Royale With Cheese

 Royale With Cheese

 
 



terça-feira, setembro 30, 2008  

AS DIABÓLICAS:

Título: Les Diaboliques
Realizador: Henri-Georges Clouzot
Ano: 1955


Reza a história que Alfred Hitchcock só não realizou este filme por um ligeiro atraso, uma vez que Henri-Georges Clouzot antecipou-se num mero par de horas e comprou primeiro os direitos do romance de Pierre Boileau e Thomas Narcejac. Anos mais tarde, o mestre vingou-se e realizou A Mulher Que Viveu Duas Vezes, também adaptado de um romance policial da dupla. Por isso, não é por acaso que se diz que As Diabólicas é um dos melhores filmes de Hitchock que não foram feitos por ele.

Antes de ter embarcado nos pseudo-intelectualismos da nouvelle vague, o cinema francês era bem profícuo em filmes macabros de terror. Aliás, Georges Méliès é o autor do primeiro filme de terro de sempre (alguém mencionou La Manoir Du Diable?). Por isso, As Diabólicas é um dos últimso exemplos dessa tradição que agora parece começar a renascer, colocando-se ao lado de Os Olhos Sem Rosto como um dos melhores exemplares do género.

Imaginem o homem mais ruim à face da Terra, um homem tão bera que a própria esposa até se tornou na melhor amiga da sua amante para poderem falar mal dele em conjunto. Esse homem é Michel Delassalle (Paul Meurisse), o rígido reitor de uma escola primária e um velhaco para as mulheres. A sua esposa, a frágil Christina (Véra Clouzot), e a sua amante, a emancipada Nicole (Simone Signoret), são as duas faces da mesma moeda, duas mulheres tão atingidas que já não têm sequer forças para se odiarem uma à outra. Por isso, vão-se unir num plano infalível para assassinar Michel, sem que ninguém descubra.

As Diabólicas é um thriller policial bem parecido com A Mulher Que Viveu Duas Vezes e com a sua essência fantasmática, que se tivesse sido feito nos Estados Unidos teria sido um film noir. É ainda um filme extremamente feminino, ou não fossem as protagonistas duas mulheres e logo bem diferentes uma da outra. O que Hitchcock teria gostado de realizar isto... À boa maneira do mestre, o crime de As Diabólicas desenvolve-se sempre por caminhos macabros e, claro, imprevistos, que vão descambar num mind-blowing twist final, que dá sabor à história, mas que é daquele tipo que se pensarmos bem nele chegamos à conclusão de tanta merda para isto? Mais valia terem-lhe logo dado um tiro.

Parentes próximos como A Mulher Que Viveu Duas Vezes ou Psico são filmes com mais momentos altos, mas As Diabólicas é um filme mais consistente e regular. Clouzot é um verdadeiro mestre do suspense e nunca cede à tentação de mostrar mais do que é necessário, fiél à máxima de que a sugestão é bem mais arrepiante do que a realidade. Não existem planos arriscados, travellings arrojados, ou outros truques de realização, mas existe uma sobriedade e uma atenção aos pormenores que fazem de As Diabólicas um filme a manter debaixo de olho constantemente.

Para a posterioridade, além do twist final, ficam as lentes de contacto de Michel e um comissário aposentado da polícia, Michel Serrault, que faz sempre lembrar o Columbo. Sem As Diabólicas não havia Claude Chabrol, a nouvelle vague do terror ou mais um Le Bic Mac, cortesia deste imodesto antro cinematográfico.

Posted by: dermot @ 3:13 da tarde
|  




sábado, setembro 27, 2008  

RIP:


1925 - 2008


Paul Newman foi um dos grandes actores de sempre e um dos meus favoritos. Comparado a ele só muito poucos, como o Marlon Brando, por exemplo. Paul Newman morreu ontem, vítima de cancro, depois de 50 anos de carreira, mais de 60 filmes, 9 nomeações ao Oscar e 1 estatueta dourada. Não me apetece dizer muito mais. Prefiro resumir tudo nos 5 MELHORES FILMES DE PAUL NEWMAN:

5º Lugar
Dois Homens E Um Destino (1969)


4º Lugar
A Cor Do Dinheiro (1986)


3º Lugar
Gata Em Telhado De Zinco Quente (1958)


2º Lugar
A Vida É Um Jogo (1961)


1º Lugar
O Presidiário (1967)

Posted by: dermot @ 4:46 da tarde
|  


 

O ORFANATO:

Título: El Orfanato
Realizador: Juan Antonio Bayona
Ano: 2007


Devíamos pôr os olhos na produção cinematográfica espanhola, ainda por cima quando estamos aqui tão perto. Espanha tem uma indústria de cinema inteligente, rentável e sustentável, que os tem posto na vanguarda do melhor cinema europeu. Sem comprometer o seu valor artístico, têm sabido explorar na perfeição a componente comercial, em clara sintonia com Hollywood, com quem têm trocado autores e investimento. Tudo isto resulta numa nova vaga de realizadores brutais, que andam a filmar como poucos.

O Orfanato chegou-nos este ano ao Fantasporto rotulado como o favorito. Apesar de ser realizado pelo desconhecido Juan Antonio Bayona, trazia a bela Belén Rueda no papel principal (que todos nos lembramos de Mar Adentro) e, claro, o carimbo do em voga Guillermo Del Toro como produtor. Contudo, [REC] acabou por surpreender todos ao arrebatar os prémios principais, em claro prejuízo para O Orfanato, que acabou por passar despercebido. Apesar de também ser filmalhaço, [REC] é um filme muito mais imediato e que funciona mais como primeira experiência do que como filme em si.

Belén Rueda é Laura que, com o seu marido (Fernando Cayo), compram o antigo orfanato vitoriano onde ela cresceu para transformarem numa espécie de residência para miúdos defecientes. Contudo, como em todas as histórias fantásticas, o orfanato assistiu há muitos anos atrás a uma tragédia com os seus miúdos, uma ferida que se mantém aberta com todos os seus fantasmas. E esses vão raptar-lhe o filho, o adoptado e seropositivo Simón (Roger Príncep).

O Orfanato não é um simples filme de fantasmas, nem tão pouco o habitual lugar-comum da casa assombrada. É antes uma espécie de Alice meets Poltergeist, que por sua vez goes O Sexto Sentido. Do primeiro importa o sofrimento parental de quem perde um filho; do segundo repesaca a faceta paranormal da casa assombrada. E do último vai buscar o twist final vs contra-twist, apesar de não ser tão assumido. Tudo isto filmado como de forma superior, servindo-se na arquitectura, dos grandes espaços em oposição aos espaços mais claustrofóbicos e da banda-sonora. Como um M. Night Shyalaman, por exemplo, ou Alejandro Amenábar, em Os Outros.

O cinema de fantasmas de Guillermo Del Toro também não é um corpo estranho, nomeadamente O Labirinto Do Fauno, na atenção que dispensa às crianças, peça fundamental deste puzzle fantasmático. No entanto, ao contrário das histórias de monstros de Del Toro, O Orfanato é muito menos fantástico do que pode parecer ao início. O Orfanato é filmaço e resulta a todos os níveis. E o primeiro nível é o Royale With Cheese.

Posted by: dermot @ 3:28 da tarde
|  




quarta-feira, setembro 24, 2008  

BRINCADEIRAS PERIGOSAS:

Título: Funny Games
Realizador: Michael Haneke
Ano: 2007


Se por vezes já é complicado perceber o porquê de certos remakes, o que dizer de quando são os próprios realizadores do original a refazerem os seus filmes? Será só a estupidez de agradar aos americanos com o ah e tal, eles não sabem ler legendas, pois vou fazer-lhes um filme igual mas em inglês para eles gostarem de mim? Se isto às vezes já é bem parvo, então os remakes plano a plano já são ridículos. Se o Gus Van Sant fez o Psico igualzinho passo a passo porque o original já era perfeito, então para que é que o fez? Bem, então quando é o próprio realizador a fazer, passo a passo, um remake do seu próprio filme, então nem sei o que dizer. Não é, Michael Haneke? E eu que até te curtia... (e ainda curto, estou só um pouco aborrecido por ele ter ido nesta).

Haneke tornou-se famoso interncionalmente com o Brincadeiras Perigosas original, em 1997, um filme cru e visceral sobre a violência, vista por dentro e despida de artificialismo. Basicamente, Brincadeiras Perigosas era aquilo que Oliver Stone queria que fosse o seu Assassinos Natos, apesar deste último ter envelhecido bem melhor. Haneke queira combater todas as pessoas violentas, incapazes de pensar por si próprias e que não conseguem respeitar ninguém som o seu próprio remédio. Fight fire with fire, já diz a canção.

Brincadeiras Perigosas é a história simples de uma típica família rica norte-americana (Naomi Watts, Tim Roth e Devon Gearhart), que vai passar uma semana na sua casa de férias. Casa não, mansão. Eles são a típica família da classe alta: um núcleo familiar convencional - pai, mãe e filho -, um palácio nos subúrbios, uma mão cheia de vizinhos todos ricos que só querem jogar golfe, um barco e um cão. E quando estão a começar a saborear o descanso, recebem a visita de dois jovens (Michael Pitt e Brady Corbet), vestidos de branco e com ares de querubins, mas que de angelical não têm nada: são dois fedelhos mimados, psicóticos e extremamente cruéis, que só querem judiar com eles e matá-los, num modo muito passivo-agressivo, sem razão aparente, apenas porque sim. E depois passarem à família seguinte,

Michael Haneke filma Brincadeiras Perigosas da mesma forma que filma todos os seus filmes: com um realismo acima da média, que foca e se prolonga em grandes planos das feições expressivas dos protagonistas, ausente de qualquer banda-sonora, excepto um ou outro momento de música diagética e a espécie de theme song brutal dos Naked City (vénia, vénia, vénia, vénia). È que Haneke consegue ser extremamente realista, puro e directo sem ser sensacionalista, uma vez que nunca filma directamente nenhuma cena de violência, deixando tudo à imaginação do espectador pelos sons que vai ouvindo, o que não o impede de ter uns planos longuíssimos, que são aguentados até à última, que são verdadeiramente pornográficos pelo sofrimento demonstrado.

Brincadeiras Perigosas é um filme perturbador e que pode fazer em certos momentos detestarmo-lo. Mas não seria essa a intenção de Haneke, de nos fazer detestar a violência como expressão natural do Homem? É que ao contrário de Laranja Mecânica, Brincadeiras Perigosas é uma espécie de elegia à violência. Além disso, o realizador tem o cuidado de lembrar o espectador, de tempos em tempos, de que aquilo é só um filme, distanciado-o da violência que está a viver, com algumas opções bem artsy, com os actores a falarem directamente para a câmara ou uma sequência em rewind(?).

Mas o que faz confusão em Brincadeiras Perigosas é Tim Roth. Mas que raio de homem é aquele, que leva uma paulada numa perna e fica incapacitado para todo o filme? Até um coxo a dar toques numa bola de futebol dava um par de chapadas àqueles dois miúdos. Mas o Tim Roth não. Ai ai, traz-me uma cadeira, porque dói-me a perna. Agora leva-me ao colo até ela. Agora traz-me um chá de camomila. Agora foge e vai chamar a polícia enquanto eu vejo televisão. Lá se vai a fama de durão de Cães Danados.

Brincadeiras Perigosas faz cada vez menos sentido na sociedade cada vez mais violenta em que vivemos. Além disso, se já viu o original não ganha nada em ver um remake plano a plano com actores americanos. Quer dizer, ganha duas horas de vida perdida. E um McBacon a menos.

