Royale With Cheese

 Royale With Cheese

 
 



terça-feira, agosto 30, 2011  

TRON: O LEGADO:

Título: Tron: Legacy
Realizador: Joseph Kosinski
Ano: 2010


Nesta altura de sequelas, prequelas e reboots, se havia filme que se justificava recuperar era Tron. Ao fim ao cabo, a era digital que preconizara está a acontecer agora. Por isso, há que confessar que todos tinhamos o desejos secreto de ver o universo Tron no máximo esplendor do CGI. Mas se pensarmos bem, será que queríamos mesmo ver um filme que não tinha mais nada senão isso?

Tron: O Legado é a tão aguardada sequela de Tron, vinte anos depois, que actualiza o CGI e o 3d, fazendo com que o mundo dentro dos computadores já não seja feito maioritariamente de fundos negros, resultantes de processadores demasiado lentos e incapazes de renderem efeitos mais complexos. Em 1982, Jeff Bridges tinha criado um jogo de computador avançadíssimo, em 16bits(!), o qual o tinha capturado para o seu interior para o tentar matar. Agora, em 2011, Jeff Bridges é refém do mundo virtual que criou, aprisionado por uma cópia sua presa num corpo rejuvenescido pela mesma técnica que rejuvenesceu digitalmente Bradd Pitt em O Estranho Caso De Benjamin Button, e o protagonista é o seu filho, Garrett Hedlund, que vai entrar na rede e salvar o dia.

Tron: O Legado actualiza aquilo que Tron deixou de mais icónico: os jogos de arena, as motos de luz ou os fatos estilosos om néons (mesmo com alguns pormenores irritantes, como o barulho de motor de gasolina que as motos agora fazem). Contudo, esquece-se do mais importante, o de acrescentar algo de novo. Ou, pelo menos, de ter um... argumento.

Dá a ideia de que Tron: O Legado mergulha no seu universo virtual, feito de luz, cor e masturbação digitial, e fica maravilhado com o seu umbigo, limitando-se a dar corda a uma história de ficção-científica de pais e filhos e de criador e criação, onde todos sabem artes-marciais e onde ninguém tem realmente algo de importante para dizer. O filme esquece-se assim de contar verdadeiramente uma história, limitando-se à premissa da vida virtual dentro do computador, que tanto já vimos no primeiro filme como na saga Matrix.

Além disso, quem precisa de um Jeff Bridges zen, em versão The Dude futurista, num filme como este? Era bem mais estimulante se se tivessem preocupado em tapar alguns buracos do (pseudo)argumento - e não são assim tão poucos quanto isso. Quer dizer, engolimos muita xaropada de computadores que falam e afins, mas software que adquire forma humana quando salta para a vida real? Vá lá... E como raio é que os novos algoritmos iriam mudar o mundo como o conhecemos? Segundo o filme, assim: 1ª fase) encontrar os novos algoritmos; 2ª fase) ???; 3ª fase) mudar o mundo. Preferia mil vezes ver isto explicado do que ver programas informáticos a beberem em bares(!) e os Daft Punk a passarem música.

Tron era um filme fraquito, mas que ganhou o seu lugar na história de forma meritória, por ter inaugurado a era digital no cinema. Mas Tron: O Legado irá apenas ser relembrado como mais uma sequela empoeirada e um Cheeseburger rançoso.

Posted by: dermot @ 9:59 da manhã
|  




segunda-feira, agosto 29, 2011  

O CASTOR:

Título: The Beaver
Realizador: Jodie Foster
Ano: 2011


Aqui há uns anos, Jodie Foster e Mel Gibson reinavam nos impérios dos actores de Hollywood, olhando de cima para baixo com o seu grande ceptro de ouro e um longo manto vermelho. Depois, aos poucos e poucos, foram-se ausentando do mapa de estreias cinematográficas semanais, de forma mais ou menos consciente. Actualmente, limitam-se a aparecer nos escaparates devido a fait-dvers, uns mais trágicos que outros (anti-semitismo ou lesbianice, principalmente). Agora, em 2011, os dois encontram-se no grande ecrã - Foster não só co-protagoniza como também realiza -, fazendo de O Castor um filme a ver, bem que seja por esta mera casualidade.

Mel Gibson é então um tipo com uma depressão gigante, apesar da vida aparentemente lhe correr bem - uma família feliz, com uma esposa bonita e dois filhos saudáveis, e uma carreira profissional à frente de uma empresa de brinquedos. A voz-off do narrador descreve na perfeição a situação numa só fala (foi como se tivesse morrido, não tivesse tido o bom-senso de levar o corpo consigo), enquanto Jodie Foster coloca a situação em pratos limpos perante o espectador de uma forma muito estilizada, como aquele outro autor especialista em crónicas familiares disfuncinais e deprimidas, Wes Anderson.

Depois, para salvar a vida social dos filhos e a sua própria sanidade mental, Foster expulsa o marido de casa. É quando este tem uma epifania e encontra forças para recuperar num fantoche dum castor, de quem se torna inseparável, que O Castor se torna num filme banal, não obstante de passar a ter Mel Gibson a falar com um boneco com um sotaque esquisito. E é impossível não gostar de Gibson (independentemente do que ele faça na sua vida privada), principalmente se ele foi um dos que educou o nosso carácter cinéfilo nos anos 80 e 90, com os seus buddy movies ou futuros pós-apocalípticos. Mel Gibson é uma espécie de Nicolas Cage menos paranóico e mais cabotineiro e, por isso, quando o vemos a lutar com o fantoche - ou seja, com a própria mão -, não há dforma de não pensarmos em A Noite Dos Mortos-Vivos e sorrirmos.

Contudo, O Castor insiste no sub-enredo do filho mais velho, Anton Yelchin, num dilema que ninguém quer saber com a tipa popular do liceu, o seu gosto por grafitis recalcado e um trauma qualquer com um irmão morto de overdose. No fundo, serve apenas para passar a mesma mensagem da história principal (sê tudo mesmo, acredita na força interior, blá blá blá), mas de forma mais linear e sem problemas existenciais de dupla personaldade, que pudessem fazer puxar mais pela cabeça. Valha-me Deus um filme de Hollywood que nos obrigasse a pensar. O Castor sente necessidade de explicar certinho e direitinho o filme, tomando-nos por parvos.

O Castor é assim apenas um filme simpático que, em mãos diferentes e/ou com actores anónimos, passaria despercebido e longe de um McChicken.

Posted by: dermot @ 9:05 da manhã
|  




quinta-feira, agosto 25, 2011  

PLANETA DOS MACACOS: A ORIGEM:

Título: The Rise Of The Planet Of The Apes
Realizador: Rupert Wyatt
Ano: 201


Depois de quatro sequelas manhosas (com a qualidade a diminuir exponecialmente à medida que avançam no tempo) e um remake igualmente duvidoso, já não faltava muita coisa a fazer a O Homem Que Veio Do Futuro. Apenas uma prequela que, quatro décadas depois, apresentasse o franchise às gerações mais novas, como quem diz este é um filme de culto que merece ser visto por toda a gente. Contudo, todos sabemos que, na verdade, o que os putos ouvem é havia um filme com uns tipos vestidos com fatos de macacos de borracha a falar que os velhos acham que é cool gostar.

O que é certo é que, tantos anos e tantas tentativas depois, e O Homem Que Veio Do Futuro continua a não ter comparação possível com qualquer um dos seus primos. Por isso, a opção de ter feito de Planeta Dos Macacos: A Origem um filme quase autónomo acaba por ser acertada. Quem conhece o original vai perceber como é que o chimapanzé Caesar deu origem a algo bem maior e quem não conhece vai ficar com a pulga atrás da orelha para ver os próximos. Sim, porque o franchise não fica por aqui, o final fica mesmo a pedir mais umas quantas sequelas.

Caesar é então um chimpanzé em CGI, com os movimentos e as expressões de Andy Serkis, que se annda a especializar em bonecos digitais depois de Gollum e do novo King Kong. Caesar desenvolve inteligência quase humana, depois de injectado por uma droga nova inventada pelo cientista James Franco, em busca desesperada pela cura para o Alzheimer, num conceito já visto em Perigo No Oceano. Contudo, enquanto neste os tubarões fica a jogar às cartas, Caesar vai organizar uma rebelião contra os humanos, humilhado por ter sido abandonado pelo dono e por ser tratado como um mero animal de estimação.

Planeta Dos Macacos: A Origem é o filme ideal para aquele tipo de pseudo-intelectuais, que vai ver a ralé toda ao cinema, mas que depois tem vergonha de assumir que gosta. Ah e tal, não gostei muito do King Kong, porque tinha um macaco gigante. Pois aqui não se podem queixar de falta de desenvolvimento emocional do macaco. A relação entre Caesar e James Franco é abordada ao detalhe, ficando a manipulação digital cingida à personagem do macacóide e aos seus saltos e cambalhotas.

Planeta Dos Macacos: A Origem não é, portanto, um simples filme de acção, refém dos efeitos especiais. Tem mesmo uma história para contar (quanto à plausibilidade da mesma, aí sim, pode ser discutida), personagens à séria e depois sim, acção e ficção-científica a fazerem a ponte com o iconoclasta O Homem Que Veio Do Futuro, que homeageia com uma estátua da Liberdade de brincar e a repetição de algumas frases marcantes de Charlton Heston: Take your stinking paws off me, you damned dirty ape! Portanto, Planeta Dos Macacos: A Origem até é das melhores coisas que aconteceu ao franchise Planeta dos Macacos, saindo vencedor com um redondinho McBacon.

Posted by: dermot @ 10:40 da manhã
|  




quarta-feira, agosto 24, 2011  

PUNCH-DRUNK LOVE - EMBRIAGADO DE AMOR:

Título: Punch-Drunk Love
Realizador: Paul Thomas Anderson
Ano: 2002


Depois de Jogos De Prazer e Magnólia, dois trabalhos que o transformaram de cineasta promissor a autor em velocidade meteórica, Paul Thomas Anderson decidiu realizar um filme sem uma falange enorme de actores e formato mosaico, para não ficar para sempre colado ao rótulo de "o novo Robert Altman". Com Punch-Drunk Love - Embriagado De Amor, Paul Thomas Anderson não podia ter sido mais diferente: uma comédia romântica ligeira (mas diferente), uma simples história de amor e Adam Sandler no papel principal.

Punch-Drunk Love - Embriagado De Amor está para Adam Sandler assim como O Despertar Da Mente está para Jim Carrey. Ou seja, é o seu filme sério, em que tem mesmo que representar em vez de vestir aquele seu boneco que criou no Saturday Night Live e que agora arrasta em pseudo-comédias sem um pingo de piada, usadas como sessões de tortura em Guantanamo. O que não significa que não faça aqui também de parolo. No entanto, este é um parolo sensível, com qualquer coisa para dizer e com, pelo menos, um dedo de testa.

É que Adam Sandler é acanhado, introvertido e um pouco complicado porque teve uma infância submissa e espezinhada por um bando de sete irmãs. Imaginam o que é crescer no seio de uma família com oito mulheres? Por isso, Sandler é um solitário que, apesar de ter conseguido vingar profissionalmente na vida (é certo que é dono de uma empresa de desentupidores, mas não deixa de ser dono de qualquer coisa), não tem amigos, desconfia-se que nunca teve namorada e o seu tempo livre é tanto que o passa a comprar caixas de pudim que oferecem milhas de viagem grátis.

Punch-Drunk Love - Embriagado De Amor é como Virgem Aos 40 Anos, mas em melhor. É o que dá ter um realizador a sério por trás da câmara. Aqui, em vez do sucessor de Altman, P.T. Anderson transforma-se no outro Anderson, o Wes (a personagem de Sandler anda sempre com a mesma roupa, como os bonecos de desenho-animado dos filmes de Wes Anderson), com uma comédia de atmosfera indie, uma banda-sonora inesperadamente bizarra e igualmente bela e toques de cinema de autor, sempre com a câmara livre a lembrar François Truffaut e um cinema de grande naturalidade.

É certo que a comédia romântica não é o género mais nobre da história do cinema - especialmente desde que Hugh Grant começou a fazer filmes -, mas Punch-Drunk Love - Embriagado De Amor é de uma sensibilidade assertiva e uma plasticidade cinematográfica que não podem dar nada menos do que um McRoyal Deluxe. E Adam Sandler já pode dizer que tem um filme de jeito no meio do balde de merda que é a sua filmografia.

Posted by: dermot @ 7:17 da tarde
|  




terça-feira, agosto 23, 2011  

ARACNOFOBIA:

Título: Arachnophobia
Realizador: Frank Marshall
Ano: 1990


No que diz respeito a antropomorfia no cinema, existem dois momentos superiores e um que o poderia ter sido. Comecemos por este último: em Perigo No Oceano, um grupo de cientistas transforma um trio de tubarões em animais inteligentes; o realizador Renny Harlin perde uma excelente oportunidade de, para mostrar o quão esperto os bichos estavam, de os colocar a jogarem às cartas entre si. Em Orca - A Fúria Dos Mares acontece um dos momentos mais felizes da antropomorfia de animais no cinema de imagem real: ao ver a orca-esposa a ser pescada e a orca-filho a ser morto, a orca-marido fica com os olhos raiados de sangue, olha para o céu e grita desalmadamente, enquanto a câmara rodopia em contra-picada, tal e qual um filme do Van Damme depois de lhe matarem alguém da família.

