadores limitam-se a documentar de forma linear os acontecimentos, com recurso a um narrador e alguns intratítulos, que fazem dele um documentário preguiçoso e claramente destinado ao formato televisivo. Todd Phillips tiraria daqui (e do documentário que fez antes do punk G.G. Allin) a maioria da influência que marca o seu corpo de obra enqunto realizador: os excessos do teen movie de Road Trip ou (o mais maduro) A Ressaca. Quanto a nós, com este McChicken, tiramos mais um atestado de estupidez a este tipo de praxes.


Posted by: dermot @ 5:00 da manhã
|  





COTAÇÃO:
10 - Royale With Cheese
9 - Le Big Mac
8 - McRoyal Deluxe
7 - McBacon
6 - McChicken
5 - Double Cheeseburger
4 - Cheeseburger
3 - Caixinha de 500 paus (Happy Meal)
2 - Hamburga de Choco
1 - Pão com Manteiga

TAKE:
Take - cinema magazine | take.com.pt


ARE YOU TALKING TO ME:
DUELO AO SOL
CLARENCE HAD A LITTLE LAMB
GONN1000
BITAITES
ANTESTREIA
CINEBLOG
CINEMA NOTEBOOK
CONTRA CAMPO
ZONA NEGRA
O MELHOR BLOG DO UNIVERSO
A CAUSA DAS COISAS
O MEU PIU PIU
AMARCORD
LAURO ANTÓNIO APRESENTA
SARICES ARTÍSTICAS
A RAZÃO TEM SEMPRE CLIENTE
MIL E UM FILMES
AS IMAGENS PRIMEIRO
A DUPLA PERSONALIDADE
TRASH CINEMA TRASH
SUNSET BOULEVARD
CINEMA XUNGA


ARE YOU TALKIN' TO ME?
cinephilus@mail.pt


CRÍTICAS:
- A Armadilha
- A Arte De Pensar Negativamente
- A Árvore Da Vida
- A Balada de Jack And Rose
- A Bela E O Paparazzo
- A Boda
- À Boleia Pela Galáxia
- A Cabana Do Medo
- A Cela
- A Canção De Lisboa
- A Cara Que Mereces
- A Casa Dos 1000 Cadáveres
- A Casa Maldita
- A Cidade Dos Malditos
- A Ciência Dos Sonhos
- A Comunidade
- A Cor Do Dinheiro
- A Costa Dos Murmúrios
- A Criança
- A Dália Negra
- A Dama De Honor
- A Descida
- A Duquesa
- À Dúzia É Mais Barato
- A Encruzilhada
- A Estrada
- A Estranha Em Mim
- A Frieza Da Luz
- A Fúria Do Dragão
- A História De Uma Abelha
- A Honra Da Família
- A Janela (Maryalva Mix)
- A Lagoa Azul
- A Lenda Da Floresta
- A Liga Dos Cavalheiros Extraordinários
- A Lista De Schindler
- A Lojinha Dos Horrores
- A Mais Louca Odisseia No Espaço
- A Maldição Da Flor Dourada
- A Mansão
- A Maravilhosa Aventura De Charlie
- A Marcha Dos Pinguins
- A Máscara
- A Máscara De Cristal
- A Menina Jagoda No Supermercado
- A Minha Bela Lavandaria
- A Minha Vida Sem Mim
- A Morte Do Senhor Lazarescu
- A Mosca
- A Mulher Do Astronauta
- A Mulher Que Viveu Duas Vezes
- A Múmia
- A Noiva Cadáver
- A Noiva Estava De Luto
- A Origem
- A Outra Margem
- A Paixão De Cristo
- A Pele Onde Eu Vivo
- A Pequena Loja Dos Horrores
- A Prairie Home Companion - Bastidores Da Rádio
- A Presa
- À Procura Da Terra Do Nunca
- A Promessa
- À Prova De Morte
- A Rainha
- A Rai­nha Africana
- A Raiz Do Medo
- A Rapariga Santa
- A Rede Social
- A Religiosa Portuguesa
- A Ressaca
- A Residencial Espanhola
- A Sangue Frio
- A Secretária
- A Semente Do Diabo
- A Senhora Da Água
- A Severa
- A Sombra Do Caçador
- A Sombra Do Samurai
- A Tempestade No Meu Coração
- A Tempo E Horas
- A Torre Do Inferno
- A Turma
- A Última Famel
- A Última Tentação De Cristo
- A Valsa Com Bashir
- A Verdadeira História De Jack, O Estripador
- A Viagem De Chihiro
- A Viagem De Iszka
- A Vida De Brian
- A Vida É Um Jogo
- A Vida É Um Milagre
- A Vida Em Directo
- A Vida Secreta Das Palavras
- A Vila
- A Vítima Do Medo
- A Vizinha Do Lado
- A Volta Ao Mundo Em 80 Dias
- Aberto Até De Madrugada
- Abraços Desfeitos
- Acção Total
- Aconteceu No Oeste
- Across The Universe
- Actividade Paranormal
- Acusado
- Adam Renascido
- Admitido
- Adriana
- Aelita
- Ágora
- Água Aos Elefantes
- Air Guitar Nation
- Albert, O Gordo
- Aldeia Da Roupa Branca
- Alice
- Alice In Acidland
- Alice No País Das Maravilhas
- Alien - O Oitavo Passageiro
- Aliens - O Reencontro Final
- Alien - A Desforra
- Alien - O Regresso
- Alien Vs. Predador
- Alien Autopsy
- Alma Em Paz
- Almoço De 15 De Agosto
- Alphaville
- Alta Fidelidade
- Alta Golpada
- Alta Tensão
- Alucinação
- Amália
- Amarcord
- American Movie
- American Splendor
- Amor À Queima-Roupa
- Amor De Verão
- Amor E Corridas
- Amor E Vacas
- Amor Em Las Vegas
- Amor Ou Consequência
- And Soon The Darkness
- Angel-A
- Animal
- Annie Hall
- Anónimo
- Antes Do Anoitecer
- Antes Que O Diabo Saiba Que Morreste
- Anticristo
- Anvil! The True Story of Anvil
- Anytinhig Else - A Vida E Tudo Mais
- Appaloosa
- Apocalypto
- Aquele Querido Mês De Agosto
- Aracnofobia
- Aragami
- Arizona Dream
- Armin
- Arséne Lupin - O Ladrão Sedutor
- As Asas Do Desejo
- As Aventuras De Jack Burton Nas Garras Do Mandarim
- As Aventuras De Tintim - O Segredo Do Licorne
- As Aventuras Do Príncipe Achmed
- As Bandeiras Dos Nossos Pais
- As Bonecas Russas
- As Canções De Amor
- As Crónicas De Narnia - O Leão, A Feiticeira E O Guarda-Roupa
- As Diabólicas
- As Ervas Daninhas
- As Invasões Bárbaras
- As Lágrimas Do Tigre Negro
- As Leis Da Atracção
- As Noites Loucas Do Dr. Jerryll
- As Penas Do Desejo
- As Tartarugas Também Voam
- As Vidas Dos Outros
- Aberto Até De Madrugada
- Assalto À Esquadra 13 (1976)
- Assalto À Esquadra 13 (2005)
- Assalto Ao Santa Maria
- Assassinos Natos
- Ata-me
- Até Ao Inferno
- Até Ao Limite Do Terror
- Atraídos Pelo Crime
- Através Da Noite
- Attack Of The 50 Foot Woman
- Aurora
- Austrália
- Autocarro 174
- Avatar
- Aviva, Meu Amor
- Aztec Rex
- Azul Metálico