Posted by: dermot @ 10:59 da tarde
|  




segunda-feira, setembro 22, 2008  

A SENHORA DA ÁGUA:

Título: Lady In The Water
Realizador: M. Night Shyamalan
Ano: 2006


Já aqui revelei anteriormente que M. Night Shyamalan é um dos meus novos realizadores favoritos, um tipo que filma excepcionalmente bem. Por isso, visto que há aí filme novo, competia-me primeiro pôr em dia a filmografia do senhor.

A Senhora Da Água foi massacrado pela crítica. Nada que apoquentasse, tendo em conta que todos os filmes de Shyamalan, desde O Sexto Sentido, têm sido criticados. Basicamente, todos pela mesma razão: ou porque não são suficientemente assustadores, ou porque o twist final é fraquinho. Razões mais do que insuficientes, principalmente quando Shyamalan nunca realizou um filme de terror.

Shyamalan pode ser o novo mestre do suspense, o descendente directo do mestre Alfred Hitchcock, mas A Senhora Da Água nada tem a ver com esse universo. É antes uma fábula de crianças para gente adulta, um história da carochinha para nos lembrar a todos nós, crescidos, que devemos continuar a acreditar em elfos, fadas, unicórnios e outras fantasias, sob o risco de nos tornarmos uns cinzentões obtusos neste mundo cão que tem cada vez mais horror.

A Senhora Da Água é o desenvolvimento de uma história que Shyamalan contava aos seus filhos para eles dormirem, acerca de uma entidade aquática (a bela Bryce Dallas Howard) que se mistura num condomínio privado para, com a ajuda do porteiro Paul Giamatti, levar a bom porto uma demanda milenar e o inevitável final feliz. A comunidade é assim um herói colectivo metade cliché, metade circo de aberrações, como o divertido Reggy (Freddy Rodríguez), que apenas treina o lado direito do seu corpo.

Mas pior que os clichés, são as personagens completamente esteriotipadas, como o crítico de cinema interpretado por Bob Balaban. Shyamalan queria dar uma alfinetada aos seus detractores com esta personagem, mas a coisa é tão ridícula que acaba por dar a volta e tornar-se risível. E o personagem que vai salvar o mundo podia muito bem não ser o próprio realizador, no seu habitual cameo, porque assim ganha umas proporções bem pretensiosas e egocêntricas. Mas isto é uma história para miúdos, dizem-me vocês. Isso até podia ser verdade, se Shyamalan não filmasse num tom tão sério, levando o filme tão a sério.

A fábula que Shyamalan cria nem é original, nem uma repescagem das habituais histórias fantásticas. É antes um copy paste de características mais ou menos interessantes, que não colam uns com os outros: há uma ninfa que tem que ser resgatada por uma águia gigante, um cão de relva que a quer matar, uns macacos ferozes que impõem respeito naquela gente toda, um simbolista, uma guilda e um curandeiro que ninguém percebe muito bem para que servem. Mas o pior mesmo é o impacto imediato que a história tem nas personagens, que em vez de se irem habituando gradualmente à ideia de estarem perante seres fantásticos, agem como se tudo aquilo fosse perfeitamente habitual.

A Senhora Da Água vale então para ver a ruiva Bryce Dallas Howard e a forma exemplar de filmar de M. Night Shyamalan, com os seus enquadramentos certeiros ou os travellings aéreos perfeitos. Em contrapartida, Paul Giamatti tem o gaguejar mais ridículo alguma vez visto fora de uma comédia screwball dos anos 90. A Senhora Da Água vai ser visto para sempre como a mancha na filmografia de Shyamalan e está para o cineasta como Jack está para Coppola, por exemplo. Um Cheeseburger que toda a gente prefere ignorar.

Posted by: dermot @ 6:49 da tarde
|  




quinta-feira, setembro 18, 2008  

TAKE - CINEMA MAGAZINE:

Número 7, Setembro de 2008


Página oficial

Posted by: dermot @ 12:07 da tarde
|  




terça-feira, setembro 16, 2008  

O RITUAL DOS SÁDICOS aka O DESPERTAR DA BESTA:

Título: O Ritual Dos Sádicos
Realizador: José Mojica Marins
Ano: 1970


Apesar de ser um dos maiores ícones do cinema de terror, se tirarmos a triologia do Zé do Caixão os filmes de José Mojica Marins são, basicamente, pedaços de lixo (salvo raras excepções). E no mau sentido, porque, na maioria dos casos, são fantasias dementes série-z ou filmes soft/hard-core porn distorcidos. Por isso, neste universo de cinema mau, surge O Ritual Dos Sádicos (também conhecido amiúde por O Despertar Da Besta), que, mesmo não sendo bom, destaca-se dos demais pelo seu experimentalismo.

A sinopse explica que este é um filme onde alguns destacados psiquiatras brasileiros, mais José Mojica Marins a fazer de si próprio, se juntam para debater os efeitos nefastos das drogas. Até que um deles sugere uma experiência invulgar: submeter quatro voluntários com um historial de abusos de narcóticos a umas doses de LSD e expôr-lhes a imagem do Zé do Caixão.

Apesar de parecer que o filme tem um argumento, O Ritual Dos Sádicos é apenas uma sucessão de episódios disconexos cada vez mais perturbadores e distorcidos, onde são recorrente as drogas, as violações, os espancamentos e as drogas e as violações e os espancamentos ao mesmo tempo. O resultado é tão demente, que o filme foi rejeitado pela censura e votado ao ostracismo durante várias décadas.

José Mojica Marins é uma espécie de Russ Meyer invertido: tem uma obsessão pelas mulheres, mas em vez do girl power tem a misoginia. Para ele, as mulheres só servem para cobrir, procriar e levar porrada. Por esta ordem. E às vezes só levar porrada. Para além disso, partilha ainda o mesmo estilo de filmar retro de Russ Meyer, com alto sentido sexual e libidinoso, mostrando muito pouca pele. José Mojica Marins prefere mostrar antes gore, muito gore. E em câmara-lenta. Como nos bons velhos tempos do giallo italiano.

O Ritual Dos Sádicos acaba por ter um resultado, no mínimo, curioso. Apesar de ser querer ser um filme anti-drogas, acaba por ser exactamente o oposto, tal como nos filmes norte-americanos de propaganda anti-hippies dos anos 60, que queriam convencer os jovens a não experimentar as drogas e o seox livre ao mostrar-lhes horas e horas de tipas nuas a divertirem-se à grande. Claramente paradoxal.

Mas o grande interesse de O Ritual Dos Sádicos surge no fim, quando as tais cobaias experimentam o LSD. E então, Zé do Caixão goes psychadelic, num trip-movie alucinante, onde José Mojica Marins cria atmosferas doentias e macabras, com o seu alter-ego sempre em evidência e com uma passagem do preto e branco para as cores saturadas que fazem O Feiticeiro De Oz corar de inveja.

O Ritual Dos Sádicos tem muito pouco interesse como filme, salvo alguns apontamentos simbólicos mais interessantes, uns planos mais experimentais e a banda-sonora com muito ié-ié brasileiro, na onda dos Mutantes (façam um favor a vocês e descubram a música inicial da Denise De Kalafe, como esta que vem já a seguir, cortesia do youtube). Serve para ver, mas não para recordar durante muito tempo. E o Happy Meal já tem em consideração de que estamos a falar do enorme Zé do Caixão.

Posted by: dermot @ 10:15 da manhã
|  




quinta-feira, setembro 11, 2008  

O REINO PROIBIDO:

Título: The Forbidden Kingdom
Realizador: Rob Minkoff
Ano: 2008


Durante a nossa infância, só tínhamos um sonho cinmeatográfico: que se fizesse um filme com o Scwarzenegger e o Stallone juntos. Havia sempre alguém que dizia que já estava a ser feito e, como na altura não havia internet para confirmarmos, ficávamos sempre à espera que tal maravilha chegasse às prateleiras do clube de vídeo. Infelizmente, nunca chegou. Hoje em dia, os heróis de acção são outros. E, bons ou maus, o que é certo é que O Reino Proibido marcou o encontro de dois titãs das artes marciais: Jackie Chan Jet Li. Tivesse eu 12 anos e tínha-me espumado todo. Como já não tenho, espumei-me só um bocadinho.

Por muita banhada que Jackie Chan e Jet Li tenham feito em Hollywood, é impossível negar que são os dois maiores mestres das artes marciais do cinema contemporâneo. E os filmes da fase oriental, tanto de um como do outro, são fenomenais. Por isso, vê-los juntos no mesmo filme vale sempre a pena. Nem que tenha cinco horas de duração e nenhum argumento. Felizmente, este até tem um argumento e logo baseado no clássico de Wu Cheng'en, A Jornada Para O Oeste, uma espécie de O Senhor Dos Anéis versão oriental, que influencia quase tudo o que é fantasia oriental, inclusive o Dragon Ball.

O que não estávamos à espera é que esta reutilização do universo de Wu Cheng'en fosse feita pelo realizador de O Rei Leão, que tivesse um miúdo americano como herói e tivesse a clássica estrutura dos anos 80 em que um adolescente com problemas sociais é treinado por um mestre do kung fu até se tornar numa máquina lutadora em apenas quinze dias. O Reino Proibido começa assim; Jason (Michael Angarano) é um miúdo viciado em cinema de artes-marciais e vítima de bullying. Certa noite, os rufias obrigam-no a assaltar um velhote de Chinatown e, de repente, Jason é transportado para uma realidade alternativa, onde vai embarcar numa demanda milenar para salvar o Reino Proibido, ao lado de Jackie Chan, Jet Li e, claro, um elemento feminino para dar o toque romântico à coisa (Yifei Liu) e angariar algumas miúdas às salas de cinema.

O Reino Proibido é um filme esquisito porque não é tão bom quanto queríamos que fosse, mas também não é tão mau quanto promete. Por exemplo, formalmente vê-se que o realizador fez o trabalho de casa, com as referências certas, não só ao livro de Wu Cheng'en, mas também a todo o cinema de Hong Kong e dos estúdios dos irmãos Shaw, mas como Rob Minkoff não é Quentin Tarantino, nada daquilo é filmado como deve realmente ser. Contudo, apesar da cinematografia tipicamente norte-americana, Minkoff não cai na tentação de editar o filme como se estivesse a tentar deixar toda a gente com dor de cabeça (ouviste Tony Scott, esta indirecta era para ti), filmando as longas cenas de pancadaria de forma a que a gente realmente as perceba.

É que em O Reino Proibido a pancadaria é que realmente interessa. E nisto é irrepreensível. As coreografias são óptimas, com o seu quê de originais e refrescantes, sem nunca se repetirem, sem abusar do wi-fu nem tão pouco da magia gi. Além disso, tem a tão ansiada luta entre Jackie Chan e Jet Li, apesar de terminar com o politicamente correcto empate. E se Jackie Chan repete o seu drunken master, o qual lhe valeu os melhores filmes da sua filmografia, Jet Li cria um divertido Rei Macaco, longe da ideia que tínhamos do Macaco de Ferro. É certo que não é um O Tigre E O Dragão, mas também ninguém estava à espera de tanta sofisticação.

Infelizmente, O Reino Proibido é demasiado juvenil e demasiado norte-americano. Muita música triunfal e dramática a sublinhar os momentos-chave, as muletas dramáticas do costume e muita parvoíce sentimental. Contudo, tudo é feito certinho e posto no sítio certo, ilustrado com cenários avassaladores, centenas de extras e figurantes e, claro, muitas coreografia wi-fu. O Reino Proibido é entretenimento de alta qualidade para miúdos e graúdos (esqueçam lá As Crónicas De Nárnia), uma espécie de Willow Na Terra Da Fantasia versão kung fu. E o McBacon não ofende ninguém.