Mas o melhor momento de todos é o de Aracnofobia, filme sobre uma espécie tropical de aranhas assassinas gigantes que se muda para os Estados Unidos e, ao copular com um aracnídeo vulgar, têm uma praga de bebés mortíferos. Tal como emOrca - A Fúria Dos Mares, a aranha de Aracnofobia também tem espírito de vingança depois de ver uma prima sua ser esmagada por um fotógrafo-explorador, mas o supra-sumo da antropomorfia está quando a aranha exótica e a caseira se conhecem: música romântica, a lua cheia lá fora e os dois bichos a aproximarem-se romanticamente. Ao pé disto, dois cães a beijarem-se depois de comerem o mesmo fio de esparguete não tem piadinha nenhuma.

Aracnofobia é isto, um filme de monstros sobre uma praga imprevista de aranhas assassinas (se bem que aqui a fobia é bem maior, uma vez que os "mosntros" são bem reais, fazendo deste o equivalente de Os Pássaros, mas com aranhas) numa smalltown americana, para onde o (muito convenientemente) aracnofóbico Jeff Daniel se acaba de mudar mais a sua família. Apesar do suspense do filme de género, aproximando-se ainda dos limites dos horror movies xunga que o filme homenageia (e é aqui que surgem as comparações com o Tubarão, ou não fosse Spielberg produtor executivo), o realizador Frank Marshall não tem problemas em tornar o filme descontraído e cheio de humor.

Como manda a boa tradição dos filmes de segunda categoria, o argumento de Aracnofobia é o mais straight-ahead e termina ao fim de meia hora: exploradores descobrem uma aranha nova num cenário tropical qualquer, esta arranja maneira de se infiltrar na bagagem até aos Estados Unidos e reproduz-se num celeiro semi-abandonado. A partir daqui não se passa mais nada, apenas o bodycount a aumentar, o pânico a espalhar-se e Jeff Daniels a encetar esforços para estancar aquela matança. No fundo, foi uma opção inteligente: aranhas são bichos suficientemente incomodativos para aguentarem um filme inteiro por si só, enchendo-nos de comichão e de tiques nervosos até ao final.

Contudo, Aracnofobia não sairia vencedor desta batalha com o bom gosto se não fosse John Goodman na última meia-hora, na pele de um exterminador destrambelhado e trapalhão, que, qual equivalente cómico de Roddy Piper em Eles Vivem, vem para chutar os rabos das aranhas e mascar pastilha elástica. E a pastilha elástica já acabou...
Aracnofobia não é propriamente genial nem acima da média, mas vê-se com uma descontracção e um prazer parvo acima da média, que desliza pelo McChicken com uma facilidade tremenda.

Posted by: dermot @ 10:04 da manhã
|  




segunda-feira, agosto 22, 2011  

O EVANGELHO SEGUNDO SÃO MATEUS:

Título: Il Vangelo Secondo Matteo
Realizador: Pier Paolo Pasolini
Ano: 1964


Quem diria que Paul Verhoeven, realizador holandês que ficou conhecido por ter passado anos a subverter o cinema de acção de Hollywood, com um hiper-realismo gore que lhe valeu o epíteto de Sultão do Choque, tivesse o sonho secreto de realizar um filme sobre Jesus Cristo? Verhoeven passou décadas a compilar informação sobre o Jesus histórico e agora decidiu lançar um livro com a sua interpretação da vida daquele homem da Nazaré que mudou o Mundo. E, nesse livro, Verhoeven afirma sem problemas: ainda está por fazer um filme em condições sobre esse senhor.

O Evangelho Segundo São Mateus é a adaptação mais simpática da vida de Jesus Cristo, passando para imagens, de forma integral, a maior parte do evangelho de Mateus. O que não deixa de ser irónico, tendo em conta que Pier Paolo Pasolini era um empenhado marxista, ateu e homossexual. Contudo, O Evangelho Segundo São Mateus pouco ou nada perpassa dessas facetas do realizador italiano (exceptuando, talvez, a primeira), até porque este sempre disse que era um não-crente com nostalgia de crer.

Em O Evangelho Segundo São Mateus, Pasolini segue a escola do neo-realismo italiano para transportar para a tela as palavras de São Mateus, utilizando actores amadores e zero de efeitos-especiais. Contudo, nada disso se reflecte na qualidade da reconstituição histórica, contribuindo até para a naturalidade da adaptação. O Evangelho Segundo São Mateus tem uma espessura estética com grande carga poética, carregando a imagem com a mesma santidade que as escrituras sagradas têm transmitido ao longo dos séculos.

Pasolini transcreve à letra o evangelho de Mateus e, por isso, O Evangelho Segundo São Mateus tem todos aqueles momentos históricos de Jesus, como o venham a mim as criancinhas, a multiplicação dos pães e dos peixinhos ou a profanação do templo. Infelizmente, este último até é o momento menos conseguido do filme, com Jesus a irromper pelo templo em Jerusalém e a derrubar as mesas dos cambistas com tão pouca convicção, que ficamos com saudades do show de Willem Dafoe, em A Última Tentação De Cristo. E por falar em Willem Dafoe, Enrique Irazoqui é um Jesus bastante competente, com um olhar profundo e intenso.

Felizmente, o evangelho de Mateus é o mais realista dos quatro e tem poucos daqueles episódios ridículos, como Jesus a colar uma orelha a um soldado depois da luta que antecedeu a sua captura e que Mel Gibson fez questão de pôr no seu ridículo (do ponto de vista teológico, claro, porque até gosto de filmes gore) A Paixão De Cristo. Contudo, não deixa de relatar meia-dúzia de milagres, que Pasolini não se furta a passar para o ecrã. Falta a ressurreição de Lázaro, mas está lá a multiplicação dos pães ou o andar sobre a água.

Afinal de contas, já todos sabemos a história do filme: começa com José a receber um par de cornos do Espírito Santo e termina com Jesus a ser pregado a dois pedaços de pau. Mas a transcrição é tão integral que O Evangelho Segundo São Mateus não só dá a conhecer a história, como mostra como a narrativa do Novo Testamento é disconexa grande parte das vezes e sem profundidade dramatúrgica. Vale um McChicken; e se o Senhor nos tiver a ouvir, que o multiplique por todas as criancinhas da Somália.

Posted by: dermot @ 8:08 da manhã
|  




sábado, agosto 20, 2011  

PEQUENAS MENTIRAS ENTRE AMIGOS:

Título: Les Petits Mouchoirs
Realizador: Guillaume Canet
Ano: 2010


O plano abre e apanhamos um homem, Jean Dujardin, a sair da casa de banho de uma discoteca. Está um pouco almareado (mais tarde vimos a saber que estava cocaínado, mas isso não interessa para nada) e nós seguimo-lo pela pista de dança, ao som dos Jet. Mete-se com uma tipa gira, senta-se junto aos amigos, troca umas palavras de circunstância e acaba a bebida que estava a beber. Levanta-se e sai da discoteca, está já o dia a raiar cá fora, e o homem pega na scooter para ir para casa. Apanha o primeiro semáforo vermelho e, no segundo cruzamento, pumba!, um camião acerta-lhe em cheio. Tudo isso demora uns bons minutos e é filmado num só plano-sequência. Saímos cá fora para confirmar junto da lanterninha se não nos enganámos no filme e se isto não é qualquer coisa nova do Brian De Palma. A lanterninha vai confirmar (não porque esteja na dúvida, mas porque nos cinemas em Setúbal ninguém faz ideia quem seja o De Palma) e dá-nos a certeza: é mesmo Pequenas Mentiras Entre Amigos, do actor-realizador Guillaume Canet. E, em menos de nada, ficamos com o ano cinematográfico salvo.

Dujardin vai parar ao hospital, desfigurado e todo inchado, como se tivesse a boca cheia de amêndoas. O seu grupo de amigos de longa data vai visita-lo e, mesmo assim, decidem ir de férias, para o retiro que fazem anualmente no challet na praia de François Cluzet. Contudo, o facto de ficar o amigo no hospital, mais para o lado de lá do que de cá, vai fazer com que este ano as férias sejam mais de introspecção, servindo para reflectirem sobre as suas vidas e tomarem decisões importantes para o que sobra delas. Bem-vindos a Os Amigos De Alex versão francesa.

De facto, são inevitáveis as comparações entre Pequenas Mentiras Entre Amigos e esse clássico de Lawrence Kasdan, mesmo tendo em conta a diferente maneira de ser entre o cinema americano e o europeu. Pequenas Mentiras Entre Amigos é um filme de personagens, feito sobretudo de diálogos, em que somos apenas mais um do grupo, interagindo com aquela gente com quem nos identificamos, nem que seja porque todos nós temos um momento na vida em que paramos para pensar no que andamos a fazer da nossa vida e se é mesmo isso que queremos fazer até à nossa morte.

Contudo, ao contrário de Os Amigos De Alex, Pequenas Mentiras Entre Amigos não recorre tanto à nostalgia. Enquanto o primeiro era um filme mais sobre o passado, em que aquele grupo de yuppies se lembrava do idealismo dos seus dias de hippies, aqui é mais sobre o presente e a actualidade, em que os amigos se refugiam na hipocrisia e nas pequenas mentiras do título para manterem intacta a máscara de felicidade que todos gostamos de usar. Guillaume Canet utiliza uma das armas de Kasdan, a banda-sonora (excelente jukebox de canções), mas perde-se um pouco em subtileza.

Nota-se alguma insegurança no argumento de Canet quando este necessita de duas horas e meia para contar aquela história que se contava, seguramente, em menos tempo. Nota-se alguma falta de ideias quando Canet tem que inserir a meio do filme um personagem-cantor a martelo, assim como mover dois dos protagonistas para fora daquele microuniverso criado entretanto, levando-os até Paris para uma sequência perfeitamente desnecessária. E nota-se algum desequilibro quando só os homens são verdadeiras personagens, estando as mulher só a fazerem de apêndice; a excepção é a luminosa Marion Cotillard, com aquele seu ar de espantalho amoroso. Apesar disto tudo, aposto um rim como vai chorar no fim do filme. Se não o fizer não merece sequer cheirar este McBacon.

Posted by: dermot @ 1:49 da tarde
|  


 

RIP:


1941-2011

Posted by: dermot @ 8:29 da manhã
|  




sexta-feira, agosto 19, 2011  

ALUCINAÇÃO:

Título: Kaboom
Realizador: Gregg Araki
Ano: 2010


Esqueçam David Lynch, esqueçam Alejandro Jodorowsky, esqueçam Luís Buñuel, esqueçam Kenneth Anger, esqueçam tudo o que seja realizador surrealista, experimentalista ou qualquer outra coisa acabada em ista. Kaboom bate aos pontos qualquer filme destes tipos em termos de esquisitice. Principalmente, se não soubermos ao que vamos. É certo que Gregg Araki já tinha lançado uns pozinhos extraterrestres sobre uma história de pedofilia e recordações recalcadas, no seu anterior (e fabuloso) Mysterious Skin, mas Kaboom é muito mais à frente.

Imagine um teen movie com humor e escatologia suficiente para ser comparado a American Pie - A Primeira Vez, mas com sexo a mais tipo Shortbus. No entanto, como estamos a falar de Greeg Araki, o João Pedro Rodrigues americano, esse sexo é maioritariamente homossexual, esticando-se por orgias, ménages, lésbicas e gays. Agora, preencham os espaços em branco com I) teorias da conspiração e sociedades secretas à De Olhos Bem Fechados II) alucinações perturbadoras com gente com máscaras de animais à Donnie Darko III) psicadelismo colorido e a piscar por todo o lado, como uma versão em imagem real de Paprika IV) elementos (aparentemente) aleatórios, como ex-namoradas psicóticas com poderes sobrenaturais (principalmente na arte de lamber carpetes).

Tudo isto faz sentido? Absolutamente nenhum, especialmente se estiver colado com cuspo, como o argumento de Kaboom. O nível de irrealidade da mistura de géneros tão distintos até já deu frutos interessantes em experiências antigas (alguém mencionou Save The Green Planet!), mas o nível de demência dos orientais presta-se de forma muito mais sincera a isto. Nas mãos de um americano tímido como Araki, Kaboom é apenas uma caldeirada de assuntos abordados ao de leve, que nunca chegam a fazer sentido juntos. Vindo do homem que já nos deu Mysterious Skin, não deixa de ser um decepcionante Cheeseburger.

Posted by: dermot @ 11:29 da manhã
|  




quinta-feira, agosto 18, 2011  

PERFORMANCE:

Título: Performance
Realizador: Donald Cammell & Nicolas Roeg
Ano: 1970


A modelo e actriz-wannabe Anita Pallenberg foi a bicicleta dos Rolling Stones. Começou por namorar com Brian Jones, mas depois trocou-o por Keith Richards, contribuindo para a sua depressão e, no fundo, para que acabasse por entrar para o Clube dos 27. Depois, durante a rodagem deste Performance, Anita ofereceu um belo par de cornos a Richards, envolvendo-se com o colega actor-wannabe, Mick Jagger. Consta que as cenas de sexo entre os dois foram tão bem feitas que até ganharam um prémio num festival de filmes para adultos, na Holanda. Digam lá que isto não é razão mais do que suficiente para vermos Performance?

Performance era para ser um filme sobre a swinging London e, no fundo, sobre o brit-rock. Tinha também, pela primeira vez em filme, a super-estrela Mick Jagger (estava a banda então no auge de popularidade), e a Warner tinha a secreta expectativa que o filme fosse um equivalente dos Rolling Stones de A Hard's Day Night (ou qualquer outra patetada dos Beatles). Contudo, Performance acabou por ser um filme negro, bizarro e experimental, que passou dois anos na gaveta sem que os produtores, completamente assustados, soubessem o que fazer com ele. Performance era tão esquisito e perturbador que, décadas antes de Saw - Enigma Mortal, já tinha feito pessoas vomitar durante os screen tests.