- Babel
- Backbeat, Geração Inquieta
- Balas E Bolinhos - O Regresso
- Balbúrdia No Oeste
- Bando À Parte
- Baraka
- Barbarella
- Barreira Invisí­vel
- Batman
- Batman Regressa
- Batman - O Início
- Be Cool
- Beijing Bastards
- Belleville Rendez-Vouz
- Bem-vindo À Zombieland
- Bem-vindo Ao Norte
- Berlin 36
- Birth - O Mistério
- Biutiful
- Black Sheep
- Black Snake Moan - A Redenção
- Blade Runner - Perigo Iminente
- Blueberry
- Boa Noite E Boa Sorte
- Bobby Darin - O Amor É Eterno
- Body Rice
- Bombom
- Bom Dia Noite
- Bom Dia Vietnam
- Bonnie E Clyde
- Boogie Nights
- Borat
- Brasil - O Outro Lado Do Sonho
- Breakfast On Pluto
- Brincadeiras Perigosas (2007)
- Brisa De Mudança
- Bronson
- Bruce, O Todo-poderoso
- Bruiser - O Rosto Da Vingança
- Bruno
- Buffalo 66
- Bubba Ho-Tep
- Bullit
- Bunker Palace Hotel
- Buried
- Busca Implacável
- Bz, Viagem Alucinante

- Cadillac Records
- Cães Danados
- Cães De Palha
- Café E Cigarros
- Call Girl
- Camino
- Capitão Alatriste
- Capitão América - O Primeiro Vingador
- Capote
- Carrie
- Cartas Ao Padre Jacob
- Cartas De Iwo Jima
- Casa De Loucos
- Casablanca
- Casino Royale
- Catwoman
- Cavalo De Guerra
- Cemitério Vivo
- Censurado
- Centurion
- Charlie E A Fábrica De Chocolate
- Che - Guerrilha
- Che - O Argentino
- Chemical Wedding
- Chéri
- Chinatown
- Chocolate
- Choke - Asfixia
- Chovem Almôndegas
- Christine - O Carro Assassino
- Cidade Fria
- Cinco Dias, Cinco Noites
- Cinema Paraíso
- Cinerama
- Cisne Negro
- Clube De Combate
- Coco Avant Chanel
- Coisa Ruim
- Cold Mountain
- Cold Weather
- Colete De Forças
- Colisão
- Com Outra? Nem Morta!
- Comboios Rigorosamente Vigiados
- Comer Orar Amar
- Complexo - Universo Paralelo
- Conan, O Bárbaro
- Contrato
- Control
- Controle
- Coração De Cavaleiro
- Coração De Gelo
- Coração Selvagem
- Corações De Aço
- Coragem De Mãe: Confrontando O Autismo
- Corre Lola Corre
- Correio De Risco
- Correio De Risco 3
- Corrida Contra O Futuro
- Corrupção
- Cozinhando A História
- Crank - Veneno No Sangue
- Crank - Alta Voltagem
- Cremaster
- Crime Ferpeito
- Crippled Masters
- Cristóvão Colombo - O Enigma
- Crónica Dos Bons Malandros
- Crueldade Intolerável
- Cubo
- Culture Boy
- Cypher
- Cyrano de Bergerac (1950)

- Daisy Town
- Dallas
- Danny The Dog - Força Destruidora
- Daqui P'ra Frente
- Dark City - Cidade Misteriosa
- De Cabeça Para Baixo
- De Homem Para Homem
- De Olhos Abertos
- De Olhos Bem Fechados
- De Sepultura Em Sepultura
- De Tanto Bater O Meu Coração Parou
- De-Lovely
- Delhi Belly
- Dead Snow
- Death Race 2000
- Deixa-me Entrar
- Delicatessen
- Demolidor - O Homem Sem Medo
- Dentro Da Garganta Funda
- Depois Do Casamento
- Destruir Depois De Ler
- Diamante De Sangue
- Diário Dos Mortos
- Diários De Che Guevara
- Dias De Futebol
- Dick E Jane - Ladrões Sem Jeito
- Dictado
- Die Hard 4.0 - Viver Ou Morrer
- Die You Zombie Bastards!
- Dogma
- Domino
- Don Juan DeMarco
- Donnie Brasco
- Doom - Sobrevivência
- Doomsday - Juízo Final
- Dorian Gray
- Dot.Com
- Dr. Estranhoamor
- Drácula 2001
- Drácula De Bram Stoker
- Drive - Risco Duplo
- Dreamgirls
- Duas Mulheres