Posted by: dermot @ 4:20 da tarde
|  




terça-feira, setembro 09, 2008  

AQUELE QUERIDO MÊS DE AGOSTO:

Título: Aquele Querido Mês De Agosto
Realizador: Miguel Gomes
Ano: 2008


Faz falta ao cinema nacional um cineasta verdadeiramente português. Desde as comédias pré-25 de Abril que Portugal não tem um autor que filme o nosso espírito genuíno e aquilo que é ser português. E não falo dos lugares-comuns como o fado ou a Lisboa branca, mas antes dos pastéis de bacalhau a as mulheres com sete saias da Nazaré. Salvo raras excepções (alguém mencionou A Janela (Maryalva Mix)?), faltam filmes que que só possam ter sido feitos em Portugal, tal como os filmes do Kusturica só podem ser feitos nos balcãs, ou os do Fellini em Itália.

Pode ser só mais uma excepção, mas pelo menos Aquele Querido Mês De Agosto vem juntar-se aos poucos filmes genuinamente portugueses. Miguel Gomes foi para Arganil e retratou o Portugal profundo, dos bailes e da música pimba, dos emigrantes portugueses que regressam de França para as férias com os seus cordões de ouro a sair da camisa desabotoada e daqueles cromos mesmo grandes, que são sempre os mais difíceis da caderneta. Miguel Gomes capta tudo aquilo que nós, meninos da cidade, dizemos que é uma grande seca e evitamos como o Diabo da cruz, mas depois vemos no cinema e ficamos com uma pinga de nostalgia e outra de orgulho.

Aquele Querido Mês De Agosto começa por ser um documentário do Portugal do interior, ali para os lados de Arganil, com as suas festas e as suas gentes. Estão lá todos: os grupos de baile que defendem que a música que fazem não é pimba, o emigrante que diz que não tem fé nenhuma mas que já foi curado a uma hérnia discal pela santinha da terra, ou o bêbado de estamiação do sítio conhecido por, volta e meia, atirar-se da ponte. Aquele Querido Mês De Agosto é uma espécie de Liga Dos Últimos versão bailaricos e é excepcional.

Pelo meio do documentário, Miguel Gomes vai-se inserindo a si próprio e à sua equipa, como se estivessem a fazer outro filme, numa estrutura de o filme dentro do filme. E, de súbito, a meio a ficção transborda para o documentário, com as personagens a adquirirem vida e a desenvolver-se um segundo filme dentro do filme, com um típico amor de verão de Agosto entre primos, Hélder (Fábio Oliveira) e Tânia (uma debutante Sónia Bandeira que, se apostar nesta carreira, poderá fazer-se). Isto já tinha acontecido no outro filme de Miguel Gomes, A Cara Que Mereces: depois de uma primeira parte, o feelgood movie dava lugar a outro filme completamente diferente, surreal e abstracto.

São dois filmes em um, mas sempre filmados da mesma maneira e de uma bem portuguesa: com planos fixos, bem parados, que só mudam quando têm mesmo a certeza que o espectador já absorveu todos os ínfimos pormenores da cena. A parte da ficção não é tão interessante quanto a do documentário, mas como também não é sublime, começa a cansar pela duração do próprio filme. Duas horas e meia é muito para bailaricos e música do Marante, se bem que na voz de gaiatas jeitosas a coisa ganhe outra dimensão.

A primeira parte de Aquele Querido Mês De Agosto é, no mínimo, um McRoyal Deluxe. Quanto à segunda parte, baixa um pouco a bitola para o McBacon. Em conjunto, tornam-se um pouco cansativos e, por isso, preparamo-nos para optar pelo menu mais baixo. Contudo, o filme termina com uma surpesa - os genéricos finais são geniais e valem quase o próprio filme, com Miguel Gomes num diálogo divertidíssimo com o técnico de som, Vasco Pimentel, com a equipa de produção a fazerem de si mesmos. Aquele Querido Mês De Agosto é, simultaneamente, um dos melhores filmes do ano, o melhor filme português em muito tempo, um dos melhores filmes do cinema nacional de sempre e o tal McRoyal Deluxe.

Posted by: dermot @ 11:40 da tarde
|  




domingo, setembro 07, 2008  

JACK KETCHUM'S THE GIRL NEXT DOOR:

Título: Jack Ketchum's The Girl Next Door
Realizador: Gregory Wilson
Ano: 2007


Stephen King é como o Pelé: de boca fechada é um poeta (Romário dixit). Ou seja, a escrever é o maior e o epíteto de mestre do terror é de todo justo; mas a debitar opiniões, não acerta uma. Por isso, quando diz que este Jack Ketchum's The Girl Next Door é o filme americano mais chocante dos últimos 20 anos já não nos chama muito a atenção. Mas se eu vos disser que Stephen King finalmente acertou, então a coisa muda de figura.

The Girl Next Door é a adaptação de Gregory Wilson do livro homónimo de Jack Ketchum, outro dos mestres da literatura de terror, que por sua vez é baseado no caso real de Sylvia Likens, que nos anos 60 foi torturada até à morte pela tia Gertrude Baniszewski e os seus filhos e vizinhos. O caso ainda hoje é considerado como o pior crime de sempre no Indiana.

Apesar do essencial da história se manter, encontra-se aqui algumas alteração à vida real para efeitos dramáticos. Assim, o filme recua dez anos e situa-se nos anos 50, aproveitando o espírito conservador da altura e temas mais actuais, como a segregação, ou a misoginia. É neste cenário que conhecemos David (Daniel Manche), um miúdo tipicamente americano dos subúrbios, vizinho dos Chandlers, uma familia constituida pela matriarca Ruth (Blanche Baker) e uma carrada de rebentos. Os Chandlers vão receber dois novos inquilinos: as primas Meg (Blythe Auffarth) e Susan (Madeline Taylor).

O problema aqui é que Ruth é uma tiazorra cheia de recalcamentos por ter sido abandonada pelo marido. Mentalmente instável, implica constantemente com as miúdas, sempre com uma atitude passivo-agressiva que mete raiva, até levar as coisas ao extremo. Quando menos damos por isso, já Meg é um saco de pancada trancada na cave da casa, passando fome, servindo de cinzeiro e sendo torturada das formas mais cruéis e aberrantes que se possa imaginar, fazendo Hostel parecer um conto de fadas. Blanche Baker tem então uma personagem indestrutível, uma vilã assustadora de tão real que é, que se vai colocar ao lado de Kathy Bates no panteão das tipas que não queremos conhecer nunca.

A coisa é absolutamente doentia e perturba, especialmente, por sabermos que aquilo aconteceu mesmo. Nunca vi tanta gente a sair de uma sala de cinema a meio, nem tanta lágrima, baba e ranho derramados numa só sessão. The Girl Next Door choca sem ser preciso ser propriamente gráfico. Imaginem o que sentiram num Holocausto Canibal, por exemplo, mas sem o gore. Não parece possível, mas é dez vezes pior. Além disso, tem a resposta feminina à cena da castração de Hard Candy, que tanta confusão faz aos homens.

The Girl Next Door poderia então ser um filme avassalador, mas não é. Filmado como um drama, numa espécie de melodrama de Douglas Sirk meets Misery - Capítulo Final, The Girl Next Door é, contudo, um filme banal se tirarmos as partes mais fortes. Com uma consituição histórica competente, The Girl Next Door tem uma realização pobrezinha, com muitos planos de postal de férias e um desenvolvimento dramático das personagens muito aquém do que seria de esperar. Contudo, a sua capacidade de choque não deixa de ser notável e só por isso merece por inteiro o McRoyal Deluxe.

Posted by: dermot @ 11:07 da manhã
|  


 

ELES:

Título: Ils
Realizador: David Moreau & Xavier Palud
Ano: 2006


Depois de anos a fio entretidos com pseudo-intelectualismos, os franceses voltaram a fazer cinema de terror, género em que, por acaso, até têm grande tradição (alguém falou no Méliés). Aliás, La Manoir Du Diable é, segundo consta, o primeiro filme de terror de sempre. Alta Tensão abriu as portas áquilo que já se apelida da nouvelle vague do terror, onde novos cineastas franceses andam a actualizar os clássicos norte-americanos politizados dos anos 70.

Eles é um dos mais desconhecidos tomos desta recente história, apesar de ter tido relativo sucesso entre-portas. Filme de baixo orçamento - a imagem cheia de grão não deixa enganar - e realizado na Roménia, Eles acabou por receber atenção devido ao facto de ser baseado em casos reais. Mais propriamente, num casal que acabou por ser assassinado por miudinhos enquanto passavam um fim de semana de férias. É incrível como esta mensagem é usada de forma tão leve. É certo que Eles é sobre um casal a ser atacado por uma gangue de gaiatos, mas de resto nada tem a ver com o suposto caso real. Enfim, publicidade gratuita e fácil... Adiante.

Clementine (Olivia Bonamy) e Lucas (Michaël Cohen) são então um casal francês a viver na Roménia, numa vivenda antiga e gigante no meio do nada. Depois de quinze minutos de telefilme das tardes da TVI, em que nada se passa, os dois ouvem um barulho estranho durante a noite. De repente, estão sitiados na própria casa, a serem atacados e assaltados por vários vultos, que nunca passam disso mesmo: vultos.

Os realizadores tentam evitar o grafismo e apostam no máximo na sugestão. Durante o filme quase todo, os atacantes nunca se vêem. O que ao fim de um bocado nos leva a pensar: mas eles andam a fugir do quê? É que a única ameaça que nos apercebemos são uns gritos ocasionais, de quando em vez. Andam a fugir de gritos? Uhh.. assustador. Assim, temos hora e meia de fugida, por sótãos, caves, quartos e, no fim, um bosque a perder de vista, saido sabe-se lá deonde.

Como se isto não bastasse, as vítimas só sabem... fugir. Será que ninguém se lembrou de pegar em alguma coisa para se defender? Sei lá, talvez um pau. Mas depois vemos o mariquinhas que é a parte masculina da história e percebemos porque é que isso nunca acontece. Então o homem leva com uma porta no cu e fica logo derrotado? Foge que eu não consigo subir uma rede com metro e meio de altura. O quê? E isto para não falar dos maus que, quando aparecem , morrem logo só por soprarem para cima deles. Se eles são assim tão fraquinhos, porque raio é que andam a fugir deles?

Eles tinha um potencial do catano: miúdinhos de 10 anos psicopatas e homicidas é muito mais assustador do que um simples twist final. Também se percebe que se prefira filmar um filme sugestionável do que um gráfico, dá mais credibilidade e sofisticação à coisa. Mas para se fazer isso é preciso saber. Quando não se sabe, aposta-se no óbvio: sangue. Nisso, pelo menos, toda a gente sabe. Eles talvez não mereça um Cheeseburger, mas visto no meio de um festival de terror, no meio de tanta cosia demente, sai claramente prejudicado.

Posted by: dermot @ 11:05 da manhã
|  


 

DIÁRIO DOS MORTOS:

Título: Diary Of The Dead
Realizador: George A. Romero
Ano: 2007


Pode-se dizer que o pai dos zombies está, definitivamente, de volta. Depois de vários anos sem filmar, George Romero voltou à sua saga dos mortos com Terra Dos Mortos. Tomou-lhe o gosto e, dois anos depois, voltou à carga, desta vez com Diário Dos Mortos, num regresso ao filme independente ao fim de 20 anos.