É certo que está lá a Swinging London. Aliás, até ser feito Cocksucker Blues - o infame documentário (e banido) documentário da não menos infame tournée mundial dos Stones, em 1972 -, Performance era o documento essencial da tríade sexo, drogas e rock'n'roll, que definiu a década de 60. Mas Performance tem muito mais: tem Mick Jagger e Anita Pallenberg, é certo, mas tem também James Fox e o melhor filme de gangsters inglês (que acabou por influenciar os gangsters de Tarantino e os de Guy Ritchie), tem experimentalismo à Kenneth Anger transformado em mainstream e cut-ups com fartura e tem drogas, muitas drogas, mais drogas que o sábado à noite da Amy Winehouse.

Bizarro é, portanto, a palavra-chave de Performance, que pode ser dividido em dois. A primeira parte em que é um óptimo filme de gangsters (se bem que com uma edição algo peculiar, chamemos-lhe assim) - James Fox é um agiota que, ao não conseguir manter os assuntos pessoais de fora dos assuntos de trabalho, tem que desaparecer por uns tempos -, e a segunda parte em que é uma acid-trip: Fox vai-se esconder na casa de uma estrela-rock reformada (porque tinha "perdido o demónio interior"), Turner (Mick Jagger a fazer de si próprio e, basicamente, de todas as estrelas rock excêntricas e hedonistas do mundo), no meio de cogumelos, amor livre (leia-se ménage à trois) e música psicadélica, enveredando numa viagem metafísica em que, ao mesmo tempo que deixamos de perceber o que se passa, vai descobrindo coisas novas no seu próprio ser.

Performance está ainda impregnado de referências culturais - Jorge Luís Borges, Robert Johnson, Francis Bacon... - que, como ponto em comum, têm o facto de estarem relacionadas de alguma forma com a maluquice: the only performance that makes it, that makes it all the way is the one that achieves madness, diz Jagger às tantas. Depois aborda ainda problemas de identidade (e duplicidade, como o final dúbio que dá azo a várias interpretações), alucinação, amor livre, homofobia e outras questões filosóficas, mas que no fundo são apenas as drogas a falar.

Infelizmente, a única coisa que realmente correu mal em Performance foi o facto de Richards se ter zangado com Jagger, graças ao par de cornos, não tendo aparecido para gravar a banda-sonora que os Rolling Stones supostamente iriam compor para o filme. Assim, ficou apenas uma música para a posterioridade (com a slide guitar de Ry Cooder em vez de Richards), enquanto Jack-Sparrow-senior se trancava furiosamente em casa compondo (o belíssimo) Gimme Shelter. O tema, Memo from Turber, acaba por ser o momento-revelação do filme e a forma como é filmado fazem dele o primeiro teledisco-MTV da história. Como filme, Performance não é particularmente genial, mas a quantidade destes pequenos pormenores fazem dele um McBacon mágico e especial.

Posted by: dermot @ 7:04 da manhã
|  




segunda-feira, agosto 15, 2011  

EQUILIBRIUM:

Título: Equilibrium
Realizador: Kurt Wimmer
Ano: 2002


Existem dois filmes que os detractores de Matrix (do primeiro, porque os outros dois da trilogia destroem-se a si próprios) adoram comparar e superlativar. Um é Cidade Misteriosa, excelente filme de ficção-científica realizado por Alex Proyas um ano antes; e o outro é Equilibrium, filme assim-assim de Kurt Wimmer (quem?), feito dois anos depois.

De facto, é inevitável não comparar Equilibrium com Matrix. Não tanto pelo conteúdo - é certo que ambos são distopias futuristas sobre a falência da sociedade como nós a conhecemos -, mas sobretudo pela forma. É impossível olhar para os fatos clericais de Christian Bale e não nos lembrarmos das gabardines de Keannu Reaves (o que toda a gente se esquece é que quem estreou este guarda-roupa foi um dos irmãos Baldwin não-talentosos, em Harley-Davidson E O Cowboy Do Asfalto) ou ver as sequências de acção altamente estilizadas de Equilibrium e não pensar na revolução visual de Matrix.

Mas Equilibrium não é apenas um rip-off de Matrix, é antes uma distopia em que o Matrix encontra o 1984. Num hipotético futuro, após uma hipotética terceira guerra mundial, a civilização une-se e, consciente de que a humanidade poderá não sobreviver a uma quarta grande guerra, ergue um regime totalitário, onde é proibido... sentir(!). Para isso, põem a população sedada sob doses regulares de Prozium (olá Admirável Mundo Novo) e criam uma força armada altamente especializada - os clérigos de Grammaton - para queimar tudo o que seja susceptível de provocar sensações - arte, música, etc etc. Tudo corre bem se um desses clérigos (Christian Bale), com tiques messiânicos, não começasse a sentir e tomasse gosto por isso...

A premissa é boa, se não pensarmos muito nela (conseguimos acreditar numa sociedade a preto e branco, enfadonha e monótona, onde ninguém sente, se não víssemos amiúde os maus a gritar ou as pessoas a casarem-se e a terem filhos - a ira e o amor são sentimentos, não são?), mas Equilibrium não deixa, mesmo assim, de ser um filme estranho. E nem é a edição trôpega ou os cenários de aspecto ordinário que me incomodam, porque estou mais do que calejado a isso com o cinema série-b; é antes o argumento ingénuo e tão esquematizado, como que escrito por um adolescente educado a banda-desenhada má. Como o retrato que faz da Resistência - um exército de homens que não tomam drogas e, por isso, experienciam a realidade a cem por cento, mas que quando sob ataque não reagem e não conseguem matar ninguém, limitando-se a arrastarem-se daqui para ali como zombies.

Já vimos esta história vezes sem conta no cinema (alguém mencionou THX 1138?), mas Equilibrium tem aquele factor X que nos faz gostar dele mais do que aos outros: as cenas de acção estilizada (coreografias wi-fu entre Matrix e Desperado) e o ar muito cool. Só que depois não tem um argumento à altura. É pena, o McChicken poderia saber bem melhor.

Posted by: dermot @ 7:28 da tarde
|  




sábado, agosto 13, 2011  

THE OTHERS - OS OUTROS:

Título: The Others
Realizador: Alejandro Amenábar
Ano: 2001


Em 2001, Hollywood tinha acabado arruinar o excelente De Olhos Abertos, refazendo-o enquanto Vanilla Sky, quando teve um caso raro de bom-senso e de consciência pesada - tendo noção da injustiça, convidaram Alejandro Amenábar a fazer o filme que quisesse. O espanhol escolheu Nicole Kidman, levou-a para o norte de Espanha e realizou Os Outros, passando desde então a figurar na órbita de todos os cinéfilos de bom gosto.

Os Outros é um horror movie à antiga, feito mais de vultos, ruídos sombrios e parece-que-vi-qualquer-coisa-ali do que de sustos e outros pormenores mais gráficos, orientado para uma reviravolta final que, para além de funcionar pela surpresa, subverte as regras do género. Pelas suas semelhanças (ou seja, pelo twist), Os Outros é comparado amiúde (e preguiçosamente) a O Sexto Sentido, mas limita-lo a essa muleta argumentativa é bastante redutor. Contudo, tal como nos filmes de M. Night Shyamalan, não é o fantástico que interessa a Amenábar. Mais do que um thriller ou filme de fantasmas, Os Outros é um drama sobre relações familiares.

Nicole Kidman é então a mãe de duas crianças com uma doença rara, na Inglaterra victoriana do meio do século passado: James Bentley e Alakina Mann (dois teen actors que prometiam muito mais do que apenas este filme) são fotossensíveis e não podem apanhar luz solar, o que os obriga a viverem trancados em casa e na penumbra constante. Assim, é como se Os Outros se passasse sempre à noite, numa versão alternativa de Insónia, mas igualmente paranóica e extenuante. Em suma, o cenário perfeito para um filme de fantasmas - o que é uma casa assombrada, se não uma casa habitada por sombras?

A trama começa a complicar quando Kidman contrata novos criados para casa, depois dos anteriores fugirem, e eventos estranhos começam a acontecer. Amenábar espalha vários sinais ao longo do filme, que acabam por funcionar como um mcguffin escondido - um nevoeiro constante, um carteiro que não aparece, um piano que toca sozinho, murmúrios no andar de cima... No final, o tal twist une as pontas soltas e remata uma excelente fábula fantasmática, com personagens a sério por quem nos interessamos realmente e uma atmosfera enigmática e sombria digna de qualquer filme de terror. Os Outros é um McBacon muito tenrinho e saboroso, mas cujo sabor da primeira trincadela é irrepetível.

Posted by: dermot @ 4:05 da tarde
|  


 

RUMO À LIBERDADE:

Título: The Way Back
Realizador: Peter Weir
Ano: 2010


Em 1941, três homens chegam à Índia a pé. Alegadamente, tinham fugido de um gulag na Sibéria e percorrido a pé quase 6 mil e 500 quilómetros, atravessando inclusive o deserto de Gobi e os Himalaias. A demanda parecia impossível e, pelo menos, foi para alguns dos outros companheiros de fuga daqueles homens. Ao longo dos tempos, muitos têm sido os que duvidam da veracidade do relato de Sławomir Rawicz, que o contou num livro que se vendeu que nem pãozinhos quentes, mas - verdade ou não - o que é que isso interessa quando a história pode dar um óptimo filme de aventuras? Também há muitos que dizem que o Papillon não fez nada daquilo e não é por isso que o filme deixa de ser porreiro.

Rumo À Liberdade (mais uma tradução portuguesa que tenta acoplar o título à sinopse) é então um survival movie baseado em factos verídicos, sobre a demanda épica de um grupo de indivíduos que, sob condições extremas, sobreviveu ao impensável. Podemos encontrar aqui paralelo com outras histórias do género, como Estamos Vivos, o relato verídico da equipa uruguaia de rugby que se despenhou nos Andes e que teve que sobreviveu em condições extremas, recorrendo inclusive ao canibalismo. Encontramos ainda outra comparação a Rumo À Liberdade: Sete Anos No Tibete, devido à fuga ao cativeiro até ao Tibete. Mas aqui ficamos mesmo pelas semelhanças.

Peter Weir, realizador habituado a estes dramas de força, surpreendeu ao apostar num elenco maioritariamente de irlandeses para fazerem de polacos. E o tiro até nem sai pela culatra. Há também Ed Harris no grupo, mas esse já sabemos do que é capaz. Aliás, na altura até se chegou a falar em nomeação ao Oscar, mas tal como o filme, a sua prestação vai perdendo fôlego até ao final. Surpresa mesmo é Colin Farrell, actor que se costuma destacar mais pela sua cara de cu do que pelas prestações interpretativas, mas que aqui é um poço de força, na pele de um feroz bandido russo, mais perto do animalesco Wolverine (ou do "acanado" Jet Li, em Danny The Dog - Força Destruidora), do que de um ser humano normal.

Rumo À Liberdade leva-nos juntamente com aquele herói colectivo na sua travessia dos seis mil e tal quilómetros, através de condições desumanas. Peter Weir filma o deserto e as montanhas geladas com uma austeridade que mais parece a antítese da celebração da natureza de Terence Malick. Contudo, com tanto despojo, Rumo À Liberdade acaba por nunca conseguir captar a ténue chama de esperança que manteve aqueles homens vivos e os levou a conseguir ultrapassar as dificuldades. Podia ser uma opção propositada, se a ideia fosse passar ao espectador a parte física daquela aventura, mas não parece que isso tenha sido propositado, uma vez que chegamos ao fim e não estamos propriamente extenuados. Apenas um pouco aborrecidos e com o cu quadrado da cadeira desconfortável. Mesmo assim, saca um McBacon pelo esforço.

Posted by: dermot @ 10:09 da manhã
|  




quinta-feira, agosto 11, 2011  

THE WAY:

Título: The Way
Realizador: Emilio Estevez
Ano: 2010


Em Fátima, todos os Maios celebra-se o aniversário da primeira aparição de Fátima aos pastorinhos na Cova da Iria, levando a que milhares de peregrinos caminhem até ao santuário. Muitos deles fazem a caminhada para pagar promessas, uns de joelhos, outros de costas, ficando depois dois dias a assistir a missas pomposas e outras demonstrações fúteis de ostentação. Por sua vez, em Espanha, Santiago de Compostela celebra o ano de Jacobeu sempre que o 25 de Julho calha a um domingo, levando outros tantos milhares de peregrinos à catedral, para vários dias de celebração, que incluem actuações de Bob Dylan ou David Bowie, ou co-produções de filmes com estrelas de Hollywood, como este The Way. Cada país tem as celebrações religiosas que merece...

Martin Sheen percorreu um dos caminhos de Santiago, até Compostela, com um dos seus filhos não famoso, há uns anos atrás. Ao que consta, a experiência correu tão bem que Taylor Estevez ficou, inclusive, a viver em Espanha. O seu filho menos famoso, Emilio, quis então passar essa aventura para filme, baseando-se livremente na experiência do pai e do irmão e nas de outros peregrinos, realizando assim The Way, filme sobre o caminho de Santiago, mas que acaba por chamar a atenção por conter um gimmick: o de ter Martin Sheen como protagonista (que saudades de o ver num filme de jeito) dirigido pelo seu próprio filho.