- É Na Terra Não É Na Lua
- Easy A
- Easy Rider
- Eduardo Mãos De Tesoura
- Efeito Borboleta
- El Mariachi
- El Topo
- Ela Odeia-me
- Eles
- Eles Vivem
- Elvis
- Em Bruges
- Em Busca Da Felicidade
- Em Carne Viva
- Em Liberdade
- Em Nome De Caim
- Em Nome De Deus
- Em Paris
- Em Privado
- Embargo
- Encarnação Do Demónio
- Encontros Em Nova Iorque
- Encrenca Dupla
- Encurralada
- Ensaio Sobre A Cegueira
- Enterrado Na Areia
- Entre Os Dedos
- Entrevista
- Equilibrium
- Era Uma Vez No México
- Eraserhead - No Céu Tudo É Perfeito
- Escola De Criminosos
- Escolha Mortal
- Esporas De Aço
- Estado De Guerra
- Estamos Vivos
- Este É O Meu Lugar
- Este País Não É Para Velhos
- Estômago
- Estrada Perdida
- Estranhos
- Estrellita
- Eu Amo-te Phillip Morris
- Eu, Peter Sellers
- Eu Sou A Lenda
- Eu Sou Evadido
- Eu, Tu E Todos Os Que Conhecemos
- Everything Must Go
- Evil Dead - A Noite Dos Mortos-Vivos
- Evil Dead 2 - A Morte Chega De Madrugada
- Evil Dead 3 - O Exército Das Trevas
- Ex-Drummer
- Exterminador Implacável 1
- Exterminador Implacável 2 - O Dia Do Julgamento Final
- Exterminador Implacável 3 - Ascensão Das Máquinas
- Exterminador Implacável 4 - A Salvação

- Factory Girl - Quando Edie Conheceu Warhol
- Factotum
- Fados
- Fahrenheit 9/11
- Falso Alarme
- Fando E Lis
- Fantasmas De Marte
- Fargo
- Faster, Pussycat! Kill! Kill!
- Fausto 5.0
- Favores Em Cadeia
- Felicidade
- Feliz Natal
- Férias No Harém
- Festival Rocky De Terror
- Ficheiros Secretos: Quero Acreditar
- Fim De Ano Em Split
- Fim-De-Semana Alucinante
- Final Cut - A Última Memória
- Fish Tank
- Florbela
- Flores Partidas
- Fome
- Footloose - A Música Está Do Teu Lado
- Força Delta
- Forrest Gump
- Freddy Vs. Jason
- Frenético
- Frida
- Frost/Nixon
- Fruto Proibido
- Fuga De Los Angeles
- Fuga Para A Vitória
- Fur - Um Retrato Imaginário De Diane Arbus
- Fúria Cega
- Fúria De Viver
- Fúria Silenciosa

- Gabrielle
- Gainsbourg - Vida Heróica
- Gang Dos Tubarões
- Gangs de Nova Iorque
- Garden State
- Génova
- GI Joe - O Ataque Dos Cobra
- Godzilla
- Goodbye Lenine!
- Gosford Park
- Gothika
- Gran Torino
- Grande Mundo Do Som
- Gremlins
- Grizzly Man
- Gru - O Maldisposto
- Guerra Dos Mundos (2005)
- Guerra Dos Mundos (1953)

- Há Lodo No Cais
- Hairspray
- Half Nelson - Encurralados
- Hard Candy
- Harley Davidson E O Cowboy Do Asfalto
- Harold E Maude
- Harry Brown
- Haverá Sangue
- Hawai Azul
- He-Man - Mestres Do Universo
- Head On - A Esposa Turca
- Heartbreak Hotel
- Hell Ride
- Hellboy
- Hellboy 2: O Exército Dourado
- Helter Skelter - O Caso De Sharon Tate
- Henry E June
- Hereafter - Outra Vida
- Hiena
- História De Duas Irmãs
- História De Um Fotógrafo
- Hobo With A Shotgunbr> - Hollywood Ending
- Homem Aranha
- Homem Aranha 2
- Homem Aranha 3
- Homem De Ferro
- Homem Demolidor
- Homem Em Fúria
- Homens De Negro
- Homens De Negro 2
- Homens Que Matam Cabras Só Com O Olhar
- Hostel
- Hostel 2
- Hot Fuzz - Esquadrão De Província
- Howl - Grito
- Hugo

- I Am Sam - A Força Do Amor
- I Spit On Your Grave
- I'll See You In My Dreams
- Iluminados Pelo Fogo
- I'm Still Here
- I Wanna Hold Your Hand
- Imitação Da Vida
- Imortal
- In Search Of A Midnight Kiss
- Indiana Jones E O Reino Da Caveira De Cristal
- Indomável
- Infiltrado
- Inimigos Públicos
- INLAND EMPIRE
- Inquietos
- Insidioso
- Insónia
- Intervenção Divina
- Intriga Internacional
- Invictus
- Irmão, Onde Estás?
- It
- It Might Get Loud
- Italian Spiderman

- Jack Ketchum's The Girl Next Door
- Jackass 2
- Jackass 3D
- Jackie Brown
- Jacuzzi - O Desastre Do Tempo
- James Bond - Agente Secreto
- James Bond - Casino Royale
- James Bond - Quantum Of Solace
- Janela Indiscreta (1954)
- Janela Indiscreta (1998)
- Janela Secreta
- JCVD
- Joga Como Beckham
- John Rambo
- Jonestown - The Life And Death Of Peoples Temple
- Jovens Rebeldes - A Verdadeira História
- Julgamento
- Julie E Julia
- Juno
- Juventude Em Marcha
- Juventude Tardia

- Kalifórnia
- Kandahar
- Karate Kid
- Katyn
- Kenny
- Kick Ass - O Novo Super-herói
- Kids - Miúdos
- Kill Bill vol.2
- King Kong (2005)
- Kiss Kiss Bang Bang
- Kiss Me
- Klimt
- Kopps
- Kung-Fu-Zão
- Kung Pow - Punhos Loucos