Romero deve ter andado a ver Missão De Código: Cloverfield ou [REC] e aproveitou essa nova tendência do mockumentário de terror para fazer o seu. Com zombies, obviamente. Nasceu assim Diário Dos Mortos, que regressa ao dia em que tudo começou, em A Noite Dos Mortos-Vivos, para acompanhar um grupo de jovens estudantes de cinema até às suas casas.

A estrutura já foi utilizada anteriormente por Romero - o do survivor juvenil. Contudo, o realizador continua a sua cruzada na crítica social contemporânea e nas vicissitudes morais que, no fundo, são sempre o leitmotiv dos seus trabalhos. Desta vez são os media, a globalização, a massificação da informação e a liberdade do vídeo que são abordadas, com algumas cenas subversivas bem fortes: a do professor que mata a própria aluna e entrega a arma ao cameraman, desabafando é tão fácil matar com isto, ou a propaganda que o governo faz ao editar os seus próprios noticiários, de forma a manipular a opinião pública, o que leva o actor colectivo do filme a filmar a sua própria aventura. Diário Dos Mortos é, por isto, um 15 Minutos goes [REC].

Só é pena Romero voltar a abusar das personagens esteriotipadas, como o tal professor inglês alcoolico, os polícias salteadores, ou os pretos que se unem numa força suprema por terem o poder dominante pela primeira vez. Esta unidimensionalidade tira força ao realismo e ao impacto do filme feito na primeira pessoa, de câmara ao ombro, que é reforçado pela quantidade disparatada de one-liners que são debitadas sempre que um zombie é decapitado/alvejado/atropelado/electrocutado/trespassado.

Hilariante acaba por ser a explicação que Romero dá para o facto de, nos filmes de terror, a mocinha ser sempre perseguida num bosque por um vilão que corre em câmara-lenta, terminando irremediavelmente desnudada. Isso e o episódio com um amish mudo, melhor que qualquer comédia que por aí ande. Com tanta série-B, Romero escusava de se tentar levar tanto a sério, com uma narradora drama queen ou a banda-sonora gratuita.

É certo que Romero já não tem a frecura de outrora, mas continua a ser politicamente incorrecto de forma deliciosa, capaz de tirar do sério o espectador mais embrutecido e anestesiado pelo lixo constante de Hollywood. Não é tão bom como os mortos originais, mas está ao nível de Terra Dos Mortos. E eu gostei de Terra Dos Mortos. Pronto, está um bocadinho abaixo, um bocadinho no McBacon.

Posted by: dermot @ 11:02 da manhã
|  




sexta-feira, setembro 05, 2008  

ENCARNAÇÃO DO DEMÓNIO:

Título: Encarnação Do Demónio
Realizador: José Mojica Marins
Ano: 2008


Para quem nunca ouvir falar (aliás, grande falha nunca ter sido falado neste humilde antro), deixem-me apresenta-lo: Zé do Caixão, alter-ego de José Mojica Marins, é um dos maiores mestres do cinema de terror do Mundo. Brasileiro de gema, onde é visto como uma personagem de comédia, Zé do Caixão é um verdadeiro autor de culto, na verdadeira acepção da expressão, antes desta se ter banalizado e começado a ser atribuida a tudo e mais alguma coisa.

Zé do Caixão é conhecido por muitas coisas: foi o primeiro cineasta de longas-metragens no Brasil, assinou dois dos filmes mais dementes desta coisa do terror (olá À Meia-Noite Levarei Sua Alma, olá Esta Noite Encarnarei No Teu Cadáver), foi perseguido pela censura durante muito tempo, andou metido na indústria porno (fazer parvoíces de terror não põe comida na mesa), esteve esquecido durante vários anos e acabou por ser relembrado. Nada que nunca tenha conhecido a outros realizadores incompreendidos. A novidade aqui é que esse revivalismo aconteceu antes de morrer, cedo o suficiente para que pudesse completar a sua obra-prima, a triologia do Zé do Caixão, com Encarnação Do Demónio. E desta vez com dinheiro a sério - se bem que ainda longe dos grandes orçamentos, pelo menos já dá para contratar actores profissionais.

O Zé do Caixão personagem é um coveiro macabro, sádico e cruel, sempre vestido a rigor com capa e cartola negras como a sua alma, que fala seeeempre de maneeeeira muuuito soleeeene, ateísta e obcecado em perpetuar a sua linhagem. Por isso, depois de ter estado preso durante 40 anos, Zé do Caixão só pensa numa coisa após ser libertado: ter um filho. O mais difícil é encontrar a mulher perfeita. E até a achar, Zé do Caixão e os seus seguidores vão deixar um rasto de mortes atrás de si.

Encarnação Do Demónio surge em pleno século XXI como representante único do horror romântico do início do século XX, aquele que encontrou eco nos filmes de monstros do Lugosi ou do Karloff. Além disso, é ainda um tipo de cinema virgem, sem qualquer pretensão artística, fruto do mais natural instinto de fazer cinema de José Mojica Marins. E se isso pode resultar em verdadeiros desastres, o que é certo é que na maior parte das vezes resulta muito bem. E sempre de forma genuína, de quem não está a copiar ninguém.

Encarnação Do Demónio faz ainda uma excelente reactualização do Zé do Caixão na sociedade actual. O senhor esteve encarcerado durante quatro décadas e agora encontrou um mundo completamente diferente, longe dos tempos em que vivia na roça e os camponeses acabavam sempre por se juntarem para o tentar queimar vivo. Agora, Zé do Caixão vai fixar-se na favela e, quando as mortes começam a surgir, eis que surge o BOPE. Exacto, Zé do Caixão meets Tropa De Elite...

É certo que tem um argumento bastante disconexo, mas de Encarnação Do Demónio não se esperava literatura nem poesia, mas antes muito trash. E nisso, José Mojica Marins continua demente. Pode já não pôr actrizes a tirar insectos com a língua da cavidade ocular de um tipo zarolho, mas continua fiél aos insectos (baratas!), ao giallo, a violações com ratos, banhos de sangue, miúdas a enfiarem-se na carcassa de um porco, tipos a cozes a boca (literalmente) ou a pendurarem-se no tecto com ganchos nas costas. Tudo isto enquanto procura a mulher perfeita para cobrir.

As duas principais características do Zé do Caixão mantêm-se bem apuradas em Encarnação Do Demónio: o desprezo pela religião, apesar de uma das melhores cenas do filme ser uma reconstituição do Purgatório, tudo muito dantesco; e a misoginia, em que as mulheres só servem para procriar ou para serem espancadas. Ou ambas ao mesmo tempo. Por fim, como que a dar um toque arty ao filme, existem uns flashbacks dos filmes anteriores, com as personagens a passarem para este filme, a preto e branco e tudo.

Encarnação Do Demónio é o melhor filme da triologia e vale um Le Big Mac. E eu já vi o Zé do Caixão ao vivo, em carne e osso. Yeah!

Posted by: dermot @ 6:51 da tarde
|  


 

HIENA:

Título: Hiena
Realizador: Grzegorz Lewandowski
Ano: 2006


Se havia coisa que faltava em Lisboa era um festival de cinema de terror. E melhor que um festival de cinema de terror, só mesmo um bom festival de cinema de terror. O MotelX é, por isso, um projecto assinalável, que preza a qualidade em detrimento da quantidade (até porque não tem condições para isso) e que, no futuro, poderá muito bem ser o Fantasporto do sul. E além disso, cumpre a principal função de um festival de cinema: para além das retrospectivas e das homenagens aos mestres, dá a conhecer filmografias e obras desconhecidas que, de outra forma, não teríamos possibilidade de ver.

O filme polaco Hiena é um desses casos. Apesar de vir de uma filmografia que, ultimamente, tem tido algum destaque (alguém mencionou o novo cinema polaco?), Hiena é um objecto praticamente desconhecido, que nem no imdb tem muita informação disponível. O que não deixa de ser estranho, tendo em conta a sua qualidade.

Apesar de ser apresentado por um festival de terror, Hiena nada deve ao slasher, ao gore, ou ao horror mais gráfico, como seria de esperar. É antes um filme de atmosferas (sombrias e bem carregadas, claro), que causa mais medo ao espectador pelos ambientes em si do que pelas próprias personagens, por mais horrendas que elas sejam. É um filme herdeiro de uma certa tradição russa, onde não é inocente o nome de Tarkovsky e aquela sua perícia de esculpir o tempo.

Hiena é a história de um antigo lugarejo industrial no meio da Polónia, um daqueles locais que se consomem a si próprios e que dão a ideia que já deviam ter sido abandonados há muito tempo. E, como se sabe, todas as localidades com esse estigma tendem a ocupar os buracos vazios com algo. No Barreiro, por exemplo, a população vai preenchendo-os com música e muita criatividade. Aqui, vão criando histórias, fábulas e fantasias, que servem para dar uma certa aura de mistério às mortes que se vêem sucedendo na zona.

Shorty (Wojciech Grzywa) é um miúdo e como todos os da sua idade, cria a sua própria história para justificar os factos: uma antiga família filha da desgraça, morta pelas chamas, que voltou do além para, à noite, se transformar numa hiena e matar quem apanha pelos bosques. Hiena é labiríntico e cruza o fabulástico com o real, numa espécie de primo afastado de O Labirinto Do Fauno. Só que em vez de monstros, aqui temos um amigo imaginário com a cara toda queimada.

Hiena vai criando atmosferas sufocantes e claustrofóbicas, desnorteando o espectador ao recorrer constantemente à repetição do argumento. Com pequenos apontamentos subtis e uns flashbacks a preto e branco verdadeiramente brutais, Hiena destaca-se sobretudo pela fotografia maravilhosa. No fim, o círculo fecha-se e o assassino é revelado, deixando-nos, no entanto, confusos durante mais uma boa meia hora até conseguirmos colocar as peças todas no lugar certo. O tempo suficiente para ir comer um McBacon ou uma sandocha ao Subway, que é logo ali ao lado do S. Jorge.