Sheen é então um oftalmologista de meia-idade, conformado e rezingão, que viaja até à Europa para recuperar os restos mortais do filho (o próprio Emilio Estevez), que pereceu numa tempestade imprevista ao percorrer o caminho até Santiago de Compostela. Sheen tem então uma espécie de epifania e decide percorrer ele mesmo o caminho, fazendo o percurso por si, mas também pelo falecido filho. Claro que durante a viagem várias personagens de várias nacionalidades se vão acoplando à aventura, porque um filme sobre um homem a andar não-sei-quantos-quilómetros sozinho seria uma seca desgraçada.

Se pensarmos bem, um norte-americano a realizar um filme sobre o caminho de Santiago é algo que faz muito sentido, já que os americanos são os reis dos road-movies. Uma estrada tem sempre um significado simbólico muito forte e a sua travessia compreende sempre um conceito de viagem, com um local de partida e um de chegada, que não têm que ser necessariamente lugares físicos. Para um país que não tem história, a viagem, o deslocar-se, o ir despegado e a falta de raízes a um local são marcas genéticas muito fortes. Por isso, The Way fazia todo o sentido nas mãos de Emilio Estevez, que só escusava de ser tão preguiçoso.

As personagens de The Way são tão bidimensionais, que nunca conseguem terem um diálogo profundo que não soe a cliché ou a má poesia. É que a grande influência de The Way acaba por ser O Feiticeiro De Oz, em que quatro companheiros de viagem, que afinal são um só, tomam noção dos importantes valores da vida. Contudo, aqui as coisas resultam porque funcionam por símbolos, enquanto que em The Way estamos a falar de pessoas reais, de carne e osso.

Mas não é só o argumento que é trôpego em The Way, também a própria realização de Emilio Estevez o é. Pelo menos se estiver à espera que as paisagens do norte de Espanha compensassem um desenvolvimento narrativo mais manco. É certo que Estevez evita os postais de viagem, mas também não há momentos verdadeiramente impressionantes, se bem que há paisagens que são impossíveis de ficarem mal em qualquer cena e há um esforço de mostrar um pouco da cultura espanhola (os pinchos em vez das tapas no País Basco é uma dessas raras excepções).

O que há com fartura são as montages musicais e aqui é um desastre. Estevez não acerta com a banda-sonora e experimenta de tudo um pouco, seja música galega típica, seja country-music, seja até a Alanis Morissette(!), numa sequência inteira ao som integral de Thank You, que só nos faz querer furar os tímpanos com uma colher.

Enfim, é certo que The Way acaba por nos fazer querer ir experimentar também o caminho de Santiago, mas se não o fizesse era porque teria sido um desastre autêntico. Comparamo-lo com O Lado Selvagem, por exemplo, e não sentimos aquele espírito de liberdade, aquele sentimento de descoberta ou aquela experiência de epifania que o filme de Sean Penn, mesmo não sendo espectacular, nos transmitia. Somos capazes de pedir um Double Cheeseburger, mas só porque uma caminhada destas tem que abrir o apetite.

Posted by: dermot @ 10:08 da manhã
|  




terça-feira, agosto 09, 2011  

CISNE NEGRO:

Título: Black Swan
Realizador: Darren Aronofsky
Ano: 2010


Um príncipe apaixona-se fortuitamente por uma princesa transformada em cisne por um feiticeiro maligno. Apenas o amor verdadeiro poderá quebrar a sua maldição e a princesa parece estar perto de deixar aquelas penas para sempre. No entanto, o príncipe acaba seduzido por um cisne negro, enviado pelo feiticeiro, condenando a princesa para sempre aquele corpo de cisne branco, que acaba por se suicidar de desgosto. Eis a história de O Lago Dos Cisnes, uma das tragédias passionais mais famosas do mundo, logo a seguir a Romeu E Julieta.

Foi o bailado de Tchaikovsky que Darren Aronofsky utilizou como analogia para contar a história de Nina (Natalie Portman) e a sua passagem de menina a mulher. Toda a gente sabe que os rituais de crescimento são sempre uma coisa tramada e um momento marcante na definição de personalidade de cada um de nós (o cinema está sempre a conta-lo), mas no caso de Nina isso é ainda mais complicado. Ela, que acaba de ser escolhida para protagonista da nova encenação de O Lago Dos Cisnes, de Thomas Leroy (Vincent Cassel), continua a viver sob a alçada submissa da mãe (Barbara Hershey), que não só vai vivendo os seus sonhos através da filha, como não a deixa crescer. Não é uma mãe tão tirana quanto a de Carrie, mas o nível de perversidade acaba por ser o mesmo.

Apesar do ballet ser omnipresente, Cisne Negro não é um filme sobre tal. Pelo menos da mesma forma que era Os Sapatos Vermelhos, tantas vezes associado ao filme de Aronofsky. É como dizerem que eu sou parecido com o Chuck Norris só porque ambos usamos barba. Tirando os pêlos na cara e o branco dos olhos, não há nada de semelhante em nós. Cisne Negro é antes um filme sobre o doppelgänger, a famosa temática do duplo, que continua a intrigar tantos autores. Nina tem que interpretar em palco tanto o cisne branco, como o preto; e se o primeiro é fácil, basta ser ela própria - virginal, inocente e cândida -, o segundo é mais complicado - sensual, violento e cruel.

Para o encenador, a solução é fácil: descobrir-se a si própria. E, para isso, tem que conhecer o seu corpo primeiro. Para ele, a sexualidade é, tal como Freud, a solução e o problema de todas as situações. Por isso, enquanto Nina não tiver um orgasmo como deve ser, nunca irá libertar o cisne negro que tem dentro de si. Mas não é fácil masturbar-nos numa casa em que a nossa mãe está por perto 24 horas. E neste ponto, Cisne Negro tem Roman Polanski escrito por todo o lado, já que a sexualidade reprimida (assim como a duplicidade) sempre foi tema recorrente na obra do polaco.

Aronofsky aproveita isso para criar um clima sexual intenso entre Natalie Portman e Mila Kunis. E quando elas acabam por se comer, Cisne Negro entra directamente para o panteão de filmes com as melhores cenas de lesbianice, logo a seguir à Neve Campbell e Denise Richards, em Ligações Selvagens, e Naomi Watts e Laura Harring, em Mulholland Drive.

Aronofsky constrói assim um thriller perturbador, entre a realidade e a esquizofrenia (Polanski é sempre uma referência, especialmente Repulsa), filmando Cisne Negro segundo a fórmula de O Wrestler: uma câmara ao ombro, insinuante, que segue a actriz ininterruptamente. Portman, que se entrega ao papel de corpo e alma, está no ecrã praticamente todo o filme, aumentando o desconforto do espectador. Além disso, Aronofsky ainda dá um ar da sua graça enquanto cineasta ao filmar as cenas de bailado de forma bastante física, quase dolorosa, em cima do palco e no meio dos bailarinos. Depois de Cisne Negro, quem não ficar com vontade de ir ver O Lago Dos Cisnes é porque não se sente.

E se Natalie Portman tem aqui a sua consagração em uma das melhores actrizes da sua geração, Winona Ryder volta a ter um papel simbólico, enquanto a bailarina ex-estrela da companhia, dispensada por já estar velha - de jovem actriz promissora e em ascensão, a cleptomaníaca que ninguém quer saber, condenada a papeis secundários ou filmes insignificantes. Darren Aronofsky é que continua imperturbável na sua ascensão ao topo da montanha dos grandes realizadores, com mais um Royale With Cheese.

Posted by: dermot @ 9:08 da manhã
|  




domingo, agosto 07, 2011  

SUPER 8:

Título: Super 8
Realizador: J.J. Abrams
Ano: 2011


Super 8, o primeiro filme com material original de J.J. Abrams, tem sido vendido aos quatro ventos como um exercício de nostalgia aos filmes de Steven Spielberg dos anos 80 (o Spielberg realizador, mas também o produtor). Será Super8 assim tão redutor? Não, nem por isso, mas o filme é uma homenagem tão forte que é impossível fugir às evidências.

Aliás, o esqueleto de Super 8 parece ter sido construído segundo o método frankenstein, isso é, a partir de peças de trabalhos do Spielberg inicial (no fundo, aquele que realmente interessa, o que fazia filmes que marcaram uma época, antes de ter amadurecido após aquele filme-charneira que foi A Lista De Schindler). Ora vejamos: Super 8 é a aventura de um grupo juvenil de amigos (Os Goonies, check), ambientado nos subúrbios americanos no final dos anos 70 (ET - O Extraterrestre, check), em que o descarrilamento de um misterioso comboio militar liberta uma criatura alienígena, mais benigna do que maligna (Encontros Imediatos Do Terceiro Grau, check).

Super 8 tem Steven Spielberg escrito em todo o lado, mas não é só. Tem também a marca do próprio J.J. Abrams, nomeadamento no filme de monstros que é (e não é apenas pela semelhança entre esta criatura e a de Nome De Código: Cloverfield), que sugere mais do que mostra (espera aí, um filme de monstros "sem" monstro também é herança de Spielberg - O Tubarão, check). Todas estas referências não são mais do que um jogo de espelhos, que nós até não estranhamos, já que Abrams é o correspondente a Spielberg do século XXI: um cineasta que, mais do que autor, é um de nós, um nerd educado pela televisão e pela cultura pop, que actualiza os géneros clássicos à actualidade com uma fé inabalável no poder das imagens.

Podemos, portanto, começar por lamentar a opção de Abrams em recuar a acção aos anos 70. Teria sido muito mais estimulante se Super 8 se situasse nestes anos 00. Mas compreende-se a ideia e segue-se a trama com interesse: o suspense e o paranormal, o herói colectivo suficientemente eclético, o núcleo familiar fragmentado como pathos (olá Spielberg outra vez) e um bicho meio-alien meio-godzilla com pinta. Infelizmente, Super 8 tem um remate final frouxo, que maìs um bocadinho e nem passava a linha de golo, que cheira a deja vu que trasanda e se limita à muleta sentimental sem se esforçar um bocadinho.

Contudo, para compensar, J.J. Abrams redime-se com um rebuçado para os olhos, já durante os créditos finais - a projecção em 8 milímetros do filme dentro do filme, que os gaiatos vão rodando ao longo de todo Super 8, em mais uma homenagem sentida, desta vez aos horror movies clássicos, de Romero a Corman. Super8 pode não ser um épico familiar que vá ficar na memória colectiva da maioria, mas é um mui honrado McRoyal Deluxe no palmarés de um também mui honrado J.J. Abrams.

Posted by: dermot @ 9:03 da manhã
|  




quinta-feira, agosto 04, 2011  

O REI DOS GAZETEIROS:

Título: Ferris Bueller's Day Off
Realizador: John Hughes
Ano: 1986


Perante a questão "que herói do cinema gostarias de ser?", qualquer pessoa de bem responderá de pronto: Ferris Bueller! Não é que ninguém gostasse de ser o Indiana Jones ou o James Bon, mas todos temos noção que nunca seremos um arqueólogo de chapéu de abas e de chicote garimpando o santo Graal e enfrentando nazis. E nem todos ficamos bem de smoking. Ferris Bueller é, portanto, o ícone que todos gostaríamos de ter sido, pelo menos durante a nossa juventude (especialmente durante aquelas intermináveis horas de Geografia à terça de manhã), o herói übercool por onde alinham todos os diapasões que marcam o ritmo do que é fixe e não é.

Apesar de cristalizar uma das principais características do cinema dos anos 80 - o espírito feelgood, algo näif, mas altamente pegajoso ao cérebro -, O Rei Dos Gazeteiros é um filme fora dos moldes. Se na sua génese parece apenas uma variação de uma ideia não muito original - um adolescente que magica complexas formas de se baldar às aulas, com a namorada e o melhor amigo , no conteúdo e na forma é um filme anárquico (as brincadeiras irresponsáveis dos Looney Tunes, da Warner, são uma referência constante), que desconstrói as regras do cinema de género, pondo o protagonista a falar directamente com a câmara (olá Fellini, olá Woody Allen) ou a música a pontuar o tom e o ritmo de cada cena ou sequência.

Enquanto comédia, O Rei Dos Gazeteiros funciona ainda pelo casamento entre os vários tipos de humor, um pouco à semelhança de Seinfeld. Há piadas descaradas, tongue in cheek, mas há também humor físico (o reitor-vilão Jeffrey Jones é o bastião deste exemplo, com banda-sonora a condizer) e um humor inteligente e subversivo, como a famosa cena no museu em que Alan Ruck tem uma epifania perante a profundidade do olhar de uma personagem de uma pintura de Georges Seurat (emulada entretanto naquele emulador de referências pop que é Family Guy). É por isto que O Rei Dos Gazeteiros é um filme de culto, já que acaba por apelar a vários públicos, e fazem dele uma das comédias mais citada da história das comédias.

Mas O Rei Dos Gazeteiros não é apenas humor slapstick esticado ao limite, tem ainda uma dimensão metafísica de quem tem algo para dizer. É certo que estávamos nos anos 80 e aqui, por mais que o núcleo familiar esteja fragmentado, os heróis nunca abandonam a sua pose cool, ultrapassando os seus problemas com um optimismo invencível, óculos escuros e um sorriso estúpido na cara. Mas a mensagem de O Rei Dos Gazeteiros é clara: a vida é curta e deves aproveita-la antes que te escape por entre os dedos. E fá-lo de forma muito mais eficaz que o carpe diem dos chorosos e deprimidos de O Clube Dos Poetas Mortos.