- La Jetée
- La Vie En Rose
- Ladrões
- Lady Snowblood
- Laranja Mecânica
- Last Days - Os Últimos Dias
- Lavado Em Lágrimas
- Lemmy
- Léon, O Profissional
- Lichter
- Lindas Encrencas As Garotas
- Lobos
- Longe Da Terra Queimada
- Lost In Translation - O Amor É Um Lugar Estranho
- Lua De Mel, Lua De Fel
- Lucifer Rising
- Lucky Luke
- Lucky Number Slevin - Há Dias De Azar

- M - Matou!
- Má Educação
- Machete
- Madrigal
- Maldito United
- Mamma Mia
- Manhattan
- Manô
- Mamonas Pra Sempre
- Mar Adentro
- Maria E As Outras
- Marie Antoinette
- Marjoe
- Marte Ataca!
- Matança De Natal
- Match Point
- Matou A Família E Foi Ao Cinem
- McQuade, O Lobo Solitário
- Meia-Noite Em Paris
- Meio Metro De Pedra
- Melancolia
- Melinda E Melinda
- Menina
- Mephisto
- Metrópolis
- Meu Nome É Bruce
- Miami Vice
- Milhões
- Milk
- Millenium 1. Os Homens Que Odeiam As Mulheres
- Million Dollar Baby - Sonhos Vencidos
- Minha Mãe
- Minha Terra
- Misery - Capí­tulo Final
- Missão A Marte
- Missão Impossí­vel 3
- Missão Impossível - Missão Fantasma
- Missão Solar
- Mistérios De Lisboa
- Momentos Agradáveis
- Moneyball - Jogada De Risco
- Monsters - Zona Interdita
- Monstro
- Monty Phyton E O Cálice Sagradi
- Morte Cerebral
- Morte De Um Presidente
- Movimentos Perpétuos
- Mr. E Mrs. Smith
- Mrs. Henderson Presents
- Muito Bem, Obrigado
- Mulholland Drive
- Mundo Fantasma
- Mundos Separados
- Munique
- Murderball - Espírito De Combate
- Murish
- Mutilados
- Mysterious Skin

- Na Cama
- Nacho Libre
- Não Estou Aí
- Napoleon Dynamite
- Nas Costas Do Diabo
- Nas Nuvens
- Needle
- Nico: À Margem Da Lei
- Ninguém Sabe
- Nixon
- No Limite Do Amor
- No Vale De Elah
- Noite De Agosto
- Noite Escura
- Noivos Sangrentos
- Nome De Código: Cloverfield
- Northfork
- Nosferatu, O Vampiro
- Nothing
- Nova Iorque 1997
- Nove Raínhas
- Nunca Digas Sim

- O Acontecimento
- O Agente Da Broadway
- O Lugar Do Morto
- O Americano
- O Amor Acontece
- O Anjo Exterminador
- O Anti-Pai Natal
- O Artista
- O Assassínio De Jesse James Pelo Cobarde Robert Ford
- O Assassí­nio De Richard Nixon
- O Batedor
- O Bom Alemão
- O Bom, O Mau E O Vilão
- O Cabo Do Medo
- O Caminho De São Diego
- O Cão, O General E Os Pássaros
- O Capacete Dourado
- O Castelo Andante
- O Castor
- O Cavaleiro Das Trevas
- O China
- O Cobrador
- O Código Da Vinci
- O Comboio Dos Mortos
- O Comboio Mistério
- O Condenado
- O Couraçado Potemkin
- O Cowboy Da Meia-Noite
- O Crepúsculo Dos Deuses
- O Dedo De Deus
- O Delator!
- O Demónio
- O Despertar Da Besta
- O Despertar Da Mente
- O Deus Da Carnificina
- O Deus Elefante
- O Dia Em Que A Terra Parou (1951)
- O Dia Em Que A Terra Parou (2008)
- O Dia Da Besta
- O Discurso Do Rei
- O Enigma Do Espaço
- O Estranho Caso De Benjamin Button
- O Estranho Mundo De Jack
- O Evangelho Segundo São Mateus
- O Exorcista
- O Fatalista
- O Feiticeiro De Oz
- O Feitiço Do Tempo
- O Fiél Jardineiro
- O Gabinete Das Figuras De Cera
- O Gabinete Do Dr. Caligari
- O Gato Das Botas
- O Génio Do Mal (1976)
- O Grande Peixe
- O Grande Ditador
- O Guerreiro
- O Homem Duplo
- O Homem Que Copiava
- O Homem Que Sabia Demasiado
- O Homem Que Veio Do Futuro
- O Idealista
- O Jogo
- O Júri
- O Imperador Da Califórnia
- O Inquilino
- O Justiceiro Da Noite
- O Labirinto Do Fauno
- O Laço Branco
- O Lado Selvagem
- O Lago Perfeito
- O Leopardo
- O Livro Negro
- O Lobo Do Mar
- O Macaco De Ferro
- O Maquinista
- O Marinheiro De Água Doce
- O Menino De Ouro
- O Meu Tio
- O Milagre De Berna
- O Milagre Segundo Salomé
- O Mistério Galindez
- O Monstro Da Lagoa Negra
- O Mundo A Seus Pés
- O Nevoeiro (1980)
- O Ofício De Matar
- O Olho
- O Orfanato
- O Paciente Inglês
- O Padrinho - Parte I
- O Padrinho - Parte II
- O Padrinho - Parte III
- O Panda Do Kung Fu
- O Panda Do Kung Fu 2
- O Pesadelo De Darwin
- O Pistoleiro Do Diabo
- O Planeta Selvagem
- O Pó Dos Tempos
- O Portador Da Espada
- O Presidiário
- O Prisioneiro Do Rock
- O Protegido
- O Próximo A Abater
- O Quinto Elemento
- O Quinto Império
- O Regresso
- O Rei Dos Gazeteiros
- O Reino Proibido
- O Ritual
- O Ritual Dos Sádicos
- O Sabor Do Amor
- O Sargento Da Força Um
- O Segredo A Brokeback Mountain
- O Segredo De Um Cuscuz
- O Segredo Dos Punhais Voadores
- O Selvagem
- O Sentido Da Vida
- O Sétimo Selo
- O Sítio Das Coisas Selvagens
- O Sonho Comanda A Vida
- O Sonho De Cassandra
- O Sorriso De Mona Lisa
- O Tempo Do Lobo
- O Tesouro Da Sierra Madre
- O Tigre E A Neve
- O Tio Boonmee Que Se Lembra Das Suas Vidas Anteriores
- O Triunfo Da Vontade
- O Turista
- O Último Airbender
- O Último Grande Herói
- O Último Rei Da Escócia
- O Último Tango Em Paris
- O Último Voo Do Flamingo
- O Vingador Tóxico
- O Wrestler
- Ocean's Eleven - Façam As Vossas Apostas
- Odete
- Oldboy - Velho Amigo
- Olho Mágico
- Oliver Twist
- Ônibus 174
- Orca
- Órfã
- Os Amantes Regulares
- Os Amigos De Alex
- Os Bons E Os Maus
- Os Caça-Fantasmas
- Os Cavaleiros Do Asfalto
- Os Chapéus De Chuva De Cherburgo
- Os Cinco Venenos
- Os Clãs Da Intriga
- Os Condenados De Shawshank
- Os Descendentes
- Os Edukadores
- Os Famosos E Os Duendes Da Morte
- Os Filhos Do Homem
- Os Friedmans
- Os Guardiões Da Noite
- Os Homens Preferem As Loiras
- Os Imortais
- Os Inadaptados
- Os Índios Apache
- Os Invisíveis
- Os Irmãos Grimm
- Os Limites Do Controlo
- Os Marginais
- Os Mercenários
- Os Miúdos Estão Bem
- Os Novos Dez Mandamentos
- Os Olhos Da Serpente
- Os Olhos Sem Rosto
- Os Onze De Oceano
- Os Optimistas
- Os Pássaros
- Os Produtores (2005)
- Os Psico-Detectives
- Os Rapazes Da Noite
- Os Rapazes Não Choram
- Os Renegados Do Diabo
- Os Rutles - All You Need Is Cash
- Os Selvagens Da Noite
- Os Simpsons - O Filme
- Os Sonhadores
- Os Sorrisos Do Destino
- Os Super-Heróis
- Os Supeitos Do Costume
- Os Três Enterros De Um Homem
-Os Visistantes Da Idade Média
- Os 300 Espartanos