Posted by: dermot @ 6:47 da tarde
|  





COTAÇÃO:
10 - Royale With Cheese
9 - Le Big Mac
8 - McRoyal Deluxe
7 - McBacon
6 - McChicken
5 - Double Cheeseburger
4 - Cheeseburger
3 - Caixinha de 500 paus (Happy Meal)
2 - Hamburga de Choco
1 - Pão com Manteiga

TAKE:
Take - cinema magazine | take.com.pt


ARE YOU TALKING TO ME:
DUELO AO SOL
CLARENCE HAD A LITTLE LAMB
GONN1000
BITAITES
ANTESTREIA
CINEBLOG
CINEMA NOTEBOOK
CONTRA CAMPO
ZONA NEGRA
O MELHOR BLOG DO UNIVERSO
A CAUSA DAS COISAS
O MEU PIU PIU
AMARCORD
LAURO ANTÓNIO APRESENTA
SARICES ARTÍSTICAS
A RAZÃO TEM SEMPRE CLIENTE
MIL E UM FILMES
AS IMAGENS PRIMEIRO
A DUPLA PERSONALIDADE
TRASH CINEMA TRASH
SUNSET BOULEVARD
CINEMA XUNGA


ARE YOU TALKIN' TO ME?
cinephilus@mail.pt


CRÍTICAS:
- A Armadilha
- A Arte De Pensar Negativamente
- A Árvore Da Vida
- A Balada de Jack And Rose
- A Bela E O Paparazzo
- A Boda
- À Boleia Pela Galáxia
- A Cabana Do Medo
- A Cela
- A Canção De Lisboa
- A Cara Que Mereces
- A Casa Dos 1000 Cadáveres
- A Casa Maldita
- A Cidade Dos Malditos
- A Ciência Dos Sonhos
- A Comunidade
- A Cor Do Dinheiro
- A Costa Dos Murmúrios
- A Criança
- A Dália Negra
- A Dama De Honor
- A Descida
- A Duquesa
- À Dúzia É Mais Barato
- A Encruzilhada
- A Estrada
- A Estranha Em Mim
- A Frieza Da Luz
- A Fúria Do Dragão
- A História De Uma Abelha
- A Honra Da Família
- A Janela (Maryalva Mix)
- A Lagoa Azul
- A Lenda Da Floresta
- A Liga Dos Cavalheiros Extraordinários
- A Lista De Schindler
- A Lojinha Dos Horrores
- A Mais Louca Odisseia No Espaço
- A Maldição Da Flor Dourada
- A Mansão
- A Maravilhosa Aventura De Charlie
- A Marcha Dos Pinguins
- A Máscara
- A Máscara De Cristal
- A Menina Jagoda No Supermercado
- A Minha Bela Lavandaria
- A Minha Vida Sem Mim
- A Morte Do Senhor Lazarescu
- A Mosca
- A Mulher Do Astronauta
- A Mulher Que Viveu Duas Vezes
- A Múmia
- A Noiva Cadáver
- A Noiva Estava De Luto
- A Origem
- A Outra Margem
- A Paixão De Cristo
- A Pele Onde Eu Vivo
- A Pequena Loja Dos Horrores
- A Prairie Home Companion - Bastidores Da Rádio
- A Presa
- À Procura Da Terra Do Nunca
- A Promessa
- À Prova De Morte
- A Rainha
- A Rai­nha Africana
- A Raiz Do Medo
- A Rapariga Santa
- A Rede Social
- A Religiosa Portuguesa
- A Ressaca
- A Residencial Espanhola
- A Sangue Frio
- A Secretária
- A Semente Do Diabo
- A Senhora Da Água
- A Severa
- A Sombra Do Caçador
- A Sombra Do Samurai
- A Tempestade No Meu Coração
- A Tempo E Horas
- A Torre Do Inferno
- A Turma
- A Última Famel
- A Última Tentação De Cristo
- A Valsa Com Bashir
- A Verdadeira História De Jack, O Estripador
- A Viagem De Chihiro
- A Viagem De Iszka
- A Vida De Brian
- A Vida É Um Jogo
- A Vida É Um Milagre
- A Vida Em Directo
- A Vida Secreta Das Palavras
- A Vila
- A Vítima Do Medo
- A Vizinha Do Lado
- A Volta Ao Mundo Em 80 Dias
- Aberto Até De Madrugada
- Abraços Desfeitos
- Acção Total
- Aconteceu No Oeste
- Across The Universe
- Actividade Paranormal
- Acusado
- Adam Renascido
- Admitido
- Adriana
- Aelita
- Ágora
- Água Aos Elefantes
- Air Guitar Nation
- Albert, O Gordo
- Aldeia Da Roupa Branca
- Alice
- Alice In Acidland
- Alice No País Das Maravilhas
- Alien - O Oitavo Passageiro
- Aliens - O Reencontro Final
- Alien - A Desforra
- Alien - O Regresso
- Alien Vs. Predador
- Alien Autopsy
- Alma Em Paz
- Almoço De 15 De Agosto
- Alphaville
- Alta Fidelidade
- Alta Golpada
- Alta Tensão
- Alucinação
- Amália
- Amarcord
- American Movie
- American Splendor
- Amor À Queima-Roupa
- Amor De Verão
- Amor E Corridas
- Amor E Vacas
- Amor Em Las Vegas
- Amor Ou Consequência
- And Soon The Darkness
- Angel-A
- Animal
- Annie Hall
- Anónimo
- Antes Do Anoitecer
- Antes Que O Diabo Saiba Que Morreste
- Anticristo
- Anvil! The True Story of Anvil
- Anytinhig Else - A Vida E Tudo Mais
- Appaloosa
- Apocalypto
- Aquele Querido Mês De Agosto
- Aracnofobia
- Aragami
- Arizona Dream
- Armin
- Arséne Lupin - O Ladrão Sedutor
- As Asas Do Desejo
- As Aventuras De Jack Burton Nas Garras Do Mandarim
- As Aventuras De Tintim - O Segredo Do Licorne
- As Aventuras Do Príncipe Achmed
- As Bandeiras Dos Nossos Pais
- As Bonecas Russas
- As Canções De Amor
- As Crónicas De Narnia - O Leão, A Feiticeira E O Guarda-Roupa
- As Diabólicas
- As Ervas Daninhas
- As Invasões Bárbaras
- As Lágrimas Do Tigre Negro
- As Leis Da Atracção
- As Noites Loucas Do Dr. Jerryll
- As Penas Do Desejo
- As Tartarugas Também Voam
- As Vidas Dos Outros
- Aberto Até De Madrugada
- Assalto À Esquadra 13 (1976)
- Assalto À Esquadra 13 (2005)
- Assalto Ao Santa Maria
- Assassinos Natos
- Ata-me
- Até Ao Inferno
- Até Ao Limite Do Terror
- Atraídos Pelo Crime
- Através Da Noite
- Attack Of The 50 Foot Woman
- Aurora
- Austrália
- Autocarro 174
- Avatar
- Aviva, Meu Amor
- Aztec Rex
- Azul Metálico

- Babel
- Backbeat, Geração Inquieta
- Balas E Bolinhos - O Regresso
- Balbúrdia No Oeste
- Bando À Parte
- Baraka
- Barbarella
- Barreira Invisí­vel
- Batman
- Batman Regressa
- Batman - O Início
- Be Cool
- Beijing Bastards
- Belleville Rendez-Vouz
- Bem-vindo À Zombieland
- Bem-vindo Ao Norte
- Berlin 36
- Birth - O Mistério
- Biutiful
- Black Sheep
- Black Snake Moan - A Redenção
- Blade Runner - Perigo Iminente
- Blueberry
- Boa Noite E Boa Sorte
- Bobby Darin - O Amor É Eterno
- Body Rice
- Bombom
- Bom Dia Noite
- Bom Dia Vietnam
- Bonnie E Clyde
- Boogie Nights
- Borat
- Brasil - O Outro Lado Do Sonho
- Breakfast On Pluto
- Brincadeiras Perigosas (2007)
- Brisa De Mudança
- Bronson
- Bruce, O Todo-poderoso
- Bruiser - O Rosto Da Vingança
- Bruno
- Buffalo 66
- Bubba Ho-Tep
- Bullit
- Bunker Palace Hotel
- Buried
- Busca Implacável
- Bz, Viagem Alucinante

- Cadillac Records
- Cães Danados
- Cães De Palha
- Café E Cigarros
- Call Girl
- Camino
- Capitão Alatriste
- Capitão América - O Primeiro Vingador
- Capote
- Carrie
- Cartas Ao Padre Jacob
- Cartas De Iwo Jima
- Casa De Loucos
- Casablanca
- Casino Royale
- Catwoman
- Cavalo De Guerra
- Cemitério Vivo
- Censurado
- Centurion
- Charlie E A Fábrica De Chocolate
- Che - Guerrilha
- Che - O Argentino
- Chemical Wedding
- Chéri
- Chinatown
- Chocolate
- Choke - Asfixia
- Chovem Almôndegas
- Christine - O Carro Assassino
- Cidade Fria
- Cinco Dias, Cinco Noites
- Cinema Paraíso
- Cinerama
- Cisne Negro
- Clube De Combate
- Coco Avant Chanel
- Coisa Ruim
- Cold Mountain
- Cold Weather
- Colete De Forças
- Colisão
- Com Outra? Nem Morta!
- Comboios Rigorosamente Vigiados
- Comer Orar Amar
- Complexo - Universo Paralelo
- Conan, O Bárbaro
- Contrato
- Control
- Controle
- Coração De Cavaleiro
- Coração De Gelo
- Coração Selvagem
- Corações De Aço
- Coragem De Mãe: Confrontando O Autismo
- Corre Lola Corre
- Correio De Risco
- Correio De Risco 3
- Corrida Contra O Futuro
- Corrupção
- Cozinhando A História
- Crank - Veneno No Sangue
- Crank - Alta Voltagem
- Cremaster
- Crime Ferpeito
- Crippled Masters
- Cristóvão Colombo - O Enigma
- Crónica Dos Bons Malandros
- Crueldade Intolerável
- Cubo
- Culture Boy
- Cypher
- Cyrano de Bergerac (1950)

- Daisy Town
- Dallas
- Danny The Dog - Força Destruidora
- Daqui P'ra Frente
- Dark City - Cidade Misteriosa
- De Cabeça Para Baixo
- De Homem Para Homem
- De Olhos Abertos
- De Olhos Bem Fechados
- De Sepultura Em Sepultura
- De Tanto Bater O Meu Coração Parou
- De-Lovely
- Delhi Belly
- Dead Snow
- Death Race 2000
- Deixa-me Entrar
- Delicatessen
- Demolidor - O Homem Sem Medo
- Dentro Da Garganta Funda
- Depois Do Casamento
- Destruir Depois De Ler
- Diamante De Sangue
- Diário Dos Mortos
- Diários De Che Guevara
- Dias De Futebol
- Dick E Jane - Ladrões Sem Jeito
- Dictado
- Die Hard 4.0 - Viver Ou Morrer
- Die You Zombie Bastards!
- Dogma
- Domino
- Don Juan DeMarco
- Donnie Brasco
- Doom - Sobrevivência
- Doomsday - Juízo Final
- Dorian Gray
- Dot.Com
- Dr. Estranhoamor
- Drácula 2001
- Drácula De Bram Stoker
- Drive - Risco Duplo
- Dreamgirls
- Duas Mulheres

- É Na Terra Não É Na Lua
- Easy A
- Easy Rider
- Eduardo Mãos De Tesoura
- Efeito Borboleta
- El Mariachi
- El Topo
- Ela Odeia-me
- Eles
- Eles Vivem
- Elvis
- Em Bruges
- Em Busca Da Felicidade
- Em Carne Viva
- Em Liberdade
- Em Nome De Caim
- Em Nome De Deus
- Em Paris
- Em Privado
- Embargo
- Encarnação Do Demónio
- Encontros Em Nova Iorque
- Encrenca Dupla
- Encurralada
- Ensaio Sobre A Cegueira
- Enterrado Na Areia
- Entre Os Dedos
- Entrevista
- Equilibrium
- Era Uma Vez No México
- Eraserhead - No Céu Tudo É Perfeito
- Escola De Criminosos
- Escolha Mortal
- Esporas De Aço
- Estado De Guerra
- Estamos Vivos
- Este É O Meu Lugar
- Este País Não É Para Velhos
- Estômago
- Estrada Perdida
- Estranhos
- Estrellita
- Eu Amo-te Phillip Morris
- Eu, Peter Sellers
- Eu Sou A Lenda
- Eu Sou Evadido
- Eu, Tu E Todos Os Que Conhecemos
- Everything Must Go
- Evil Dead - A Noite Dos Mortos-Vivos
- Evil Dead 2 - A Morte Chega De Madrugada
- Evil Dead 3 - O Exército Das Trevas
- Ex-Drummer
- Exterminador Implacável 1
- Exterminador Implacável 2 - O Dia Do Julgamento Final
- Exterminador Implacável 3 - Ascensão Das Máquinas
- Exterminador Implacável 4 - A Salvação