O Rei Dos Gazeteiros perdura, portanto, no tempo. Aliás, por isso é que Matthew Broderick nunca conseguiu envelhecer, ficando com aquela adorável cara de bebé para sempre, uma vez que o filme é intemporal (aconteceu o mesmo a Tom Hanks, que demorou anos a ultrapassar o trauma de Big). Só é pena é que Alan Ruck (completamente genial) nunca mais tenha feito nada de jeito. E quando Broderick mete Chicago inteira a dançar o Twist and Shout e nós começamos a bater o pé, percebemos que estamos a sentir o mesmo que aquelas personagens. O Rei Dos Gazeteiros é o Calvin & Hobbes do cinema e, portanto, Royale With Cheese.

Posted by: dermot @ 7:19 da tarde
|  




terça-feira, agosto 02, 2011  

WHITE IRISH DRUNKERS:

Título: White Irish Drunkers
Realizador: John Gray
Ano: 2010


A sinopse de White Irish Drunkers reza assim: dois irmãos planeiam um assalto à bilheteira de um cinema na noite em que tocam lá os Rolling Stones. Para mim, stonemaníaco assumido, isso é o suficiente, mesmo que seja um filme com pessoal desconhecido vindo de telefilmes e que, pelos vistos, passa o tempo livre a dizer bem do próprio filme nos respectivos boards do imdb. Contudo, chegados ao fim do filme, nem uma música dos Stones se ouve - e a banda-sonora está cheia de rock'n'roll. Ora que raio, é já uma Hamburga de Choco.

Não, estou a brincar, não é nada uma Hamburga de Choco. Mas é quase. Vamos por partes.

Anos 70: os Stones estão em grande. E em vésperas do mítico concertos no Marquee Club (o primeiro com Ronnie Wood na guitarra), um modesto cinema no Brooklyn, que vai conseguindo pagar as contas com concertos esporádicos de antigas estrelas caídas no esquecimento, consegue uma data extra de Mick Jagger & cia através de uns favores antigos por pagar.

Como se sabe, Brooklyn é também a casa dos americanos descendentes de irlandeses; é como já vimos em filmes como A Cidade ou The Boondock Saints (ou em todos os filmes com o Clin Farrel), os irlandeses são malta ruiva e sardenta, que acredita em duendes e gosta de andar à pancada e de beber muito. Em suma, são irlandeses brancos e bêbados.

Brian (Nick Thurston) é a peça transversal a todo o filme. É irlandês, gosta de pinga e trabalha no tal cinema. Também tem um pai abusivo e um irmão assaltante, com quem planeia saquear a bilheteira do espectáculo do Stones, durante o próprio concerto. É que Brian vive num dilema: por um lado não fica muito excitado em ver o que o futuro de um irlandês lhe reserva - um trabalho das 9 às 6 numa qualquer repartição pública, ir ao bar embebedar-se e bater na mulher ao chegar a casa -, mas por outro também não o seduz deixar o Brooklyn natal e ir para uma universidade cheia de gente diferente de si.

White Irish Drunkers é um drama ritual, sobre aqueles momentos de transição na adolescência, mas é também sobre a consanguinidade (ou como um romance russo sobre a degeneração geracional), de Brian com o seu irmão e com o seu pai e a deste com os seus filhos. Contudo, é tudo tão académico, que se esforça por não deixar de fora nenhum lugar comum do género. White Irish Drunkers torna-se assim um desperdício de boa fotografia e de um bom filme de época. E, no meio disto tudo, a ideia dos Stones e do heist movie (que até é a melhor do filme), acaba por passar despercebida lá atrás, como mero papel de parede decorativo. Mas o que baixa ainda mais a bitola de White Irish Drunkers é o pontapé nos tomates que nos dá no final (sem mais desenvolvimentos, para não entrar em spoilers). Por mais graxa que nos tentem dar nos boards do imdb, White Irish Drunkers é apenas um Double Cheeseburger e já bastante passado.

Posted by: dermot @ 4:18 da tarde
|  




segunda-feira, agosto 01, 2011  

SOLDADOS DO UNIVERSO:

Título: Starship Troopers
Realizador: Paul Verhoeven
Ano: 1997


Paul Verhoeven sempre foi o realizador mais subversivo de Hollywood. Os grandes estúdios americanos passaram mais de uma década a dar-lhe dinheiro e carta branca para fazer filmes de acção, até se aperceberem que ele, afinal, estava era a gozar com eles e a critica-los à grande.

O exemplo mais flagrante foi o incompreendido Soldados Do Futuro, penúltimo prego no caixão do realizador holandês antes de ser corrido de novo para a Europa. Enquanto Verhoeven quis contar uma farsa político-bélica, ambientada no futuro, mas com muito a dizer no presente, os estúdios encararam-no apenas como um simples e musculado filme de guerra, que depois multiplicaram num bolorento franchise de sequelas, série de televisão e shoot'em-ups para consola.

Soldados Do Futuro situa-se num hipotético futuro em que a sociedade democrata e capitalista ruiu (olá actualidade, telefonaste?) e os veteranos de guerra assumiram o poder, transformando o ocidente numa espécie de ditadura militar, alicerçado na força bruta como instrumento disciplinador. Entretanto, no espaço, um planeta habitado por insectos gigantes sente-se ameaçado pela intrusão dos humanos no seu habitat e ataca a Terra, devastando Buenos Aires. A humanidade responde a uma só voz, com temidas medidas fascistas: retaliar, invadir e dizimar todos os insectos da galáxia.

Este contexto socio-político é o pano de fundo para Soldados Do Futuro e aquele que tem mais a dizer ao filme. Em paralelo desenrola-se a história de um grupo de colegas de liceu, todos loiros e de olhos azuis como se Buenos Aires fosse o berço da raça ariana (Casper Van Dien, Denise a-pior-bond-girl-de-sempre Richards, um novinho Neil Patrick Harris e uma Dina Meyer sempre com calor), que se alistam no exército, em diferentes corporações - infantaria, força aérea e serviços secretos -, seguindo vidas separadas, mas que se cruzam em momentos charneira do argumento.

Este cruzamento de géneros díspares dá ao filme um tom que não sabemos se devemos encarar a sério ou a brincar. Por um lado, é um filme de adolescentes em crescimento, com as hormonas aos saltos e com as habituais dúvidas no que toca aos seus próprios futuros. Por outro lado, é um filme de guerra, ainda por cima sangrento e cruel - há gore e mais protagonistas desmembrados do que é habitual em blockbusters -, ou não estivéssemos a falar de um filme de Paul Verhoeven, o hiper-realista sultão do choque.

Soldados Do Futuro é um filme mais inteligente do que parece, que a pecar é só pela recta final com tiros a mais. Saboroso McBacon e diversão garantida, num filme dois em um: acção e miolos.

Posted by: dermot @ 5:02 da tarde
|  





COTAÇÃO:
10 - Royale With Cheese
9 - Le Big Mac
8 - McRoyal Deluxe
7 - McBacon
6 - McChicken
5 - Double Cheeseburger
4 - Cheeseburger
3 - Caixinha de 500 paus (Happy Meal)
2 - Hamburga de Choco
1 - Pão com Manteiga

TAKE:
Take - cinema magazine | take.com.pt


ARE YOU TALKING TO ME:
DUELO AO SOL
CLARENCE HAD A LITTLE LAMB
GONN1000
BITAITES
ANTESTREIA
CINEBLOG
CINEMA NOTEBOOK
CONTRA CAMPO
ZONA NEGRA
O MELHOR BLOG DO UNIVERSO
A CAUSA DAS COISAS
O MEU PIU PIU
AMARCORD
LAURO ANTÓNIO APRESENTA
SARICES ARTÍSTICAS
A RAZÃO TEM SEMPRE CLIENTE
MIL E UM FILMES
AS IMAGENS PRIMEIRO
A DUPLA PERSONALIDADE
TRASH CINEMA TRASH
SUNSET BOULEVARD
CINEMA XUNGA


ARE YOU TALKIN' TO ME?
cinephilus@mail.pt


CRÍTICAS:
- A Armadilha
- A Arte De Pensar Negativamente
- A Árvore Da Vida
- A Balada de Jack And Rose
- A Bela E O Paparazzo
- A Boda
- À Boleia Pela Galáxia
- A Cabana Do Medo
- A Cela
- A Canção De Lisboa
- A Cara Que Mereces
- A Casa Dos 1000 Cadáveres
- A Casa Maldita
- A Cidade Dos Malditos
- A Ciência Dos Sonhos
- A Comunidade
- A Cor Do Dinheiro
- A Costa Dos Murmúrios
- A Criança
- A Dália Negra
- A Dama De Honor
- A Descida
- A Duquesa
- À Dúzia É Mais Barato
- A Encruzilhada
- A Estrada
- A Estranha Em Mim
- A Frieza Da Luz
- A Fúria Do Dragão
- A História De Uma Abelha
- A Honra Da Família
- A Janela (Maryalva Mix)
- A Lagoa Azul
- A Lenda Da Floresta
- A Liga Dos Cavalheiros Extraordinários
- A Lista De Schindler
- A Lojinha Dos Horrores
- A Mais Louca Odisseia No Espaço
- A Maldição Da Flor Dourada
- A Mansão
- A Maravilhosa Aventura De Charlie
- A Marcha Dos Pinguins
- A Máscara
- A Máscara De Cristal
- A Menina Jagoda No Supermercado
- A Minha Bela Lavandaria
- A Minha Vida Sem Mim
- A Morte Do Senhor Lazarescu
- A Mosca
- A Mulher Do Astronauta
- A Mulher Que Viveu Duas Vezes
- A Múmia
- A Noiva Cadáver
- A Noiva Estava De Luto
- A Origem
- A Outra Margem
- A Paixão De Cristo
- A Pele Onde Eu Vivo
- A Pequena Loja Dos Horrores
- A Prairie Home Companion - Bastidores Da Rádio
- A Presa
- À Procura Da Terra Do Nunca
- A Promessa
- À Prova De Morte
- A Rainha
- A Rai­nha Africana
- A Raiz Do Medo
- A Rapariga Santa
- A Rede Social
- A Religiosa Portuguesa
- A Ressaca
- A Residencial Espanhola
- A Sangue Frio
- A Secretária
- A Semente Do Diabo
- A Senhora Da Água
- A Severa
- A Sombra Do Caçador
- A Sombra Do Samurai
- A Tempestade No Meu Coração
- A Tempo E Horas
- A Torre Do Inferno
- A Turma
- A Última Famel
- A Última Tentação De Cristo
- A Valsa Com Bashir
- A Verdadeira História De Jack, O Estripador
- A Viagem De Chihiro
- A Viagem De Iszka
- A Vida De Brian
- A Vida É Um Jogo
- A Vida É Um Milagre
- A Vida Em Directo
- A Vida Secreta Das Palavras
- A Vila
- A Vítima Do Medo
- A Vizinha Do Lado
- A Volta Ao Mundo Em 80 Dias
- Aberto Até De Madrugada
- Abraços Desfeitos
- Acção Total
- Aconteceu No Oeste
- Across The Universe
- Actividade Paranormal
- Acusado
- Adam Renascido
- Admitido
- Adriana
- Aelita
- Ágora
- Água Aos Elefantes
- Air Guitar Nation
- Albert, O Gordo
- Aldeia Da Roupa Branca
- Alice
- Alice In Acidland
- Alice No País Das Maravilhas
- Alien - O Oitavo Passageiro
- Aliens - O Reencontro Final
- Alien - A Desforra
- Alien - O Regresso
- Alien Vs. Predador
- Alien Autopsy
- Alma Em Paz
- Almoço De 15 De Agosto
- Alphaville
- Alta Fidelidade
- Alta Golpada
- Alta Tensão
- Alucinação
- Amália
- Amarcord
- American Movie
- American Splendor
- Amor À Queima-Roupa
- Amor De Verão
- Amor E Corridas
- Amor E Vacas
- Amor Em Las Vegas
- Amor Ou Consequência
- And Soon The Darkness
- Angel-A
- Animal
- Annie Hall
- Anónimo
- Antes Do Anoitecer
- Antes Que O Diabo Saiba Que Morreste
- Anticristo
- Anvil! The True Story of Anvil
- Anytinhig Else - A Vida E Tudo Mais
- Appaloosa
- Apocalypto
- Aquele Querido Mês De Agosto
- Aracnofobia
- Aragami
- Arizona Dream
- Armin
- Arséne Lupin - O Ladrão Sedutor
- As Asas Do Desejo
- As Aventuras De Jack Burton Nas Garras Do Mandarim
- As Aventuras De Tintim - O Segredo Do Licorne
- As Aventuras Do Príncipe Achmed
- As Bandeiras Dos Nossos Pais
- As Bonecas Russas
- As Canções De Amor
- As Crónicas De Narnia - O Leão, A Feiticeira E O Guarda-Roupa
- As Diabólicas
- As Ervas Daninhas
- As Invasões Bárbaras
- As Lágrimas Do Tigre Negro
- As Leis Da Atracção
- As Noites Loucas Do Dr. Jerryll
- As Penas Do Desejo
- As Tartarugas Também Voam
- As Vidas Dos Outros
- Aberto Até De Madrugada
- Assalto À Esquadra 13 (1976)
- Assalto À Esquadra 13 (2005)
- Assalto Ao Santa Maria
- Assassinos Natos
- Ata-me
- Até Ao Inferno
- Até Ao Limite Do Terror
- Atraídos Pelo Crime
- Através Da Noite
- Attack Of The 50 Foot Woman
- Aurora
- Austrália
- Autocarro 174
- Avatar
- Aviva, Meu Amor
- Aztec Rex
- Azul Metálico