- Pagafantas
- Palpitações
- Papillon
- Para Onde O Vento Sopra
- Parada De Monstros
- Paraíso, Inferno... Terra
- Paranoid Park
- Paris Je T'Aime
- Party Monster
- Pecados Íntimos
- Pele
- Pequenas Mentiras Entre Amigos
- Performance
- Perigo Na Noite
- Perto Demais
- Pesadelo Em Elm Street
- Pink Floyd The Wall
- Piranha 3D
- Piratas Das Caraíbas - O Mistério do Pérola Negra
- Piratas Das Caraí­bas - O Cofre Do Homem Morto
- Piratas Das Caraíbas - Nos Confins Do Mundo
- Planeta Dos Macacos
- Planeta Dos Macacos: A Origem
- Planeta Terror
- Plano 9 Dos Vampiros Zombies
- Polaróides Urbanas
- Polí­cia Sem Lei (1992)
- Polícia Sem Lei (2009)
- Poltergeist, O Fenómeno
- Ponto De Mira
- Por Favor Rebobine
- Por Favor Não Me Morda O Pescoço
- Porcos & Selvagens
- Posto Fronteiriço
- Precious
- Predadores
- Presente De Morte
- Preto E Branco
- Primer
- Príncipe Da Pérsia - As Areias Do Tempo
- Procurado
- Profissão: Repórter
- Promessas Proibidas
- Proposta Indecente
- Proteger
- Psico
- Psicopata Americano
- Pulp Fiction
- Pulsação Zero
- Punch-Drunk Love - Embriagado De Amor
- Purana Mandir
- Purple Rain

- Quando Viste O Teu Pai Pela Última Vez
- Quarentena
- Quarteto Fantástico (1994)
- Quarteto Fantástico (2005)
- Quase Famosos
- Quatro Noites Com Anna
- Que Lugar Maravilhoso
- Que Se Mueran Los Feos
- Queijo E Marmelada
- Quem Quer Ser Bilionário
- Querida Famí­lia
- Querida Wendy

- R
- Rapariga Com Brinco De Pérola
- Rare Exports
- Ratatui
- Ratos Assassinos
- Ray
- [Rec]
- [REC]2
- Red Eye
- Relatório Kinsey
- Relatório Minoritário
- Religulous - Que O Céu Nos Ajude
- Relíquia Macabra
- Renascimento
- Resident Evil: Apocalypse
- Rio
- Rio Bravo
- Rock De Fogo
- Rock, Rock, Rock
- Rocknrolla - A Quadrilha
- Rocky Balboa
- Roger E Eu
- Roma
- Romance E Cigarros
- Roxanne
- RRRrrrr!!!
- Rubber - Pneu
- Ruídos Do Além
- Ruivas, Loiras E Morenas
- Rumo À Liberdade
- Ruptura Explosiva