- Factory Girl - Quando Edie Conheceu Warhol
- Factotum
- Fados
- Fahrenheit 9/11
- Falso Alarme
- Fando E Lis
- Fantasmas De Marte
- Fargo
- Faster, Pussycat! Kill! Kill!
- Fausto 5.0
- Favores Em Cadeia
- Felicidade
- Feliz Natal
- Férias No Harém
- Festival Rocky De Terror
- Ficheiros Secretos: Quero Acreditar
- Fim De Ano Em Split
- Fim-De-Semana Alucinante
- Final Cut - A Última Memória
- Fish Tank
- Florbela
- Flores Partidas
- Fome
- Footloose - A Música Está Do Teu Lado
- Força Delta
- Forrest Gump
- Freddy Vs. Jason
- Frenético
- Frida
- Frost/Nixon
- Fruto Proibido
- Fuga De Los Angeles
- Fuga Para A Vitória
- Fur - Um Retrato Imaginário De Diane Arbus
- Fúria Cega
- Fúria De Viver
- Fúria Silenciosa

- Gabrielle
- Gainsbourg - Vida Heróica
- Gang Dos Tubarões
- Gangs de Nova Iorque
- Garden State
- Génova
- GI Joe - O Ataque Dos Cobra
- Godzilla
- Goodbye Lenine!
- Gosford Park
- Gothika
- Gran Torino
- Grande Mundo Do Som
- Gremlins
- Grizzly Man
- Gru - O Maldisposto
- Guerra Dos Mundos (2005)
- Guerra Dos Mundos (1953)

- Há Lodo No Cais
- Hairspray
- Half Nelson - Encurralados
- Hard Candy
- Harley Davidson E O Cowboy Do Asfalto
- Harold E Maude
- Harry Brown
- Haverá Sangue
- Hawai Azul
- He-Man - Mestres Do Universo
- Head On - A Esposa Turca
- Heartbreak Hotel
- Hell Ride
- Hellboy
- Hellboy 2: O Exército Dourado
- Helter Skelter - O Caso De Sharon Tate
- Henry E June
- Hereafter - Outra Vida
- Hiena
- História De Duas Irmãs
- História De Um Fotógrafo
- Hobo With A Shotgunbr> - Hollywood Ending
- Homem Aranha
- Homem Aranha 2
- Homem Aranha 3
- Homem De Ferro
- Homem Demolidor
- Homem Em Fúria
- Homens De Negro
- Homens De Negro 2
- Homens Que Matam Cabras Só Com O Olhar
- Hostel
- Hostel 2
- Hot Fuzz - Esquadrão De Província
- Howl - Grito
- Hugo

- I Am Sam - A Força Do Amor
- I Spit On Your Grave
- I'll See You In My Dreams
- Iluminados Pelo Fogo
- I'm Still Here
- I Wanna Hold Your Hand
- Imitação Da Vida
- Imortal
- In Search Of A Midnight Kiss
- Indiana Jones E O Reino Da Caveira De Cristal
- Indomável
- Infiltrado
- Inimigos Públicos
- INLAND EMPIRE
- Inquietos
- Insidioso
- Insónia
- Intervenção Divina
- Intriga Internacional
- Invictus
- Irmão, Onde Estás?
- It
- It Might Get Loud
- Italian Spiderman

- Jack Ketchum's The Girl Next Door
- Jackass 2
- Jackass 3D
- Jackie Brown
- Jacuzzi - O Desastre Do Tempo
- James Bond - Agente Secreto
- James Bond - Casino Royale
- James Bond - Quantum Of Solace
- Janela Indiscreta (1954)
- Janela Indiscreta (1998)
- Janela Secreta
- JCVD
- Joga Como Beckham
- John Rambo
- Jonestown - The Life And Death Of Peoples Temple
- Jovens Rebeldes - A Verdadeira História
- Julgamento
- Julie E Julia
- Juno
- Juventude Em Marcha
- Juventude Tardia

- Kalifórnia
- Kandahar
- Karate Kid
- Katyn
- Kenny
- Kick Ass - O Novo Super-herói
- Kids - Miúdos
- Kill Bill vol.2
- King Kong (2005)
- Kiss Kiss Bang Bang
- Kiss Me
- Klimt
- Kopps
- Kung-Fu-Zão
- Kung Pow - Punhos Loucos

- La Jetée
- La Vie En Rose
- Ladrões
- Lady Snowblood
- Laranja Mecânica
- Last Days - Os Últimos Dias
- Lavado Em Lágrimas
- Lemmy
- Léon, O Profissional
- Lichter
- Lindas Encrencas As Garotas
- Lobos
- Longe Da Terra Queimada
- Lost In Translation - O Amor É Um Lugar Estranho
- Lua De Mel, Lua De Fel
- Lucifer Rising
- Lucky Luke
- Lucky Number Slevin - Há Dias De Azar

- M - Matou!
- Má Educação
- Machete
- Madrigal
- Maldito United
- Mamma Mia
- Manhattan
- Manô
- Mamonas Pra Sempre
- Mar Adentro
- Maria E As Outras
- Marie Antoinette
- Marjoe
- Marte Ataca!
- Matança De Natal
- Match Point
- Matou A Família E Foi Ao Cinem
- McQuade, O Lobo Solitário
- Meia-Noite Em Paris
- Meio Metro De Pedra
- Melancolia
- Melinda E Melinda
- Menina
- Mephisto
- Metrópolis
- Meu Nome É Bruce
- Miami Vice
- Milhões
- Milk
- Millenium 1. Os Homens Que Odeiam As Mulheres
- Million Dollar Baby - Sonhos Vencidos
- Minha Mãe
- Minha Terra
- Misery - Capí­tulo Final
- Missão A Marte
- Missão Impossí­vel 3
- Missão Impossível - Missão Fantasma
- Missão Solar
- Mistérios De Lisboa
- Momentos Agradáveis
- Moneyball - Jogada De Risco
- Monsters - Zona Interdita
- Monstro
- Monty Phyton E O Cálice Sagradi
- Morte Cerebral
- Morte De Um Presidente
- Movimentos Perpétuos
- Mr. E Mrs. Smith
- Mrs. Henderson Presents
- Muito Bem, Obrigado
- Mulholland Drive
- Mundo Fantasma
- Mundos Separados
- Munique
- Murderball - Espírito De Combate
- Murish
- Mutilados
- Mysterious Skin

- Na Cama
- Nacho Libre
- Não Estou Aí
- Napoleon Dynamite
- Nas Costas Do Diabo
- Nas Nuvens
- Needle
- Nico: À Margem Da Lei
- Ninguém Sabe
- Nixon
- No Limite Do Amor
- No Vale De Elah
- Noite De Agosto
- Noite Escura
- Noivos Sangrentos
- Nome De Código: Cloverfield
- Northfork
- Nosferatu, O Vampiro
- Nothing
- Nova Iorque 1997
- Nove Raínhas
- Nunca Digas Sim

- O Acontecimento
- O Agente Da Broadway
- O Lugar Do Morto
- O Americano
- O Amor Acontece
- O Anjo Exterminador
- O Anti-Pai Natal
- O Artista
- O Assassínio De Jesse James Pelo Cobarde Robert Ford
- O Assassí­nio De Richard Nixon
- O Batedor
- O Bom Alemão
- O Bom, O Mau E O Vilão
- O Cabo Do Medo
- O Caminho De São Diego
- O Cão, O General E Os Pássaros
- O Capacete Dourado
- O Castelo Andante
- O Castor
- O Cavaleiro Das Trevas
- O China
- O Cobrador
- O Código Da Vinci
- O Comboio Dos Mortos
- O Comboio Mistério
- O Condenado
- O Couraçado Potemkin
- O Cowboy Da Meia-Noite
- O Crepúsculo Dos Deuses
- O Dedo De Deus
- O Delator!
- O Demónio
- O Despertar Da Besta
- O Despertar Da Mente
- O Deus Da Carnificina
- O Deus Elefante
- O Dia Em Que A Terra Parou (1951)
- O Dia Em Que A Terra Parou (2008)
- O Dia Da Besta
- O Discurso Do Rei
- O Enigma Do Espaço
- O Estranho Caso De Benjamin Button
- O Estranho Mundo De Jack
- O Evangelho Segundo São Mateus
- O Exorcista
- O Fatalista
- O Feiticeiro De Oz
- O Feitiço Do Tempo
- O Fiél Jardineiro
- O Gabinete Das Figuras De Cera
- O Gabinete Do Dr. Caligari
- O Gato Das Botas
- O Génio Do Mal (1976)
- O Grande Peixe
- O Grande Ditador
- O Guerreiro
- O Homem Duplo
- O Homem Que Copiava
- O Homem Que Sabia Demasiado
- O Homem Que Veio Do Futuro
- O Idealista
- O Jogo
- O Júri
- O Imperador Da Califórnia
- O Inquilino
- O Justiceiro Da Noite
- O Labirinto Do Fauno
- O Laço Branco
- O Lado Selvagem
- O Lago Perfeito
- O Leopardo
- O Livro Negro
- O Lobo Do Mar
- O Macaco De Ferro
- O Maquinista
- O Marinheiro De Água Doce
- O Menino De Ouro
- O Meu Tio
- O Milagre De Berna
- O Milagre Segundo Salomé
- O Mistério Galindez
- O Monstro Da Lagoa Negra
- O Mundo A Seus Pés
- O Nevoeiro (1980)
- O Ofício De Matar
- O Olho
- O Orfanato
- O Paciente Inglês
- O Padrinho - Parte I
- O Padrinho - Parte II
- O Padrinho - Parte III
- O Panda Do Kung Fu
- O Panda Do Kung Fu 2
- O Pesadelo De Darwin
- O Pistoleiro Do Diabo
- O Planeta Selvagem
- O Pó Dos Tempos
- O Portador Da Espada
- O Presidiário
- O Prisioneiro Do Rock
- O Protegido
- O Próximo A Abater
- O Quinto Elemento
- O Quinto Império
- O Regresso
- O Rei Dos Gazeteiros
- O Reino Proibido
- O Ritual
- O Ritual Dos Sádicos
- O Sabor Do Amor
- O Sargento Da Força Um
- O Segredo A Brokeback Mountain
- O Segredo De Um Cuscuz
- O Segredo Dos Punhais Voadores
- O Selvagem
- O Sentido Da Vida
- O Sétimo Selo
- O Sítio Das Coisas Selvagens
- O Sonho Comanda A Vida
- O Sonho De Cassandra
- O Sorriso De Mona Lisa
- O Tempo Do Lobo
- O Tesouro Da Sierra Madre
- O Tigre E A Neve
- O Tio Boonmee Que Se Lembra Das Suas Vidas Anteriores
- O Triunfo Da Vontade
- O Turista
- O Último Airbender
- O Último Grande Herói
- O Último Rei Da Escócia
- O Último Tango Em Paris
- O Último Voo Do Flamingo
- O Vingador Tóxico
- O Wrestler
- Ocean's Eleven - Façam As Vossas Apostas
- Odete
- Oldboy - Velho Amigo
- Olho Mágico
- Oliver Twist
- Ônibus 174
- Orca
- Órfã
- Os Amantes Regulares
- Os Amigos De Alex
- Os Bons E Os Maus
- Os Caça-Fantasmas
- Os Cavaleiros Do Asfalto
- Os Chapéus De Chuva De Cherburgo
- Os Cinco Venenos
- Os Clãs Da Intriga
- Os Condenados De Shawshank
- Os Descendentes
- Os Edukadores
- Os Famosos E Os Duendes Da Morte
- Os Filhos Do Homem
- Os Friedmans
- Os Guardiões Da Noite
- Os Homens Preferem As Loiras
- Os Imortais
- Os Inadaptados
- Os Índios Apache
- Os Invisíveis
- Os Irmãos Grimm
- Os Limites Do Controlo
- Os Marginais
- Os Mercenários
- Os Miúdos Estão Bem
- Os Novos Dez Mandamentos
- Os Olhos Da Serpente
- Os Olhos Sem Rosto
- Os Onze De Oceano
- Os Optimistas
- Os Pássaros
- Os Produtores (2005)
- Os Psico-Detectives
- Os Rapazes Da Noite
- Os Rapazes Não Choram
- Os Renegados Do Diabo
- Os Rutles - All You Need Is Cash
- Os Selvagens Da Noite
- Os Simpsons - O Filme
- Os Sonhadores
- Os Sorrisos Do Destino
- Os Super-Heróis
- Os Supeitos Do Costume
- Os Três Enterros De Um Homem
-Os Visistantes Da Idade Média
- Os 300 Espartanos