- Babel
- Backbeat, Geração Inquieta
- Balas E Bolinhos - O Regresso
- Balbúrdia No Oeste
- Bando À Parte
- Baraka
- Barbarella
- Barreira Invisí­vel
- Batman
- Batman Regressa
- Batman - O Início
- Be Cool
- Beijing Bastards
- Belleville Rendez-Vouz
- Bem-vindo À Zombieland
- Bem-vindo Ao Norte
- Berlin 36
- Birth - O Mistério
- Biutiful
- Black Sheep
- Black Snake Moan - A Redenção
- Blade Runner - Perigo Iminente
- Blueberry
- Boa Noite E Boa Sorte
- Bobby Darin - O Amor É Eterno
- Body Rice
- Bombom
- Bom Dia Noite
- Bom Dia Vietnam
- Bonnie E Clyde
- Boogie Nights
- Borat
- Brasil - O Outro Lado Do Sonho
- Breakfast On Pluto
- Brincadeiras Perigosas (2007)
- Brisa De Mudança
- Bronson
- Bruce, O Todo-poderoso
- Bruiser - O Rosto Da Vingança
- Bruno
- Buffalo 66
- Bubba Ho-Tep
- Bullit
- Bunker Palace Hotel
- Buried
- Busca Implacável
- Bz, Viagem Alucinante

- Cadillac Records
- Cães Danados
- Cães De Palha
- Café E Cigarros
- Call Girl
- Camino
- Capitão Alatriste
- Capitão América - O Primeiro Vingador
- Capote
- Carrie
- Cartas Ao Padre Jacob
- Cartas De Iwo Jima
- Casa De Loucos
- Casablanca
- Casino Royale
- Catwoman
- Cavalo De Guerra
- Cemitério Vivo
- Censurado
- Centurion
- Charlie E A Fábrica De Chocolate
- Che - Guerrilha
- Che - O Argentino
- Chemical Wedding
- Chéri
- Chinatown
- Chocolate
- Choke - Asfixia
- Chovem Almôndegas
- Christine - O Carro Assassino
- Cidade Fria
- Cinco Dias, Cinco Noites
- Cinema Paraíso
- Cinerama
- Cisne Negro
- Clube De Combate
- Coco Avant Chanel
- Coisa Ruim
- Cold Mountain
- Cold Weather
- Colete De Forças
- Colisão
- Com Outra? Nem Morta!
- Comboios Rigorosamente Vigiados
- Comer Orar Amar
- Complexo - Universo Paralelo
- Conan, O Bárbaro
- Contrato
- Control
- Controle
- Coração De Cavaleiro
- Coração De Gelo
- Coração Selvagem
- Corações De Aço
- Coragem De Mãe: Confrontando O Autismo
- Corre Lola Corre
- Correio De Risco
- Correio De Risco 3
- Corrida Contra O Futuro
- Corrupção
- Cozinhando A História
- Crank - Veneno No Sangue
- Crank - Alta Voltagem
- Cremaster
- Crime Ferpeito
- Crippled Masters
- Cristóvão Colombo - O Enigma
- Crónica Dos Bons Malandros
- Crueldade Intolerável
- Cubo
- Culture Boy
- Cypher
- Cyrano de Bergerac (1950)

- Daisy Town
- Dallas
- Danny The Dog - Força Destruidora
- Daqui P'ra Frente
- Dark City - Cidade Misteriosa
- De Cabeça Para Baixo
- De Homem Para Homem
- De Olhos Abertos
- De Olhos Bem Fechados
- De Sepultura Em Sepultura
- De Tanto Bater O Meu Coração Parou
- De-Lovely
- Delhi Belly
- Dead Snow
- Death Race 2000
- Deixa-me Entrar
- Delicatessen
- Demolidor - O Homem Sem Medo
- Dentro Da Garganta Funda
- Depois Do Casamento
- Destruir Depois De Ler
- Diamante De Sangue
- Diário Dos Mortos
- Diários De Che Guevara
- Dias De Futebol
- Dick E Jane - Ladrões Sem Jeito
- Dictado
- Die Hard 4.0 - Viver Ou Morrer
- Die You Zombie Bastards!
- Dogma
- Domino
- Don Juan DeMarco
- Donnie Brasco
- Doom - Sobrevivência
- Doomsday - Juízo Final
- Dorian Gray
- Dot.Com
- Dr. Estranhoamor
- Drácula 2001
- Drácula De Bram Stoker
- Drive - Risco Duplo
- Dreamgirls
- Duas Mulheres

- É Na Terra Não É Na Lua
- Easy A
- Easy Rider
- Eduardo Mãos De Tesoura
- Efeito Borboleta
- El Mariachi
- El Topo
- Ela Odeia-me
- Eles
- Eles Vivem
- Elvis
- Em Bruges
- Em Busca Da Felicidade
- Em Carne Viva
- Em Liberdade
- Em Nome De Caim
- Em Nome De Deus
- Em Paris
- Em Privado
- Embargo
- Encarnação Do Demónio
- Encontros Em Nova Iorque
- Encrenca Dupla
- Encurralada
- Ensaio Sobre A Cegueira
- Enterrado Na Areia
- Entre Os Dedos
- Entrevista
- Equilibrium
- Era Uma Vez No México
- Eraserhead - No Céu Tudo É Perfeito
- Escola De Criminosos
- Escolha Mortal
- Esporas De Aço
- Estado De Guerra
- Estamos Vivos
- Este É O Meu Lugar
- Este País Não É Para Velhos
- Estômago
- Estrada Perdida
- Estranhos
- Estrellita
- Eu Amo-te Phillip Morris
- Eu, Peter Sellers
- Eu Sou A Lenda
- Eu Sou Evadido
- Eu, Tu E Todos Os Que Conhecemos
- Everything Must Go
- Evil Dead - A Noite Dos Mortos-Vivos
- Evil Dead 2 - A Morte Chega De Madrugada
- Evil Dead 3 - O Exército Das Trevas
- Ex-Drummer
- Exterminador Implacável 1
- Exterminador Implacável 2 - O Dia Do Julgamento Final
- Exterminador Implacável 3 - Ascensão Das Máquinas
- Exterminador Implacável 4 - A Salvação

- Factory Girl - Quando Edie Conheceu Warhol
- Factotum
- Fados
- Fahrenheit 9/11
- Falso Alarme
- Fando E Lis
- Fantasmas De Marte
- Fargo
- Faster, Pussycat! Kill! Kill!
- Fausto 5.0
- Favores Em Cadeia
- Felicidade
- Feliz Natal
- Férias No Harém
- Festival Rocky De Terror
- Ficheiros Secretos: Quero Acreditar
- Fim De Ano Em Split
- Fim-De-Semana Alucinante
- Final Cut - A Última Memória
- Fish Tank
- Florbela
- Flores Partidas
- Fome
- Footloose - A Música Está Do Teu Lado
- Força Delta
- Forrest Gump
- Freddy Vs. Jason
- Frenético
- Frida
- Frost/Nixon
- Fruto Proibido
- Fuga De Los Angeles
- Fuga Para A Vitória
- Fur - Um Retrato Imaginário De Diane Arbus
- Fúria Cega
- Fúria De Viver
- Fúria Silenciosa

- Gabrielle
- Gainsbourg - Vida Heróica
- Gang Dos Tubarões
- Gangs de Nova Iorque
- Garden State
- Génova
- GI Joe - O Ataque Dos Cobra
- Godzilla
- Goodbye Lenine!
- Gosford Park
- Gothika
- Gran Torino
- Grande Mundo Do Som
- Gremlins
- Grizzly Man
- Gru - O Maldisposto
- Guerra Dos Mundos (2005)
- Guerra Dos Mundos (1953)

- Há Lodo No Cais
- Hairspray
- Half Nelson - Encurralados
- Hard Candy
- Harley Davidson E O Cowboy Do Asfalto
- Harold E Maude
- Harry Brown
- Haverá Sangue
- Hawai Azul
- He-Man - Mestres Do Universo
- Head On - A Esposa Turca
- Heartbreak Hotel
- Hell Ride
- Hellboy
- Hellboy 2: O Exército Dourado
- Helter Skelter - O Caso De Sharon Tate
- Henry E June
- Hereafter - Outra Vida
- Hiena
- História De Duas Irmãs
- História De Um Fotógrafo
- Hobo With A Shotgunbr> - Hollywood Ending
- Homem Aranha
- Homem Aranha 2
- Homem Aranha 3
- Homem De Ferro
- Homem Demolidor
- Homem Em Fúria
- Homens De Negro
- Homens De Negro 2
- Homens Que Matam Cabras Só Com O Olhar
- Hostel
- Hostel 2
- Hot Fuzz - Esquadrão De Província
- Howl - Grito
- Hugo

- I Am Sam - A Força Do Amor
- I Spit On Your Grave
- I'll See You In My Dreams
- Iluminados Pelo Fogo
- I'm Still Here
- I Wanna Hold Your Hand
- Imitação Da Vida
- Imortal
- In Search Of A Midnight Kiss
- Indiana Jones E O Reino Da Caveira De Cristal
- Indomável
- Infiltrado
- Inimigos Públicos
- INLAND EMPIRE
- Inquietos
- Insidioso
- Insónia
- Intervenção Divina
- Intriga Internacional
- Invictus
- Irmão, Onde Estás?
- It
- It Might Get Loud
- Italian Spiderman

- Jack Ketchum's The Girl Next Door
- Jackass 2
- Jackass 3D
- Jackie Brown
- Jacuzzi - O Desastre Do Tempo
- James Bond - Agente Secreto
- James Bond - Casino Royale
- James Bond - Quantum Of Solace
- Janela Indiscreta (1954)
- Janela Indiscreta (1998)
- Janela Secreta
- JCVD
- Joga Como Beckham
- John Rambo
- Jonestown - The Life And Death Of Peoples Temple
- Jovens Rebeldes - A Verdadeira História
- Julgamento
- Julie E Julia
- Juno
- Juventude Em Marcha
- Juventude Tardia

- Kalifórnia
- Kandahar
- Karate Kid
- Katyn
- Kenny
- Kick Ass - O Novo Super-herói
- Kids - Miúdos
- Kill Bill vol.2
- King Kong (2005)
- Kiss Kiss Bang Bang
- Kiss Me
- Klimt
- Kopps
- Kung-Fu-Zão
- Kung Pow - Punhos Loucos

- La Jetée
- La Vie En Rose
- Ladrões
- Lady Snowblood
- Laranja Mecânica
- Last Days - Os Últimos Dias
- Lavado Em Lágrimas
- Lemmy
- Léon, O Profissional
- Lichter
- Lindas Encrencas As Garotas
- Lobos
- Longe Da Terra Queimada
- Lost In Translation - O Amor É Um Lugar Estranho
- Lua De Mel, Lua De Fel
- Lucifer Rising
- Lucky Luke
- Lucky Number Slevin - Há Dias De Azar

- M - Matou!
- Má Educação
- Machete
- Madrigal
- Maldito United
- Mamma Mia
- Manhattan
- Manô
- Mamonas Pra Sempre
- Mar Adentro
- Maria E As Outras
- Marie Antoinette
- Marjoe
- Marte Ataca!
- Matança De Natal
- Match Point
- Matou A Família E Foi Ao Cinem
- McQuade, O Lobo Solitário
- Meia-Noite Em Paris
- Meio Metro De Pedra
- Melancolia
- Melinda E Melinda
- Menina
- Mephisto
- Metrópolis
- Meu Nome É Bruce
- Miami Vice
- Milhões
- Milk
- Millenium 1. Os Homens Que Odeiam As Mulheres
- Million Dollar Baby - Sonhos Vencidos
- Minha Mãe
- Minha Terra
- Misery - Capí­tulo Final
- Missão A Marte
- Missão Impossí­vel 3
- Missão Impossível - Missão Fantasma
- Missão Solar
- Mistérios De Lisboa
- Momentos Agradáveis
- Moneyball - Jogada De Risco
- Monsters - Zona Interdita
- Monstro
- Monty Phyton E O Cálice Sagradi
- Morte Cerebral
- Morte De Um Presidente
- Movimentos Perpétuos
- Mr. E Mrs. Smith
- Mrs. Henderson Presents
- Muito Bem, Obrigado
- Mulholland Drive
- Mundo Fantasma
- Mundos Separados
- Munique
- Murderball - Espírito De Combate
- Murish
- Mutilados
- Mysterious Skin

- Na Cama
- Nacho Libre
- Não Estou Aí
- Napoleon Dynamite
- Nas Costas Do Diabo
- Nas Nuvens
- Needle
- Nico: À Margem Da Lei
- Ninguém Sabe
- Nixon
- No Limite Do Amor
- No Vale De Elah
- Noite De Agosto
- Noite Escura
- Noivos Sangrentos
- Nome De Código: Cloverfield
- Northfork
- Nosferatu, O Vampiro
- Nothing
- Nova Iorque 1997
- Nove Raínhas
- Nunca Digas Sim