- Sacanas Sem Lei
- Sala De Pânico
- Salazar - A Vida Privada
- Salto Mortal
- Samsara
- Sangue Do Meu Sangue
- Sangue Por Sangue
- Santa Sangre
- Sapatos Pretos
- Save The Green Planet!
- Saw - Enigma Mortal
- Saw II - A Experiência Do Medo
- Saw 3D - O Capítulo Final
- Scoop
- Scott Pilgrim Contra O Mundo
- Seconds Apart
- Seis Indomáveis Patifes
- Sem Ela
- Sem Limites
- Sem Rumo
- Sem Tempo
- Semi-Pro
- Ser E Ter
- Sereia
- Serpentes A Bordo
- Sete Anos No Tibete
- Sete Vidas
- Sexo E A Cidade
- Sgt. Pepper's Lonely Heart Club Band
- Shaolin Daredevils
- Shaolin Soccer - O Ás Da Bola
- Shaolin Vs. Evil Dead
- Shattered Glass - Verdade Ou Mentira
- Sherlock Holmes
- Sherlock Holmes - Jogo De Sombras
- Shining
- Shoot 'Em Up - Atirar A Matar
- Shortbus
- Shrek 2
- Shrek O Terceiro
- Shrek Para Sempre
- Sicko
- Sid And Nancy
- Sideways
- Simpatyhy For Mr. Vengeance
- Sin City - Cidade Do Pecado
- Sinais
- Sinais De Fogo
- Sinais Do Futuro
- Sinais Vermelhos
- Singularidades De Uma Rapariga Loira
- Sky Captain E O Mundo De Amanhã
- Slither - Os Invasores
- Soldados Da Fortuna
- Soldados Do Universo
- Sombras Da Escuridão
- Somewhere - Algures
- Sonho De Uma Noite De Inverno
- Sonny
- Sophie Scholl - Os Últimos Dias
- Soro Maléfico
- Sorte Nula
- Soul Kitchen
- Spartacus
- Spartan - O Rapto
- Splice
- Stacy - Attack Of The Schoolgirl Zombies
- Star Wars - A Ameaça Fantasma
- Star Wars - A Vingança Dos Sith
- Star Wars - O Ataque Dos Clones
- Stardust - O Mistério Da Estrela Cadente
- Stone - Ninguém É Inocente
- Stoned, Anos Loucos
- Submarino
- Super
- Super Baldas
- Super-Homem
- Super-Homem: O Regresso
- Super 8
- Superstar
- Suspeita
- Suspiria
- Sweeney Todd: O Terrível Barbeiro De Fleet Street
- Swimming Pool
- Sword Of Vengeance
- Sympathy For The Devil

- Taking Woodstock
- Tarnation
- Tarzan, O Homem Macaco (1981)
- Taxidermia
- Team America - Polí­cia Mundial
- Tebas
- Tecumseh
- Teeth
- Tempestade Tropical
- Tennessee
- Terra De Cegos
- Terminal De Aeroporto
- Terra Dos Mortos
- Terror Em Setembro
- Terror Na Auto-estrada
- Terror Nas Montanhas
- Tetro
- The Bloodstained Butterfly
- The Brown Bunny
- The Darjeeling Limited
- The Departed: Entre Inimigos
- The Devil And Daniel Johnston - Loucuras De Um Génio
- The Devil's Double
- The First Great Train Robbery
- The Fountain - O Último Capítulo
- The Grudge - A Maldição
- The Host - A Criatura
- The Impossible Kid
- The King Of Kong
- The Langoliers - Meia-Noite E Um
- The Last House On The Left
- The Machine Girl
- The Man From Earth
- The Marine
- The Million Dollar Hotel - O Hotel
- The Mindscape Of Alan Moore
- The Mist - Nevoeiro Misterioso
- The Others - Os Outros
- The Prestige - O Terceiro Passo
- The 50 Worst Movies Ever Made
- The Way
- The Woman
- Thirst - Este É O Meu Sangue
- This Is It
- This Is Spinal Tap
- Thor
- Thriller - A Cruel Picture
- THX 1138
- Tirar Vidas
- Titanic 2
- Tony
- Tournée - Em Digressão
- Toy Story 3
- Tragam-me A Cabeça De Alfredo Garcia
- Transamerica
- Tron
- Tron: O Legado
- Tropa De Elite
- Tropa De Elite 2 - O Inimigo Agora É Outro
- Tsotsi
- Tubarão
- Tubarão 2
- Tubarão 3
- Tubarão IV - A Vingança
- Tucker E Dale Contra O Mal
- Tudo Ficará Bem
- Tudo Pode Dar Certo
- Twisted - Homicídios Ocultos

- Ultra Secreto
- Um Amor De Perdição
- Um Azar Do Caraças
- Um Bater De Corações
- Um Belo Par... De Patins
- Um Cão Andaluz
- Um Dia A Casa Vai Abaixo
- Um Dia De Raiva
- Um Homem Singular
- Um Longo Domingo De Noivado
- Um Lugar Para Viver
- Um Padrasto Para Esquecer
- Um Profeta
- Um Tiro No Escuro
- Um Trabalho Em Itália
- Uma Aventura Na Casa Assombrada
- Uma Boa Mulher
- Uma Canção De Amor
- Uma Espécie De Cavalheiro
- Uma Famí­lia À Beira De Um Ataque De Nervos
- Uma História De Violência
- Uma Pequena Vingança
- Uma Rapariga Com Sorte
- Uma Segunda Juventude
- Uma Segunda Vida
- Undefeatable
- Unseen Evil 2 - Alien 3000
- Up - Altamente

- V De Vingança
- Vai E Vive
- Vais Conhecer O Homem Dos Teus Sonhos
- Valhalla Rising - Destino De Sangue
- Valquíria
- Vampiros de John Carpenter
- Van Helsing
- Vanilla Sky
- Vanitas
- Vasilhame
- Veio Do Outro Mundo
- Veludo Azul
- Velvet Goldmine
- Vencidos Pela Lei
- Vendendo A Pele
- Veneno Cura
- Vera Drake
- Versus - A Ressurreição
- Vestida Para Matar
- Vice
- Vício - Quando Nada É Suficiente
- Vicky Cristina Barcelona
- Vidas Sombrias
- Vigilância
- Vingança Redentora
- Virgem Aos 40 Anos
- Vitus
- Viúva Rica Solteira Não Fica
- Viver A Sua Vida
- Voando Sobre Um Ninho De Cucos
- Voltando Para Casa
- Voltar
- Vontade Indómita
- Voo 93

- Walk Hard - A História De Dewey Cox
- Walk The Line
- WALL-E
- Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme
- Wassup Rockers - Desafios De Rua
- Watchmen - Os Guardiões
- Welcome To The Rileys
- White Irish Drunkers
- Wild Zero
- Win Win
- Wolf Creek
- Wristcutters: A Love Story

- X-Men
- X-Men 2
- X-Men 3 - O Confronto Final
- X-Men: O Início
- X-Men Origens: Wolverine