- Pagafantas
- Palpitações
- Papillon
- Para Onde O Vento Sopra
- Parada De Monstros
- Paraíso, Inferno... Terra
- Paranoid Park
- Paris Je T'Aime
- Party Monster
- Pecados Íntimos
- Pele
- Pequenas Mentiras Entre Amigos
- Performance
- Perigo Na Noite
- Perto Demais
- Pesadelo Em Elm Street
- Pink Floyd The Wall
- Piranha 3D
- Piratas Das Caraíbas - O Mistério do Pérola Negra
- Piratas Das Caraí­bas - O Cofre Do Homem Morto
- Piratas Das Caraíbas - Nos Confins Do Mundo
- Planeta Dos Macacos
- Planeta Dos Macacos: A Origem
- Planeta Terror
- Plano 9 Dos Vampiros Zombies
- Polaróides Urbanas
- Polí­cia Sem Lei (1992)
- Polícia Sem Lei (2009)
- Poltergeist, O Fenómeno
- Ponto De Mira
- Por Favor Rebobine
- Por Favor Não Me Morda O Pescoço
- Porcos & Selvagens
- Posto Fronteiriço
- Precious
- Predadores
- Presente De Morte
- Preto E Branco
- Primer
- Príncipe Da Pérsia - As Areias Do Tempo
- Procurado
- Profissão: Repórter
- Promessas Proibidas
- Proposta Indecente
- Proteger
- Psico
- Psicopata Americano
- Pulp Fiction
- Pulsação Zero
- Punch-Drunk Love - Embriagado De Amor
- Purana Mandir
- Purple Rain

- Quando Viste O Teu Pai Pela Última Vez
- Quarentena
- Quarteto Fantástico (1994)
- Quarteto Fantástico (2005)
- Quase Famosos
- Quatro Noites Com Anna
- Que Lugar Maravilhoso
- Que Se Mueran Los Feos
- Queijo E Marmelada
- Quem Quer Ser Bilionário
- Querida Famí­lia
- Querida Wendy

- R
- Rapariga Com Brinco De Pérola
- Rare Exports
- Ratatui
- Ratos Assassinos
- Ray
- [Rec]
- [REC]2
- Red Eye
- Relatório Kinsey
- Relatório Minoritário
- Religulous - Que O Céu Nos Ajude
- Relíquia Macabra
- Renascimento
- Resident Evil: Apocalypse
- Rio
- Rio Bravo
- Rock De Fogo
- Rock, Rock, Rock
- Rocknrolla - A Quadrilha
- Rocky Balboa
- Roger E Eu
- Roma
- Romance E Cigarros
- Roxanne
- RRRrrrr!!!
- Rubber - Pneu
- Ruídos Do Além
- Ruivas, Loiras E Morenas
- Rumo À Liberdade
- Ruptura Explosiva

- Sacanas Sem Lei
- Sala De Pânico
- Salazar - A Vida Privada
- Salto Mortal
- Samsara
- Sangue Do Meu Sangue
- Sangue Por Sangue
- Santa Sangre
- Sapatos Pretos
- Save The Green Planet!
- Saw - Enigma Mortal
- Saw II - A Experiência Do Medo
- Saw 3D - O Capítulo Final
- Scoop
- Scott Pilgrim Contra O Mundo
- Seconds Apart
- Seis Indomáveis Patifes
- Sem Ela
- Sem Limites
- Sem Rumo
- Sem Tempo
- Semi-Pro
- Ser E Ter
- Sereia
- Serpentes A Bordo
- Sete Anos No Tibete
- Sete Vidas
- Sexo E A Cidade
- Sgt. Pepper's Lonely Heart Club Band
- Shaolin Daredevils
- Shaolin Soccer - O Ás Da Bola
- Shaolin Vs. Evil Dead
- Shattered Glass - Verdade Ou Mentira
- Sherlock Holmes
- Sherlock Holmes - Jogo De Sombras
- Shining
- Shoot 'Em Up - Atirar A Matar
- Shortbus
- Shrek 2
- Shrek O Terceiro
- Shrek Para Sempre
- Sicko
- Sid And Nancy
- Sideways
- Simpatyhy For Mr. Vengeance
- Sin City - Cidade Do Pecado
- Sinais
- Sinais De Fogo
- Sinais Do Futuro
- Sinais Vermelhos
- Singularidades De Uma Rapariga Loira
- Sky Captain E O Mundo De Amanhã
- Slither - Os Invasores
- Soldados Da Fortuna
- Soldados Do Universo
- Sombras Da Escuridão
- Somewhere - Algures
- Sonho De Uma Noite De Inverno
- Sonny
- Sophie Scholl - Os Últimos Dias
- Soro Maléfico
- Sorte Nula
- Soul Kitchen
- Spartacus
- Spartan - O Rapto
- Splice
- Stacy - Attack Of The Schoolgirl Zombies
- Star Wars - A Ameaça Fantasma
- Star Wars - A Vingança Dos Sith
- Star Wars - O Ataque Dos Clones
- Stardust - O Mistério Da Estrela Cadente
- Stone - Ninguém É Inocente
- Stoned, Anos Loucos
- Submarino
- Super
- Super Baldas
- Super-Homem
- Super-Homem: O Regresso
- Super 8
- Superstar
- Suspeita
- Suspiria
- Sweeney Todd: O Terrível Barbeiro De Fleet Street
- Swimming Pool
- Sword Of Vengeance
- Sympathy For The Devil

- Taking Woodstock
- Tarnation
- Tarzan, O Homem Macaco (1981)
- Taxidermia
- Team America - Polí­cia Mundial
- Tebas
- Tecumseh
- Teeth
- Tempestade Tropical
- Tennessee
- Terra De Cegos
- Terminal De Aeroporto
- Terra Dos Mortos
- Terror Em Setembro
- Terror Na Auto-estrada
- Terror Nas Montanhas
- Tetro
- The Bloodstained Butterfly
- The Brown Bunny
- The Darjeeling Limited
- The Departed: Entre Inimigos
- The Devil And Daniel Johnston - Loucuras De Um Génio
- The Devil's Double
- The First Great Train Robbery
- The Fountain - O Último Capítulo
- The Grudge - A Maldição
- The Host - A Criatura
- The Impossible Kid
- The King Of Kong
- The Langoliers - Meia-Noite E Um
- The Last House On The Left
- The Machine Girl
- The Man From Earth
- The Marine
- The Million Dollar Hotel - O Hotel
- The Mindscape Of Alan Moore
- The Mist - Nevoeiro Misterioso
- The Others - Os Outros
- The Prestige - O Terceiro Passo
- The 50 Worst Movies Ever Made
- The Way
- The Woman
- Thirst - Este É O Meu Sangue
- This Is It
- This Is Spinal Tap
- Thor
- Thriller - A Cruel Picture
- THX 1138
- Tirar Vidas
- Titanic 2
- Tony
- Tournée - Em Digressão
- Toy Story 3
- Tragam-me A Cabeça De Alfredo Garcia
- Transamerica
- Tron
- Tron: O Legado
- Tropa De Elite
- Tropa De Elite 2 - O Inimigo Agora É Outro
- Tsotsi
- Tubarão
- Tubarão 2
- Tubarão 3
- Tubarão IV - A Vingança
- Tucker E Dale Contra O Mal
- Tudo Ficará Bem
- Tudo Pode Dar Certo
- Twisted - Homicídios Ocultos

- Ultra Secreto
- Um Amor De Perdição
- Um Azar Do Caraças
- Um Bater De Corações
- Um Belo Par... De Patins
- Um Cão Andaluz
- Um Dia A Casa Vai Abaixo
- Um Dia De Raiva
- Um Homem Singular
- Um Longo Domingo De Noivado
- Um Lugar Para Viver
- Um Padrasto Para Esquecer
- Um Profeta
- Um Tiro No Escuro
- Um Trabalho Em Itália
- Uma Aventura Na Casa Assombrada
- Uma Boa Mulher
- Uma Canção De Amor
- Uma Espécie De Cavalheiro
- Uma Famí­lia À Beira De Um Ataque De Nervos
- Uma História De Violência
- Uma Pequena Vingança
- Uma Rapariga Com Sorte
- Uma Segunda Juventude
- Uma Segunda Vida
- Undefeatable
- Unseen Evil 2 - Alien 3000
- Up - Altamente

- V De Vingança
- Vai E Vive
- Vais Conhecer O Homem Dos Teus Sonhos
- Valhalla Rising - Destino De Sangue
- Valquíria
- Vampiros de John Carpenter
- Van Helsing
- Vanilla Sky
- Vanitas
- Vasilhame
- Veio Do Outro Mundo
- Veludo Azul
- Velvet Goldmine
- Vencidos Pela Lei
- Vendendo A Pele
- Veneno Cura
- Vera Drake
- Versus - A Ressurreição
- Vestida Para Matar
- Vice
- Vício - Quando Nada É Suficiente
- Vicky Cristina Barcelona
- Vidas Sombrias
- Vigilância
- Vingança Redentora
- Virgem Aos 40 Anos
- Vitus
- Viúva Rica Solteira Não Fica
- Viver A Sua Vida
- Voando Sobre Um Ninho De Cucos
- Voltando Para Casa
- Voltar
- Vontade Indómita
- Voo 93

- Walk Hard - A História De Dewey Cox
- Walk The Line
- WALL-E
- Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme
- Wassup Rockers - Desafios De Rua
- Watchmen - Os Guardiões
- Welcome To The Rileys
- White Irish Drunkers
- Wild Zero
- Win Win
- Wolf Creek
- Wristcutters: A Love Story

- X-Men
- X-Men 2
- X-Men 3 - O Confronto Final
- X-Men: O Início
- X-Men Origens: Wolverine

- Zack E Miri Fazem Um Porno
- Zardoz
- Zatoichi
- Zombies Party - Uma Noite... De Morte
- Zombies Strippers
- Zozo

- 007 - Agente Secreto
- 007 - Casino Royale
- 007 - Quantum Of Solace
- 10 Coisas Que Odeio Em Ti
- 100 Volta
- 10.000 AC
- 12 Homens Em Fúria
- 12 Macacos
- 12:08 A Este De Bucareste
- 1984
- 2LDK
- 24 Hour Party People
- 28 Dias Depois
- 20,13 - Purgatório
- 2012
- 300
- 4 Copas
- 48
- 50/50
- 6=0 Homeostética
- 8 1/2
- 9 Canções
- 98 Octanas