- O Acontecimento
- O Agente Da Broadway
- O Lugar Do Morto
- O Americano
- O Amor Acontece
- O Anjo Exterminador
- O Anti-Pai Natal
- O Artista
- O Assassínio De Jesse James Pelo Cobarde Robert Ford
- O Assassí­nio De Richard Nixon
- O Batedor
- O Bom Alemão
- O Bom, O Mau E O Vilão
- O Cabo Do Medo
- O Caminho De São Diego
- O Cão, O General E Os Pássaros
- O Capacete Dourado
- O Castelo Andante
- O Castor
- O Cavaleiro Das Trevas
- O China
- O Cobrador
- O Código Da Vinci
- O Comboio Dos Mortos
- O Comboio Mistério
- O Condenado
- O Couraçado Potemkin
- O Cowboy Da Meia-Noite
- O Crepúsculo Dos Deuses
- O Dedo De Deus
- O Delator!
- O Demónio
- O Despertar Da Besta
- O Despertar Da Mente
- O Deus Da Carnificina
- O Deus Elefante
- O Dia Em Que A Terra Parou (1951)
- O Dia Em Que A Terra Parou (2008)
- O Dia Da Besta
- O Discurso Do Rei
- O Enigma Do Espaço
- O Estranho Caso De Benjamin Button
- O Estranho Mundo De Jack
- O Evangelho Segundo São Mateus
- O Exorcista
- O Fatalista
- O Feiticeiro De Oz
- O Feitiço Do Tempo
- O Fiél Jardineiro
- O Gabinete Das Figuras De Cera
- O Gabinete Do Dr. Caligari
- O Gato Das Botas
- O Génio Do Mal (1976)
- O Grande Peixe
- O Grande Ditador
- O Guerreiro
- O Homem Duplo
- O Homem Que Copiava
- O Homem Que Sabia Demasiado
- O Homem Que Veio Do Futuro
- O Idealista
- O Jogo
- O Júri
- O Imperador Da Califórnia
- O Inquilino
- O Justiceiro Da Noite
- O Labirinto Do Fauno
- O Laço Branco
- O Lado Selvagem
- O Lago Perfeito
- O Leopardo
- O Livro Negro
- O Lobo Do Mar
- O Macaco De Ferro
- O Maquinista
- O Marinheiro De Água Doce
- O Menino De Ouro
- O Meu Tio
- O Milagre De Berna
- O Milagre Segundo Salomé
- O Mistério Galindez
- O Monstro Da Lagoa Negra
- O Mundo A Seus Pés
- O Nevoeiro (1980)
- O Ofício De Matar
- O Olho
- O Orfanato
- O Paciente Inglês
- O Padrinho - Parte I
- O Padrinho - Parte II
- O Padrinho - Parte III
- O Panda Do Kung Fu
- O Panda Do Kung Fu 2
- O Pesadelo De Darwin
- O Pistoleiro Do Diabo
- O Planeta Selvagem
- O Pó Dos Tempos
- O Portador Da Espada
- O Presidiário
- O Prisioneiro Do Rock
- O Protegido
- O Próximo A Abater
- O Quinto Elemento
- O Quinto Império
- O Regresso
- O Rei Dos Gazeteiros
- O Reino Proibido
- O Ritual
- O Ritual Dos Sádicos
- O Sabor Do Amor
- O Sargento Da Força Um
- O Segredo A Brokeback Mountain
- O Segredo De Um Cuscuz
- O Segredo Dos Punhais Voadores
- O Selvagem
- O Sentido Da Vida
- O Sétimo Selo
- O Sítio Das Coisas Selvagens
- O Sonho Comanda A Vida
- O Sonho De Cassandra
- O Sorriso De Mona Lisa
- O Tempo Do Lobo
- O Tesouro Da Sierra Madre
- O Tigre E A Neve
- O Tio Boonmee Que Se Lembra Das Suas Vidas Anteriores
- O Triunfo Da Vontade
- O Turista
- O Último Airbender
- O Último Grande Herói
- O Último Rei Da Escócia
- O Último Tango Em Paris
- O Último Voo Do Flamingo
- O Vingador Tóxico
- O Wrestler
- Ocean's Eleven - Façam As Vossas Apostas
- Odete
- Oldboy - Velho Amigo
- Olho Mágico
- Oliver Twist
- Ônibus 174
- Orca
- Órfã
- Os Amantes Regulares
- Os Amigos De Alex
- Os Bons E Os Maus
- Os Caça-Fantasmas
- Os Cavaleiros Do Asfalto
- Os Chapéus De Chuva De Cherburgo
- Os Cinco Venenos
- Os Clãs Da Intriga
- Os Condenados De Shawshank
- Os Descendentes
- Os Edukadores
- Os Famosos E Os Duendes Da Morte
- Os Filhos Do Homem
- Os Friedmans
- Os Guardiões Da Noite
- Os Homens Preferem As Loiras
- Os Imortais
- Os Inadaptados
- Os Índios Apache
- Os Invisíveis
- Os Irmãos Grimm
- Os Limites Do Controlo
- Os Marginais
- Os Mercenários
- Os Miúdos Estão Bem
- Os Novos Dez Mandamentos
- Os Olhos Da Serpente
- Os Olhos Sem Rosto
- Os Onze De Oceano
- Os Optimistas
- Os Pássaros
- Os Produtores (2005)
- Os Psico-Detectives
- Os Rapazes Da Noite
- Os Rapazes Não Choram
- Os Renegados Do Diabo
- Os Rutles - All You Need Is Cash
- Os Selvagens Da Noite
- Os Simpsons - O Filme
- Os Sonhadores
- Os Sorrisos Do Destino
- Os Super-Heróis
- Os Supeitos Do Costume
- Os Três Enterros De Um Homem
-Os Visistantes Da Idade Média
- Os 300 Espartanos

- Pagafantas
- Palpitações
- Papillon
- Para Onde O Vento Sopra
- Parada De Monstros
- Paraíso, Inferno... Terra
- Paranoid Park
- Paris Je T'Aime
- Party Monster
- Pecados Íntimos
- Pele
- Pequenas Mentiras Entre Amigos
- Performance
- Perigo Na Noite
- Perto Demais
- Pesadelo Em Elm Street
- Pink Floyd The Wall
- Piranha 3D
- Piratas Das Caraíbas - O Mistério do Pérola Negra
- Piratas Das Caraí­bas - O Cofre Do Homem Morto
- Piratas Das Caraíbas - Nos Confins Do Mundo
- Planeta Dos Macacos
- Planeta Dos Macacos: A Origem
- Planeta Terror
- Plano 9 Dos Vampiros Zombies
- Polaróides Urbanas
- Polí­cia Sem Lei (1992)
- Polícia Sem Lei (2009)
- Poltergeist, O Fenómeno
- Ponto De Mira
- Por Favor Rebobine
- Por Favor Não Me Morda O Pescoço
- Porcos & Selvagens
- Posto Fronteiriço
- Precious
- Predadores
- Presente De Morte
- Preto E Branco
- Primer
- Príncipe Da Pérsia - As Areias Do Tempo
- Procurado
- Profissão: Repórter
- Promessas Proibidas
- Proposta Indecente
- Proteger
- Psico
- Psicopata Americano
- Pulp Fiction
- Pulsação Zero
- Punch-Drunk Love - Embriagado De Amor
- Purana Mandir
- Purple Rain

- Quando Viste O Teu Pai Pela Última Vez
- Quarentena
- Quarteto Fantástico (1994)
- Quarteto Fantástico (2005)
- Quase Famosos
- Quatro Noites Com Anna
- Que Lugar Maravilhoso
- Que Se Mueran Los Feos
- Queijo E Marmelada
- Quem Quer Ser Bilionário
- Querida Famí­lia
- Querida Wendy

- R
- Rapariga Com Brinco De Pérola
- Rare Exports
- Ratatui
- Ratos Assassinos
- Ray
- [Rec]
- [REC]2
- Red Eye
- Relatório Kinsey
- Relatório Minoritário
- Religulous - Que O Céu Nos Ajude
- Relíquia Macabra
- Renascimento
- Resident Evil: Apocalypse
- Rio
- Rio Bravo
- Rock De Fogo
- Rock, Rock, Rock
- Rocknrolla - A Quadrilha
- Rocky Balboa
- Roger E Eu
- Roma
- Romance E Cigarros
- Roxanne
- RRRrrrr!!!
- Rubber - Pneu
- Ruídos Do Além
- Ruivas, Loiras E Morenas
- Rumo À Liberdade
- Ruptura Explosiva

- Sacanas Sem Lei
- Sala De Pânico
- Salazar - A Vida Privada
- Salto Mortal
- Samsara
- Sangue Do Meu Sangue
- Sangue Por Sangue
- Santa Sangre
- Sapatos Pretos
- Save The Green Planet!
- Saw - Enigma Mortal
- Saw II - A Experiência Do Medo
- Saw 3D - O Capítulo Final
- Scoop
- Scott Pilgrim Contra O Mundo
- Seconds Apart
- Seis Indomáveis Patifes
- Sem Ela
- Sem Limites
- Sem Rumo
- Sem Tempo
- Semi-Pro
- Ser E Ter
- Sereia
- Serpentes A Bordo
- Sete Anos No Tibete
- Sete Vidas
- Sexo E A Cidade
- Sgt. Pepper's Lonely Heart Club Band
- Shaolin Daredevils
- Shaolin Soccer - O Ás Da Bola
- Shaolin Vs. Evil Dead
- Shattered Glass - Verdade Ou Mentira
- Sherlock Holmes
- Sherlock Holmes - Jogo De Sombras
- Shining
- Shoot 'Em Up - Atirar A Matar
- Shortbus
- Shrek 2
- Shrek O Terceiro
- Shrek Para Sempre
- Sicko
- Sid And Nancy
- Sideways
- Simpatyhy For Mr. Vengeance
- Sin City - Cidade Do Pecado
- Sinais
- Sinais De Fogo
- Sinais Do Futuro
- Sinais Vermelhos
- Singularidades De Uma Rapariga Loira
- Sky Captain E O Mundo De Amanhã
- Slither - Os Invasores
- Soldados Da Fortuna
- Soldados Do Universo
- Sombras Da Escuridão
- Somewhere - Algures
- Sonho De Uma Noite De Inverno
- Sonny
- Sophie Scholl - Os Últimos Dias
- Soro Maléfico
- Sorte Nula
- Soul Kitchen
- Spartacus
- Spartan - O Rapto
- Splice
- Stacy - Attack Of The Schoolgirl Zombies
- Star Wars - A Ameaça Fantasma
- Star Wars - A Vingança Dos Sith
- Star Wars - O Ataque Dos Clones
- Stardust - O Mistério Da Estrela Cadente
- Stone - Ninguém É Inocente
- Stoned, Anos Loucos
- Submarino
- Super
- Super Baldas
- Super-Homem
- Super-Homem: O Regresso
- Super 8
- Superstar
- Suspeita
- Suspiria
- Sweeney Todd: O Terrível Barbeiro De Fleet Street
- Swimming Pool
- Sword Of Vengeance
- Sympathy For The Devil

- Taking Woodstock
- Tarnation
- Tarzan, O Homem Macaco (1981)
- Taxidermia
- Team America - Polí­cia Mundial
- Tebas
- Tecumseh
- Teeth
- Tempestade Tropical
- Tennessee
- Terra De Cegos
- Terminal De Aeroporto
- Terra Dos Mortos
- Terror Em Setembro
- Terror Na Auto-estrada
- Terror Nas Montanhas
- Tetro
- The Bloodstained Butterfly
- The Brown Bunny
- The Darjeeling Limited
- The Departed: Entre Inimigos
- The Devil And Daniel Johnston - Loucuras De Um Génio
- The Devil's Double
- The First Great Train Robbery
- The Fountain - O Último Capítulo
- The Grudge - A Maldição
- The Host - A Criatura
- The Impossible Kid
- The King Of Kong
- The Langoliers - Meia-Noite E Um
- The Last House On The Left
- The Machine Girl
- The Man From Earth
- The Marine
- The Million Dollar Hotel - O Hotel
- The Mindscape Of Alan Moore
- The Mist - Nevoeiro Misterioso
- The Others - Os Outros
- The Prestige - O Terceiro Passo
- The 50 Worst Movies Ever Made
- The Way
- The Woman
- Thirst - Este É O Meu Sangue
- This Is It
- This Is Spinal Tap
- Thor
- Thriller - A Cruel Picture
- THX 1138
- Tirar Vidas
- Titanic 2
- Tony
- Tournée - Em Digressão
- Toy Story 3
- Tragam-me A Cabeça De Alfredo Garcia
- Transamerica
- Tron
- Tron: O Legado
- Tropa De Elite
- Tropa De Elite 2 - O Inimigo Agora É Outro
- Tsotsi
- Tubarão
- Tubarão 2
- Tubarão 3
- Tubarão IV - A Vingança
- Tucker E Dale Contra O Mal
- Tudo Ficará Bem
- Tudo Pode Dar Certo
- Twisted - Homicídios Ocultos

- Ultra Secreto
- Um Amor De Perdição
- Um Azar Do Caraças
- Um Bater De Corações
- Um Belo Par... De Patins
- Um Cão Andaluz
- Um Dia A Casa Vai Abaixo
- Um Dia De Raiva
- Um Homem Singular
- Um Longo Domingo De Noivado
- Um Lugar Para Viver
- Um Padrasto Para Esquecer
- Um Profeta
- Um Tiro No Escuro
- Um Trabalho Em Itália
- Uma Aventura Na Casa Assombrada
- Uma Boa Mulher
- Uma Canção De Amor
- Uma Espécie De Cavalheiro
- Uma Famí­lia À Beira De Um Ataque De Nervos
- Uma História De Violência
- Uma Pequena Vingança
- Uma Rapariga Com Sorte
- Uma Segunda Juventude
- Uma Segunda Vida
- Undefeatable
- Unseen Evil 2 - Alien 3000
- Up - Altamente