- Zack E Miri Fazem Um Porno
- Zardoz
- Zatoichi
- Zombies Party - Uma Noite... De Morte
- Zombies Strippers
- Zozo

- 007 - Agente Secreto
- 007 - Casino Royale
- 007 - Quantum Of Solace
- 10 Coisas Que Odeio Em Ti
- 100 Volta
- 10.000 AC
- 12 Homens Em Fúria
- 12 Macacos
- 12:08 A Este De Bucareste
- 1984
- 2LDK
- 24 Hour Party People
- 28 Dias Depois
- 20,13 - Purgatório
- 2012
- 300
- 4 Copas
- 48
- 50/50
- 6=0 Homeostética
- 8 1/2
- 9 Canções
- 98 Octanas


ENTREVISTAS:
- Fernando Fragata
- Festróia - Mário Ventura
- Filipe Melo
- Good N Evil
- IMAGO - Sérgio Felizardo
- José Barahona
- Nuno Markl
- Paulo Furtado
- Rodrigo Areias
- Sara David Lopes
- Solveig Nordlund
- Fernando Alle


TOPES:
- Top 8 dos Melhores Filmes de 2011
- Top 5 dos Piores Filmes de 2011
- Top 10 dos Melhores Filmes de 2010
- Top 5 dos Piores Filmes de 2010
- Top 5 dos filmes de Leslie Nielsen
- Top 10 Dos Filmes Low Cost
- Top 5 das Melhores Cenas de Dança
- Top 8 dos Melhores Filmes de 2009
- Top 5 dos Piores Filmes de 2009
- Top 5 dos Filmes Que Tenho Vergonha De Dizer Que Gosto
- Top 5 das Melhores Músicas de Ennio Morricone
- Top 5 dos filmes com Patrick Swayze
- Top 5 dos Telediscos do Michael Jackson
- Top 5 dos Filmes com David Carradine
- Top 5 dos Filmes com Lutadores de Luta-Livre
- Top 10 Os Melhores Filmes de 2008
- Top 5 Os Piores Filmes de 2008
- Top 5 dos Piores Filmes de Natal
- Top 5 das Coisas que não Esperávamos Ver no Cinema
- Top 5 dos Melhores Filmes de Paul Newman
- Top 5 Personagens Com Palas Nos Olhos
- Top 10 Melhores Cartazes De Cinema
- Top 5 dos Filmes de Chuck Norris
- Top 5 dos Filmes de Patrick Swayze
- Top 10 Os Melhores/Piores Vestidos dos Oscares
- Top 5 As Mortes de Crianças Mais Gratuitas
- Top 10 Os Melhores de 2007
- Top 5 Os Piores de 2007
- Top 7 Adaptações ao Cinema de Livros de Stephen King
- Top 5 Filmes Pela Paz
- Top 5 Os Melhores Beijos
- Top 5 Grandes Arquitectos
- Top 10 Filmes Que Mudaram A Minha Vida
- Top 5 Mulheres de Cabeça Rapada
- Top 5 As Cenas Mais Excitantes
- Top 10 Os Melhores de 2006
- Top 5 Os Piores de 2006
- Top 3 Filmes de Robert Altman
- Top 5 Os Vilões do Cinema
- Top 5 Filmes Com Mick Jagger
- Top 5 Filmes Com Steve Buscemi
- Top 5 Dos Cães no Cinema
- Top 5 Dos Filmes do Indie06
- Top 5 Dos Filmes do Fantas06
- Top 5 dos Presidentes
- Top 10 Os Melhores de 2005
- Top 5 Os Piores de 2005
- Top 5 Filmes com Pat Morita
- Top 10 Os Melhores Filmes Independentes
- Top 5 Os Piores Filmes da Saga Bond
- Top 5 Filmes com Dolph Lundgren
- Top 5 Adaptações de BD Para Cinema
- Top 10 Cenas Mais Assustadoras de Sempre
- Top 5 Vencedores do Óscar
- Top 5 Bond Girls
- Top 5 Filmes Sobre Doenças
- Top 5 Filmes de Natal
- Top 5 Melhores Batalhas Corpo-A-Corpo
- Top 10 Melhores Canções do Cinema
- Top 10 Melhores Filmes de Sempre
- Top 5 Melhores Momentos Musicais
- Top 5 Grandes Duelos do Cinema
- Top 10 Maiores Personagens do Cinema
- Top 5 Piores Momentos da Ficção Cientí­fica
- Top 10 Melhores Momentos da Ficção Cientí­fica
- Top 5 Filmes Religiosos


BAÚ DO TRASH:
- Needle
- Que Se Mueran Los Feos
- Easy A
- Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme
- Saw 3D - O Capítulo Final
- And Soon The Darkness
- Os Imortais
- Purana Mandir
- Pagafantas
- The Bloodstained Butterfly
- Cisne Negro


ROYALE WITH CHEESE APRESENTA:
- A Tasca Da Cultura
- A Causa Das Coisas - parte I
- A Causa Das Coisas - parte II
- A Momentary Lapse Of Reason


FILMES A VER ANTES DE MORRER:
- #1 As Lágrimas Do Tigre Negro
- #2 Alucarda
- #3 Time Enough At Last
- #4 Armageddon
- #5 The Favour, The Watch And The Very Big Fish
- #6 Italian Spiderman
- #7 The Soldier And Death


UMA CURTA POR DIA NÃO SABE O BEM QUE LHE FAZIA:
- 1# Rabbit, de Run Wrake
- 2# Aligato, de Maka Sidibé
- 3# The Cat Concerto, de Joseph Barbera & William Hanna
- 4# A Curva, de David Rebordão
- 5# Batman: Dead End, de Sandy Callora
- 6# O Código Tarantino, de Selton Mello
- 7# Malus, de António Aleixo & Crosswalk, de Telmo Martins
- 8# Three Blind Mice, de George Dunning
- 9# Bedhead, de Robert Rodriguez
- 10# Key To Reserva, de Martin Scorcese
- 11# Bambi Meets Godzilla, de Marv Newland
- 12# The Horribly Slow Murderer with the Extremely Inefficient Weapon, de Richard Gale
- 13# Stolz Der Nation, de Eli Roth
- 14# Papá Wrestling, de Fernando Alle
- 15# Glas, de Bert Haanstra
- 16# Fotoromanza, de Michelangelo Antonioni
- 17# Quem É Ricardo?, de José Barahona
- 17# Terra Incognita, de Peter Volkart