ENTREVISTAS:
- Fernando Fragata
- Festróia - Mário Ventura
- Filipe Melo
- Good N Evil
- IMAGO - Sérgio Felizardo
- José Barahona
- Nuno Markl
- Paulo Furtado
- Rodrigo Areias
- Sara David Lopes
- Solveig Nordlund
- Fernando Alle


TOPES:
- Top 8 dos Melhores Filmes de 2011
- Top 5 dos Piores Filmes de 2011
- Top 10 dos Melhores Filmes de 2010
- Top 5 dos Piores Filmes de 2010
- Top 5 dos filmes de Leslie Nielsen
- Top 10 Dos Filmes Low Cost
- Top 5 das Melhores Cenas de Dança
- Top 8 dos Melhores Filmes de 2009
- Top 5 dos Piores Filmes de 2009
- Top 5 dos Filmes Que Tenho Vergonha De Dizer Que Gosto
- Top 5 das Melhores Músicas de Ennio Morricone
- Top 5 dos filmes com Patrick Swayze
- Top 5 dos Telediscos do Michael Jackson
- Top 5 dos Filmes com David Carradine
- Top 5 dos Filmes com Lutadores de Luta-Livre
- Top 10 Os Melhores Filmes de 2008
- Top 5 Os Piores Filmes de 2008
- Top 5 dos Piores Filmes de Natal
- Top 5 das Coisas que não Esperávamos Ver no Cinema
- Top 5 dos Melhores Filmes de Paul Newman
- Top 5 Personagens Com Palas Nos Olhos
- Top 10 Melhores Cartazes De Cinema
- Top 5 dos Filmes de Chuck Norris
- Top 5 dos Filmes de Patrick Swayze
- Top 10 Os Melhores/Piores Vestidos dos Oscares
- Top 5 As Mortes de Crianças Mais Gratuitas
- Top 10 Os Melhores de 2007
- Top 5 Os Piores de 2007
- Top 7 Adaptações ao Cinema de Livros de Stephen King
- Top 5 Filmes Pela Paz
- Top 5 Os Melhores Beijos
- Top 5 Grandes Arquitectos
- Top 10 Filmes Que Mudaram A Minha Vida
- Top 5 Mulheres de Cabeça Rapada
- Top 5 As Cenas Mais Excitantes
- Top 10 Os Melhores de 2006
- Top 5 Os Piores de 2006
- Top 3 Filmes de Robert Altman
- Top 5 Os Vilões do Cinema
- Top 5 Filmes Com Mick Jagger
- Top 5 Filmes Com Steve Buscemi
- Top 5 Dos Cães no Cinema
- Top 5 Dos Filmes do Indie06
- Top 5 Dos Filmes do Fantas06
- Top 5 dos Presidentes
- Top 10 Os Melhores de 2005
- Top 5 Os Piores de 2005
- Top 5 Filmes com Pat Morita
- Top 10 Os Melhores Filmes Independentes
- Top 5 Os Piores Filmes da Saga Bond
- Top 5 Filmes com Dolph Lundgren
- Top 5 Adaptações de BD Para Cinema
- Top 10 Cenas Mais Assustadoras de Sempre
- Top 5 Vencedores do Óscar
- Top 5 Bond Girls
- Top 5 Filmes Sobre Doenças
- Top 5 Filmes de Natal
- Top 5 Melhores Batalhas Corpo-A-Corpo
- Top 10 Melhores Canções do Cinema
- Top 10 Melhores Filmes de Sempre
- Top 5 Melhores Momentos Musicais
- Top 5 Grandes Duelos do Cinema
- Top 10 Maiores Personagens do Cinema
- Top 5 Piores Momentos da Ficção Cientí­fica
- Top 10 Melhores Momentos da Ficção Cientí­fica
- Top 5 Filmes Religiosos


BAÚ DO TRASH:
- Needle
- Que Se Mueran Los Feos
- Easy A
- Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme
- Saw 3D - O Capítulo Final
- And Soon The Darkness
- Os Imortais
- Purana Mandir
- Pagafantas
- The Bloodstained Butterfly
- Cisne Negro


ROYALE WITH CHEESE APRESENTA:
- A Tasca Da Cultura
- A Causa Das Coisas - parte I
- A Causa Das Coisas - parte II
- A Momentary Lapse Of Reason


FILMES A VER ANTES DE MORRER:
- #1 As Lágrimas Do Tigre Negro
- #2 Alucarda
- #3 Time Enough At Last
- #4 Armageddon
- #5 The Favour, The Watch And The Very Big Fish
- #6 Italian Spiderman
- #7 The Soldier And Death


UMA CURTA POR DIA NÃO SABE O BEM QUE LHE FAZIA:
- 1# Rabbit, de Run Wrake
- 2# Aligato, de Maka Sidibé
- 3# The Cat Concerto, de Joseph Barbera & William Hanna
- 4# A Curva, de David Rebordão
- 5# Batman: Dead End, de Sandy Callora
- 6# O Código Tarantino, de Selton Mello
- 7# Malus, de António Aleixo & Crosswalk, de Telmo Martins
- 8# Three Blind Mice, de George Dunning
- 9# Bedhead, de Robert Rodriguez
- 10# Key To Reserva, de Martin Scorcese
- 11# Bambi Meets Godzilla, de Marv Newland
- 12# The Horribly Slow Murderer with the Extremely Inefficient Weapon, de Richard Gale
- 13# Stolz Der Nation, de Eli Roth
- 14# Papá Wrestling, de Fernando Alle
- 15# Glas, de Bert Haanstra
- 16# Fotoromanza, de Michelangelo Antonioni
- 17# Quem É Ricardo?, de José Barahona
- 17# Terra Incognita, de Peter Volkart


AS MELHORES PIORES CENAS DE SEMPRE:
- A Pior Luta
- A Cena Mais Metida A Martelo
- O Ataque Animal Mais Brutal
- A Perseguição Mais Alucinante
- O Duelo Mais Improvável


CLUBE DE CINEMA DE SETÚBAL:
- Janeiro
- Fevereiro
- Março
- Abril
- Maio
- Setembro
- Novembro


FESTIVAIS:
- 20º Festróia
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9
- 21º Festróia
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- 22º Festróia
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10
- 23º Festróia
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10
- 24º Festróia
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- 26º Festróia
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- 12º Caminhos Do Cinema Português
Dia 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8
- Imago 2006
Dia 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8

;

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket



BLOCKBUSTERS:

04/01/2004 - 05/01/2004

05/01/2004 - 06/01/2004

06/01/2004 - 07/01/2004

07/01/2004 - 08/01/2004

08/01/2004 - 09/01/2004

09/01/2004 - 10/01/2004

10/01/2004 - 11/01/2004

11/01/2004 - 12/01/2004

12/01/2004 - 01/01/2005

01/01/2005 - 02/01/2005

02/01/2005 - 03/01/2005

03/01/2005 - 04/01/2005

04/01/2005 - 05/01/2005

05/01/2005 - 06/01/2005

06/01/2005 - 07/01/2005

07/01/2005 - 08/01/2005

08/01/2005 - 09/01/2005

09/01/2005 - 10/01/2005

10/01/2005 - 11/01/2005

11/01/2005 - 12/01/2005

12/01/2005 - 01/01/2006

01/01/2006 - 02/01/2006

02/01/2006 - 03/01/2006

03/01/2006 - 04/01/2006

04/01/2006 - 05/01/2006

05/01/2006 - 06/01/2006

06/01/2006 - 07/01/2006

07/01/2006 - 08/01/2006

08/01/2006 - 09/01/2006

09/01/2006 - 10/01/2006

10/01/2006 - 11/01/2006

11/01/2006 - 12/01/2006

12/01/2006 - 01/01/2007

01/01/2007 - 02/01/2007

02/01/2007 - 03/01/2007

03/01/2007 - 04/01/2007

04/01/2007 - 05/01/2007

05/01/2007 - 06/01/2007

06/01/2007 - 07/01/2007

07/01/2007 - 08/01/2007

08/01/2007 - 09/01/2007

09/01/2007 - 10/01/2007

10/01/2007 - 11/01/2007

11/01/2007 - 12/01/2007

12/01/2007 - 01/01/2008

01/01/2008 - 02/01/2008

02/01/2008 - 03/01/2008

03/01/2008 - 04/01/2008

04/01/2008 - 05/01/2008

05/01/2008 - 06/01/2008

06/01/2008 - 07/01/2008

07/01/2008 - 08/01/2008

08/01/2008 - 09/01/2008

09/01/2008 - 10/01/2008

10/01/2008 - 11/01/2008

11/01/2008 - 12/01/2008

12/01/2008 - 01/01/2009

01/01/2009 - 02/01/2009

02/01/2009 - 03/01/2009

03/01/2009 - 04/01/2009

04/01/2009 - 05/01/2009

05/01/2009 - 06/01/2009

06/01/2009 - 07/01/2009

07/01/2009 - 08/01/2009

08/01/2009 - 09/01/2009

09/01/2009 - 10/01/2009

10/01/2009 - 11/01/2009

11/01/2009 - 12/01/2009

12/01/2009 - 01/01/2010

01/01/2010 - 02/01/2010

02/01/2010 - 03/01/2010

03/01/2010 - 04/01/2010

04/01/2010 - 05/01/2010

05/01/2010 - 06/01/2010

06/01/2010 - 07/01/2010

07/01/2010 - 08/01/2010

08/01/2010 - 09/01/2010

09/01/2010 - 10/01/2010

10/01/2010 - 11/01/2010

11/01/2010 - 12/01/2010

12/01/2010 - 01/01/2011

01/01/2011 - 02/01/2011

02/01/2011 - 03/01/2011

03/01/2011 - 04/01/2011

04/01/2011 - 05/01/2011

05/01/2011 - 06/01/2011

06/01/2011 - 07/01/2011

07/01/2011 - 08/01/2011

08/01/2011 - 09/01/2011

09/01/2011 - 10/01/2011

10/01/2011 - 11/01/2011

11/01/2011 - 12/01/2011

12/01/2011 - 01/01/2012

01/01/2012 - 02/01/2012

02/01/2012 - 03/01/2012

03/01/2012 - 04/01/2012

04/01/2012 - 05/01/2012

05/01/2012 - 06/01/2012

06/01/2012 - 07/01/2012

07/01/2012 - 08/01/2012

08/01/2012 - 09/01/2012

09/01/2012 - 10/01/2012

10/01/2012 - 11/01/2012

11/01/2012 - 12/01/2012

12/01/2012 - 01/01/2013

01/01/2013 - 02/01/2013

02/01/2013 - 03/01/2013

03/01/2013 - 04/01/2013

04/01/2013 - 05/01/2013

05/01/2013 - 06/01/2013

06/01/2013 - 07/01/2013

07/01/2013 - 08/01/2013

08/01/2013 - 09/01/2013

09/01/2013 - 10/01/2013

10/01/2013 - 11/01/2013

10/01/2013 - 11/01/2013

11/01/2013 - 12/01/2013

12/01/2013 - 01/01/2014

01/01/2014 - 02/01/2014

02/01/2014 - 03/01/2014

03/01/2014 - 04/01/2014

04/01/2014 - 05/01/2014

05/01/2014 - 06/01/2014

06/01/2014 - 07/01/2014

07/01/2014 - 08/01/2014

08/01/2014 - 09/01/2014