- V De Vingança
- Vai E Vive
- Vais Conhecer O Homem Dos Teus Sonhos
- Valhalla Rising - Destino De Sangue
- Valquíria
- Vampiros de John Carpenter
- Van Helsing
- Vanilla Sky
- Vanitas
- Vasilhame
- Veio Do Outro Mundo
- Veludo Azul
- Velvet Goldmine
- Vencidos Pela Lei
- Vendendo A Pele
- Veneno Cura
- Vera Drake
- Versus - A Ressurreição
- Vestida Para Matar
- Vice
- Vício - Quando Nada É Suficiente
- Vicky Cristina Barcelona
- Vidas Sombrias
- Vigilância
- Vingança Redentora
- Virgem Aos 40 Anos
- Vitus
- Viúva Rica Solteira Não Fica
- Viver A Sua Vida
- Voando Sobre Um Ninho De Cucos
- Voltando Para Casa
- Voltar
- Vontade Indómita
- Voo 93

- Walk Hard - A História De Dewey Cox
- Walk The Line
- WALL-E
- Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme
- Wassup Rockers - Desafios De Rua
- Watchmen - Os Guardiões
- Welcome To The Rileys
- White Irish Drunkers
- Wild Zero
- Win Win
- Wolf Creek
- Wristcutters: A Love Story

- X-Men
- X-Men 2
- X-Men 3 - O Confronto Final
- X-Men: O Início
- X-Men Origens: Wolverine

- Zack E Miri Fazem Um Porno
- Zardoz
- Zatoichi
- Zombies Party - Uma Noite... De Morte
- Zombies Strippers
- Zozo

- 007 - Agente Secreto
- 007 - Casino Royale
- 007 - Quantum Of Solace
- 10 Coisas Que Odeio Em Ti
- 100 Volta
- 10.000 AC
- 12 Homens Em Fúria
- 12 Macacos
- 12:08 A Este De Bucareste
- 1984
- 2LDK
- 24 Hour Party People
- 28 Dias Depois
- 20,13 - Purgatório
- 2012
- 300
- 4 Copas
- 48
- 50/50
- 6=0 Homeostética
- 8 1/2
- 9 Canções
- 98 Octanas


ENTREVISTAS:
- Fernando Fragata
- Festróia - Mário Ventura
- Filipe Melo
- Good N Evil
- IMAGO - Sérgio Felizardo
- José Barahona
- Nuno Markl
- Paulo Furtado
- Rodrigo Areias
- Sara David Lopes
- Solveig Nordlund
- Fernando Alle


TOPES:
- Top 8 dos Melhores Filmes de 2011
- Top 5 dos Piores Filmes de 2011
- Top 10 dos Melhores Filmes de 2010
- Top 5 dos Piores Filmes de 2010
- Top 5 dos filmes de Leslie Nielsen
- Top 10 Dos Filmes Low Cost
- Top 5 das Melhores Cenas de Dança
- Top 8 dos Melhores Filmes de 2009
- Top 5 dos Piores Filmes de 2009
- Top 5 dos Filmes Que Tenho Vergonha De Dizer Que Gosto
- Top 5 das Melhores Músicas de Ennio Morricone
- Top 5 dos filmes com Patrick Swayze
- Top 5 dos Telediscos do Michael Jackson
- Top 5 dos Filmes com David Carradine
- Top 5 dos Filmes com Lutadores de Luta-Livre
- Top 10 Os Melhores Filmes de 2008
- Top 5 Os Piores Filmes de 2008
- Top 5 dos Piores Filmes de Natal
- Top 5 das Coisas que não Esperávamos Ver no Cinema
- Top 5 dos Melhores Filmes de Paul Newman
- Top 5 Personagens Com Palas Nos Olhos
- Top 10 Melhores Cartazes De Cinema
- Top 5 dos Filmes de Chuck Norris
- Top 5 dos Filmes de Patrick Swayze
- Top 10 Os Melhores/Piores Vestidos dos Oscares
- Top 5 As Mortes de Crianças Mais Gratuitas
- Top 10 Os Melhores de 2007
- Top 5 Os Piores de 2007
- Top 7 Adaptações ao Cinema de Livros de Stephen King
- Top 5 Filmes Pela Paz
- Top 5 Os Melhores Beijos
- Top 5 Grandes Arquitectos
- Top 10 Filmes Que Mudaram A Minha Vida
- Top 5 Mulheres de Cabeça Rapada
- Top 5 As Cenas Mais Excitantes
- Top 10 Os Melhores de 2006
- Top 5 Os Piores de 2006
- Top 3 Filmes de Robert Altman
- Top 5 Os Vilões do Cinema
- Top 5 Filmes Com Mick Jagger
- Top 5 Filmes Com Steve Buscemi
- Top 5 Dos Cães no Cinema
- Top 5 Dos Filmes do Indie06
- Top 5 Dos Filmes do Fantas06
- Top 5 dos Presidentes
- Top 10 Os Melhores de 2005
- Top 5 Os Piores de 2005
- Top 5 Filmes com Pat Morita
- Top 10 Os Melhores Filmes Independentes
- Top 5 Os Piores Filmes da Saga Bond
- Top 5 Filmes com Dolph Lundgren
- Top 5 Adaptações de BD Para Cinema
- Top 10 Cenas Mais Assustadoras de Sempre
- Top 5 Vencedores do Óscar
- Top 5 Bond Girls
- Top 5 Filmes Sobre Doenças
- Top 5 Filmes de Natal
- Top 5 Melhores Batalhas Corpo-A-Corpo
- Top 10 Melhores Canções do Cinema
- Top 10 Melhores Filmes de Sempre
- Top 5 Melhores Momentos Musicais
- Top 5 Grandes Duelos do Cinema
- Top 10 Maiores Personagens do Cinema
- Top 5 Piores Momentos da Ficção Cientí­fica
- Top 10 Melhores Momentos da Ficção Cientí­fica
- Top 5 Filmes Religiosos


BAÚ DO TRASH:
- Needle
- Que Se Mueran Los Feos
- Easy A
- Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme
- Saw 3D - O Capítulo Final
- And Soon The Darkness
- Os Imortais
- Purana Mandir
- Pagafantas
- The Bloodstained Butterfly
- Cisne Negro


ROYALE WITH CHEESE APRESENTA:
- A Tasca Da Cultura
- A Causa Das Coisas - parte I
- A Causa Das Coisas - parte II
- A Momentary Lapse Of Reason


FILMES A VER ANTES DE MORRER:
- #1 As Lágrimas Do Tigre Negro
- #2 Alucarda
- #3 Time Enough At Last
- #4 Armageddon
- #5 The Favour, The Watch And The Very Big Fish
- #6 Italian Spiderman
- #7 The Soldier And Death


UMA CURTA POR DIA NÃO SABE O BEM QUE LHE FAZIA:
- 1# Rabbit, de Run Wrake
- 2# Aligato, de Maka Sidibé
- 3# The Cat Concerto, de Joseph Barbera & William Hanna
- 4# A Curva, de David Rebordão
- 5# Batman: Dead End, de Sandy Callora
- 6# O Código Tarantino, de Selton Mello
- 7# Malus, de António Aleixo & Crosswalk, de Telmo Martins
- 8# Three Blind Mice, de George Dunning
- 9# Bedhead, de Robert Rodriguez
- 10# Key To Reserva, de Martin Scorcese
- 11# Bambi Meets Godzilla, de Marv Newland
- 12# The Horribly Slow Murderer with the Extremely Inefficient Weapon, de Richard Gale
- 13# Stolz Der Nation, de Eli Roth
- 14# Papá Wrestling, de Fernando Alle
- 15# Glas, de Bert Haanstra
- 16# Fotoromanza, de Michelangelo Antonioni
- 17# Quem É Ricardo?, de José Barahona
- 17# Terra Incognita, de Peter Volkart


AS MELHORES PIORES CENAS DE SEMPRE:
- A Pior Luta
- A Cena Mais Metida A Martelo
- O Ataque Animal Mais Brutal
- A Perseguição Mais Alucinante
- O Duelo Mais Improvável


CLUBE DE CINEMA DE SETÚBAL:
- Janeiro
- Fevereiro
- Março
- Abril
- Maio
- Setembro
- Novembro


FESTIVAIS:
- 20º Festróia
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9
- 21º Festróia
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- 22º Festróia
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10
- 23º Festróia
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10
- 24º Festróia
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- 26º Festróia
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- 12º Caminhos Do Cinema Português
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- Imago 2006
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8

;

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket



BLOCKBUSTERS:

04/01/2004 - 05/01/2004

05/01/2004 - 06/01/2004

06/01/2004 - 07/01/2004

07/01/2004 - 08/01/2004

08/01/2004 - 09/01/2004

09/01/2004 - 10/01/2004

10/01/2004 - 11/01/2004

11/01/2004 - 12/01/2004

12/01/2004 - 01/01/2005

01/01/2005 - 02/01/2005

02/01/2005 - 03/01/2005

03/01/2005 - 04/01/2005

04/01/2005 - 05/01/2005

05/01/2005 - 06/01/2005

06/01/2005 - 07/01/2005

07/01/2005 - 08/01/2005

08/01/2005 - 09/01/2005

09/01/2005 - 10/01/2005

10/01/2005 - 11/01/2005

11/01/2005 - 12/01/2005

12/01/2005 - 01/01/2006

01/01/2006 - 02/01/2006

02/01/2006 - 03/01/2006

03/01/2006 - 04/01/2006

04/01/2006 - 05/01/2006

05/01/2006 - 06/01/2006

06/01/2006 - 07/01/2006

07/01/2006 - 08/01/2006

08/01/2006 - 09/01/2006

09/01/2006 - 10/01/2006

10/01/2006 - 11/01/2006

11/01/2006 - 12/01/2006

12/01/2006 - 01/01/2007

01/01/2007 - 02/01/2007

02/01/2007 - 03/01/2007

03/01/2007 - 04/01/2007

04/01/2007 - 05/01/2007

05/01/2007 - 06/01/2007

06/01/2007 - 07/01/2007

07/01/2007 - 08/01/2007

08/01/2007 - 09/01/2007

09/01/2007 - 10/01/2007

10/01/2007 - 11/01/2007

11/01/2007 - 12/01/2007

12/01/2007 - 01/01/2008

01/01/2008 - 02/01/2008

02/01/2008 - 03/01/2008

03/01/2008 - 04/01/2008

04/01/2008 - 05/01/2008

05/01/2008 - 06/01/2008

06/01/2008 - 07/01/2008

07/01/2008 - 08/01/2008

08/01/2008 - 09/01/2008

09/01/2008 - 10/01/2008

10/01/2008 - 11/01/2008

11/01/2008 - 12/01/2008

12/01/2008 - 01/01/2009

01/01/2009 - 02/01/2009

02/01/2009 - 03/01/2009

03/01/2009 - 04/01/2009

04/01/2009 - 05/01/2009

05/01/2009 - 06/01/2009

06/01/2009 - 07/01/2009

07/01/2009 - 08/01/2009

08/01/2009 - 09/01/2009

09/01/2009 - 10/01/2009

10/01/2009 - 11/01/2009

11/01/2009 - 12/01/2009

12/01/2009 - 01/01/2010

01/01/2010 - 02/01/2010

02/01/2010 - 03/01/2010

03/01/2010 - 04/01/2010

04/01/2010 - 05/01/2010

05/01/2010 - 06/01/2010

06/01/2010 - 07/01/2010

07/01/2010 - 08/01/2010

08/01/2010 - 09/01/2010

09/01/2010 - 10/01/2010

10/01/2010 - 11/01/2010

11/01/2010 - 12/01/2010

12/01/2010 - 01/01/2011

01/01/2011 - 02/01/2011

02/01/2011 - 03/01/2011

03/01/2011 - 04/01/2011

04/01/2011 - 05/01/2011

05/01/2011 - 06/01/2011

06/01/2011 - 07/01/2011

07/01/2011 - 08/01/2011

08/01/2011 - 09/01/2011

09/01/2011 - 10/01/2011

10/01/2011 - 11/01/2011

11/01/2011 - 12/01/2011

12/01/2011 - 01/01/2012

01/01/2012 - 02/01/2012

02/01/2012 - 03/01/2012

03/01/2012 - 04/01/2012

04/01/2012 - 05/01/2012

05/01/2012 - 06/01/2012

06/01/2012 - 07/01/2012

07/01/2012 - 08/01/2012

08/01/2012 - 09/01/2012

09/01/2012 - 10/01/2012

10/01/2012 - 11/01/2012

11/01/2012 - 12/01/2012

12/01/2012 - 01/01/2013

01/01/2013 - 02/01/2013

02/01/2013 - 03/01/2013

03/01/2013 - 04/01/2013

04/01/2013 - 05/01/2013

05/01/2013 - 06/01/2013

06/01/2013 - 07/01/2013

07/01/2013 - 08/01/2013

08/01/2013 - 09/01/2013

09/01/2013 - 10/01/2013

10/01/2013 - 11/01/2013

10/01/2013 - 11/01/2013

11/01/2013 - 12/01/2013

12/01/2013 - 01/01/2014

01/01/2014 - 02/01/2014

02/01/2014 - 03/01/2014

03/01/2014 - 04/01/2014

04/01/2014 - 05/01/2014

05/01/2014 - 06/01/2014

06/01/2014 - 07/01/2014

07/01/2014 - 08/01/2014

08/01/2014 - 09/01/2014