AS MELHORES PIORES CENAS DE SEMPRE:
- A Pior Luta
- A Cena Mais Metida A Martelo
- O Ataque Animal Mais Brutal
- A Perseguição Mais Alucinante
- O Duelo Mais Improvável


CLUBE DE CINEMA DE SETÚBAL:
- Janeiro
- Fevereiro
- Março
- Abril
- Maio
- Setembro
- Novembro


FESTIVAIS:
- 20º Festróia
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9
- 21º Festróia
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- 22º Festróia
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10
- 23º Festróia
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10
- 24º Festróia
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- 26º Festróia
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- 12º Caminhos Do Cinema Português
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- Imago 2006
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8

;

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket



BLOCKBUSTERS:

04/01/2004 - 05/01/2004

05/01/2004 - 06/01/2004

06/01/2004 - 07/01/2004

07/01/2004 - 08/01/2004

08/01/2004 - 09/01/2004

09/01/2004 - 10/01/2004

10/01/2004 - 11/01/2004

11/01/2004 - 12/01/2004

12/01/2004 - 01/01/2005

01/01/2005 - 02/01/2005

02/01/2005 - 03/01/2005

03/01/2005 - 04/01/2005

04/01/2005 - 05/01/2005

05/01/2005 - 06/01/2005

06/01/2005 - 07/01/2005

07/01/2005 - 08/01/2005

08/01/2005 - 09/01/2005

09/01/2005 - 10/01/2005

10/01/2005 - 11/01/2005

11/01/2005 - 12/01/2005

12/01/2005 - 01/01/2006

01/01/2006 - 02/01/2006

02/01/2006 - 03/01/2006

03/01/2006 - 04/01/2006

04/01/2006 - 05/01/2006

05/01/2006 - 06/01/2006

06/01/2006 - 07/01/2006

07/01/2006 - 08/01/2006

08/01/2006 - 09/01/2006

09/01/2006 - 10/01/2006

10/01/2006 - 11/01/2006

11/01/2006 - 12/01/2006

12/01/2006 - 01/01/2007

01/01/2007 - 02/01/2007

02/01/2007 - 03/01/2007

03/01/2007 - 04/01/2007

04/01/2007 - 05/01/2007

05/01/2007 - 06/01/2007

06/01/2007 - 07/01/2007

07/01/2007 - 08/01/2007

08/01/2007 - 09/01/2007

09/01/2007 - 10/01/2007

10/01/2007 - 11/01/2007

11/01/2007 - 12/01/2007

12/01/2007 - 01/01/2008

01/01/2008 - 02/01/2008

02/01/2008 - 03/01/2008

03/01/2008 - 04/01/2008

04/01/2008 - 05/01/2008

05/01/2008 - 06/01/2008

06/01/2008 - 07/01/2008

07/01/2008 - 08/01/2008

08/01/2008 - 09/01/2008

09/01/2008 - 10/01/2008

10/01/2008 - 11/01/2008

11/01/2008 - 12/01/2008

12/01/2008 - 01/01/2009

01/01/2009 - 02/01/2009

02/01/2009 - 03/01/2009

03/01/2009 - 04/01/2009

04/01/2009 - 05/01/2009

05/01/2009 - 06/01/2009

06/01/2009 - 07/01/2009

07/01/2009 - 08/01/2009

08/01/2009 - 09/01/2009

09/01/2009 - 10/01/2009

10/01/2009 - 11/01/2009

11/01/2009 - 12/01/2009

12/01/2009 - 01/01/2010

01/01/2010 - 02/01/2010

02/01/2010 - 03/01/2010

03/01/2010 - 04/01/2010

04/01/2010 - 05/01/2010

05/01/2010 - 06/01/2010

06/01/2010 - 07/01/2010

07/01/2010 - 08/01/2010

08/01/2010 - 09/01/2010

09/01/2010 - 10/01/2010

10/01/2010 - 11/01/2010

11/01/2010 - 12/01/2010

12/01/2010 - 01/01/2011

01/01/2011 - 02/01/2011

02/01/2011 - 03/01/2011

03/01/2011 - 04/01/2011

04/01/2011 - 05/01/2011

05/01/2011 - 06/01/2011

06/01/2011 - 07/01/2011

07/01/2011 - 08/01/2011

08/01/2011 - 09/01/2011

09/01/2011 - 10/01/2011

10/01/2011 - 11/01/2011

11/01/2011 - 12/01/2011

12/01/2011 - 01/01/2012

01/01/2012 - 02/01/2012

02/01/2012 - 03/01/2012

03/01/2012 - 04/01/2012

04/01/2012 - 05/01/2012

05/01/2012 - 06/01/2012

06/01/2012 - 07/01/2012

07/01/2012 - 08/01/2012

08/01/2012 - 09/01/2012

09/01/2012 - 10/01/2012

10/01/2012 - 11/01/2012

11/01/2012 - 12/01/2012

12/01/2012 - 01/01/2013

01/01/2013 - 02/01/2013

02/01/2013 - 03/01/2013

03/01/2013 - 04/01/2013

04/01/2013 - 05/01/2013

05/01/2013 - 06/01/2013

06/01/2013 - 07/01/2013

07/01/2013 - 08/01/2013

08/01/2013 - 09/01/2013

09/01/2013 - 10/01/2013

10/01/2013 - 11/01/2013

10/01/2013 - 11/01/2013

11/01/2013 - 12/01/2013

12/01/2013 - 01/01/2014

01/01/2014 - 02/01/2014

02/01/2014 - 03/01/2014

03/01/2014 - 04/01/2014

04/01/2014 - 05/01/2014

05/01/2014 - 06/01/2014

06/01/2014 - 07/01/2014

07/01/2014 - 08/01/2014

08/01/2014 - 09/01/2014